[SÉRIES] Objetos Cortantes – 1×01: Primeiras impressões

[SÉRIES] Objetos Cortantes – 1×01: Primeiras impressões

Depois do sucesso da adaptação cinematográfica de Garota Exemplar, mais um best-seller de Gillian Flynn é adaptado. Desta vez, para telinha com o título de Objetos Cortantes (no original: Sharp Objects), a série começou a ser exibida pela HBO no último domingo, dia 08 de julho. Considerada uma das grandes promessas da HBO para o segundo semestre de 2018, a direção criativa da série fica nas mãos do competente Jean-Marc Vallée, que foi responsável pela direção de Big Little Lies, outro grande sucesso do canal, e a produção-executiva com Marti Noxon, a mesma produtora de Buffy: The Vampire Slayer e Unreal.

Com um total de oito episódios (por volta de 50 minutos cada) o clima de thriller psicológico no estilo de True Detective, se fez muito presente nesse primeiro episódio, que teve como grande destaque a atuação de uma atormentada Amy Adams no papel principal, além de contar com Patricia Clarkson como sua mãe, e Sophia Lillis como a versão mais jovem de Amy Adams.

Lançado em 2006, Objetos Cortantes foi o livro de estreia de Gillian Flynn, e acompanha a volta para casa de Camille Preaker (Amy Adams), uma repórter fracassada e autodestrutiva que foi forçada por seu editor a retornar à sua cidade natal, para investigar um assassinato e o desaparecimento de duas adolescentes.

Objetos Cortantes
HBO/Divulgação
Leia também:
>> [OPINIÃO] O estereótipo da mulher louca nos filmes de terror: O medo feminino tratado como loucura
>> [SÉRIES] El Ministerio del Tiempo: A história como entretenimento e memória
>> [SÉRIES] American Crime Story – O Assassinato de Gianni Versace: Abandono, fama e homofobia

Autodepreciação e relações familiares complexas

A produção começa de forma lenta e calma, sem pressa ou reviravoltas. Através de flashbacks, conhecemos um pouco da juventude da protagonista em Wind Gap, através da perda de sua irmã mais nova, que deixou marcas profundas e sentidas até hoje. Durante o primeiro episódio, o público acompanha os passos da investigação de Camille. Ela entrevista familiares e interage com a polícia. Já nesse episódio o segundo corpo é encontrado, isso ajuda a criar um maior tensão nas relações familiares da protagonista.

Composta por uma mãe neurastênica, um padrasto omisso e uma meia irmã dissimulada, a família de Camille está longe de parecer perfeita. A cenografia da casa está em total sintonia com a ideia de superficialidade nessa família. Fica nítido que existe algo de podre naquela casa. Contudo, aos poucos vamos conhecemos outros personagens que entrarão em destaque, como o detetive forasteiro Richard Willis (Chris Messina). Para quem leu o livro sabe que esse personagem será de muita ajuda no desenrolar da trama.

Outro ponto positivo foi mostrar um pouco da paisagem decadente da cidade pequena, em comparação aos casarões da antiga aristocracia sulista escravocrata. A empregada negra da família – que precisa usar um uniforme empregável – , além do mendigo negro, são personagens que aparecem e não foram colocados em vão na narrativa, eles fazem parte da ambientação naquela região americana. Para quem assistiu a primeira temporada de True Detective sabe como a desigualdade social e a aridez do território sul-americano é manifestado através da arquitetura e das posições sociais daquela sociedade.

Ainda está muito cedo para o público descobrir o grande mistério da trama de Objetos Cortantes, mas pelo que assistimos nesse começo, podemos esperar mais turbulências na cidade de Wind Gap, além de conflitos familiares.

Assista ao teaser do próximo episódio:

Escrito por:

23 Textos

Graduada em Ciências Sociais. Cineasta amadora. Viciada em livros, séries e K-dramas. Mediadora do Leia Mulheres de Niterói (RJ).
Todos os textos
Follow Me :