O problema com a narrativa histórica de “Outlander”

O problema com a narrativa histórica de “Outlander”

Compartilhe

AVISO: Contém discussão sobre o primeiro episódio da quarta temporada (NÃO CONTÉM SPOILER)

No episódio de estreia da 4ª temporada de Outlander, a principal heroína, Claire (Caitriona  Balfe), fala poeticamente sobre o “sonho americano” para seu marido Jamie Fraser (Sam Heughan). Claire fala sobre todas as possibilidades que o país irá oferecer para as pessoas e como eles poderão se reerguer. Sendo uma viajante do tempo dos anos 60, Claire já sabe qual o futuro dos Estados Unidos ao olhar as florestas da Carolina do Norte, em 1768.

No mesmo dia em que assisti a esse episódio, Brett Kavanaugh* foi confirmado como o mais novo membro da Suprema Corte. É um fato sobre o qual os organizadores da série não poderiam saber ao criar esta temporada, mas é um exemplo de como Outlander quer ser uma série cuidadosa, mas que tropeça porque não consegue ir muito longe ao fazer críticas.

Durante uma sessão de perguntas e respostas com os fãs, uma jovem trouxe à tona as questões sobre o estupro masculino na série e sua exploração vista no primeiro episódio. A jovem perguntou se os roteiristas estavam mencionando isso por causa do movimento #MeToo. A mulher que estava ao meu lado reclamou, dizendo: “Não tem nada a ver com política!” O produtor executivo, Ronald D. Moore, deu uma resposta cuidadosa, citando uma frase do ex-Presidente Obama sobre como a história está do lado do progresso. Mas como Obama disse em seu discurso de despedida, “nem sempre a História anda em linha reta. Às vezes, ela anda em zigue- zague.” Outlander anda assim, porque a série não tem paciência para realmente esmiuçar as nuances históricas que quer apresentar.

Leia também:
>> [NOTÍCIA] Jamie Lee Curtis diz que o novo “Halloween” faz parte do movimento #MeToo
>> [OPINIÃO] O protagonismo de Claire Beauchamp na busca da liberdade de ser
>> [SÉRIES] Outlander – 3ª temporada: A constante barreira de ser mulher em um mundo dos homens

No dia seguinte eu estava falando com outra repórter que disse que a série não quer fazer nenhum “julgamento” a respeito da escravidão e a respeito dos personagens que irão aparecer na nova temporada e que possuem escravos, como a tia de Jamie, interpretada por Maria Doyle Kennedy, porque “não é necessário dizer às pessoas que a escravidão é ruim.” O que, tudo bem, todos gostaríamos de pensar assim, mas não é esse o caso em 2018. Para uma série que quer ser cuidadosa e que é amada por tantas mulheres pelo fato de ser feminista e de ser uma boa história de amor, Outlander ainda quer apagar da narrativa todas as coisas mais complicadas do que o amor entre Jamie e Claire.

Para mim, essa inabilidade da série em se pronunciar é um problema. Além disso, foi dito que nesta temporada a série não teria nenhum ator Cherokee ou nenhum nativo americano nos papéis de Cherokees, por causa de regras do SAG (sindicato dos atores). De acordo com o site Cheatsheet, a produtora executiva Maril Davis disse: “Fomos para o Canadá onde não havia regras do sindicato e trouxemos mais de 100 atores nativos americanos” e aparentemente eles falaram com líderes Cherokee para garantir que a série “acertasse” em termos da forma como mostra a tribo. “Espero que tenhamos sido sensíveis em alguns aspectos e que tenhamos mostrado a cultura de forma a fazer justiça a ela, mas ainda contando a história que Diana [Gabaldon] escreveu.”

Exceto que, aí está o problema: se a história de Diana Gabaldon é problemática e mostra os Cherokees de forma errada, isto deve ser mudado. “Os Tambores de Outono” foi publicado em 1996; mais de vinte anos atrás. O discurso que havia sobre os povos indígenas, suas comunidades e sua história cresceu e se desenvolveu desde então. Por isso, se o que a autora escreveu é mais ofensivo do que bom, deve ser alterado ou cortado.

Não é suficiente apenas dizer “é muito triste o que vai acontecer aos nativos” quando se tem dois personagens brancos que irão agora participar ativamente disso. Especialmente a Claire, que é nossa heroína feminista e que agora será ativa na colonização, tendo total conhecimento dos genocídios que irão ocorrer. Mas os Frasers irão continuar, em nome de seu futuro e de sua família.

Outlander está se abrindo para discussões sobre raça, gênero, agressão sexual e colonização e eu espero que a série esteja preparada para ter respostas reais, porque é uma série que acerta em muitas coisas, mas também que tropeça de formas que poderiam ser evitadas, especialmente a esta altura.

* Brett Kavanaugh é o juiz que tomou posse recentemente na Suprema Corte dos Estados Unidos. Escolhido pelo Presidente Donald Trump, este juiz foi acusado por três mulheres de tê-las agredido sexualmente.

Tradução do artigo escrito por Princess Weekes, publicado originalmente no site The Mary Sue, no dia 08 de outubro de 2018.  Tradução por Maria Amélia Fleury Nogueira.

Compartilhe

Autora

287 Posts

Fundadora e editora-chefe do Delirium Nerd. Revisora. Apaixonada por gatos, café, cinema do oriente médio, quadrinhos e animações japonesas. Ouve muito Harry Styles e cantoras melancólicas.
Veja todos os textos
Follow Me :