Doctor Who – 11×01: The Woman Who Fell to Earth (primeiras impressões)

Doctor Who – 11×01: The Woman Who Fell to Earth (primeiras impressões)

Compartilhe

O último domingo, 07 de outubro de 2018, foi nebuloso. O clima tenso das eleições havia carregado à atmosfera. As pessoas estavam aborrecidas e carrancudas, brigando por pouco ou por nada. Discussões e ofensas pipocavam nas redes sociais e, lamentavelmente, os gritos de ordem enchiam as ruas. Foi difícil sair de casa, pois encontrar aqueles que estavam dispostos a enaltecer a intolerância era inevitável. Mas, você deve estar estranhando a introdução. Afinal, o título do texto faz referência à estreia da nova temporada de Doctor Who. Contudo, tornou-se impossível pensar na série sem associar a figura do lendário viajante do tempo com a atual situação política do Brasil.

Um dos maiores méritos de Doctor Who está na bondade do Senhor Tempo (ou Senhora). Não importa o que aconteça e quais desafios precisarão ser enfrentados, o Doutor não recuará. Permanecerá firme em sua crença de fazer a coisa certa, pelo bem das pessoas. E quando falamos em fazer o bem, não estamos falando em conduzir pessoas como se estas fossem cordeiros. O Doutor é inspirador. Leva as pessoas a agirem de forma honrosa e corajosa, independentemente dos riscos. Desperta o que há de melhor na humanidade. O Doutor acredita que a humanidade vale a pena, e o que mais gosta em nós é justamente o que os intolerantes odeiam: a pluralidade.

Leia também:
>> [DOCTOR WHO] Jodie Whittaker: “Eu quero dizer aos fãs que não tenham medo do meu gênero.”
>> [SÉRIES] “Class”: a escola de companions do Doctor Who
>> [SÉRIES] O que podemos esperar de “O Mundo Sombrio de Sabrina”

O canal de streaming Crackle liberou o primeiro episódio da décima primeira temporada para os amantes da série. Mais do que um simples retorno, The Woman Who Fell to Earth (A Mulher que Caiu na Terra) marcou a estreia de Jodie Whittaker, primeira mulher a interpretar o lendário Doutor. A expectativa estava grande e muito se especulou sobre como seria a atuação de Jodie Whittaker. Alguns fãs mais conservadores, inclusive brasileiros, chegaram a afirmar que a série ficaria descaracterizada (e ruim), pois o personagem principal mudaria de gênero. A ideia era a de que uma mulher jamais seria capaz de interpretar o Doutor como deveria ser feito.

Felizmente, a décima primeira temporada começou muito bem e a nova Doutora não decepciona. O título do episódio é bastante sugestivo e ilustra com perfeição quem é a Nova Doutora e o que ela está disposta a fazer. A Doutora cai na Terra e, mesmo sem sua chave sônica e sua TARDIS, decide salvar as pessoas do perigo. Ela ainda está sob o efeito da regeneração, por isso seu cérebro ainda está se acostumando ao novo corpo. Mesmo sem ter condições físicas para dominar todo o conhecimento que possui, bem como suas habilidades, a Doutora não decepciona e Jodie Whittaker merece elogios, afinal, sua atuação permite que o espectador vibre, se emocione e, principalmente, tenha fé que tudo acabará bem.

Doctor Who

Como seus predecessores, a Doutora é inspiradora, capaz de levar desconhecidos a segui-la e confiar nela. Com pouco ou nenhum recursos, soluciona problemas e salva inocentes. Defende veemente a Terra e acredita que o nosso planeta e seus habitantes merecem respeito e proteção. Todos eles, não apenas alguns poucos escolhidos. Para a Doutora, todos são especiais e, com certeza, ela se arriscaria por todos, esbanjando sagacidade, coragem e audácia.

O final do episódio traz consigo o desejo por mais. Não apenas pela continuação do seriado, mas a vontade de que o clima de coragem, solidariedade, harmonia, respeito e valorização da vida escapem das telas e preencham as lacunas do mundo real. Diante de tanto ódio é triste vermos que um programa de televisão consegue ser mais atraente do que a realidade.


Compartilhe

Autora

21 Posts

Nerd, pedagoga, escritora, leitora, gamer, integrante da casa de Lufa-lufa, amante de ficção científica (Star Trek, Star Wars e Doctor Who) e literatura fantástica. Deseja ardentemente que o outro lado da vida seja uma grande Biblioteca.
Veja todos os textos
Follow Me :