[SÉRIES] Doctor Who – 11×04: Arachnids in the UK (resenha)

[SÉRIES] Doctor Who – 11×04: Arachnids in the UK (resenha)

Compartilhe

Arachnids in the UK (Aracnídeos no Reino Unido, em tradução livre) é o quarto episódio da décima primeira temporada de Doctor Who. Lançado no dia 28 de outubro de 2018, dirigido por Sallie Aprahamian e escrito por Chris Chibnall, trata do retorno do quarteto para Sheffield. A Doutora cumpre com sua palavra e leva seus novos amigos Graham O’Brien (Bradley Walsh), Ryan Sinclair (Tosin Cole) e Yasmin Khan (Mandip Gill) de volta para seu tempo e lugar. Porém, o que deveria será um adeus, acaba se revelando uma nova aventura.

Tem algo estranho com as aranhas nessa cidade.”. É o que diz a Jade McIntyre (Tanya Fear) após um inusitado encontro com a Doutora (Jodie Whittaker), Ryan e Graham. Jade é uma cientista, responsável por conduzir experimentos envolvendo aranhas, porém, o foco da moça não está apenas nos resultados de sua pesquisa, mas também nas anomalias observadas no ecossistema local, incluindo o ataque de aranhas a seres humanos.

Ao perceber que os incidentes apontados por Jade estabelecem um padrão, a Doutora e seus amigos partem para investigar. Coincidentemente (ou não) o epicentro da atividade aracnídea anormal se dá em um complexo hoteleiro, gerenciado pela mãe de Yasmim, a senhora Najia Khan (Shobna Gulati).

Arachnids in the UK

Leia também:
>> [SÉRIES] Doctor Who – 11×03: Rosa (resenha)
>> [SÉRIE] O Mundo Sombrio de Sabrina: o que esperar da segunda temporada!
>> [SÉRIES] My So-Called Life: Representatividade na série adolescente mais influente de todos os tempos

A partir daí o terror começa, pois a Doutora, seus amigos e aqueles que decidiram ou foram obrigados a juntar-se a aventura, precisam enfrentar aranhas gigantescas e famintas, em cenas que são, muitas vezes, de arrepiar os cabelos.

Os fãs da série já estão acostumados. Contudo, os que estão conhecendo Doctor Who agora, devem ter estranhado a mudança no enredo. O episódio três da décima primeira temporada, “Rosa” foi, basicamente, histórico, permeado por excelentes reflexões sociológicas. Já em Arachnids in the UK, os espectadores terão contato com um enredo próximo ao terror, intercalado por cenas de alívio cômico para aplacar a tensão. Porém, engana-se quem pensa que o episódio fica aquém no que diz respeito à reflexão dos problemas cotidianos.

Afinal, o que há de errado com as aranhas em Sheffield? A ação humana. O crescimento desordenado das aranhas, tanto em tamanho quanto em população, é fruto da irresponsabilidade e ganância das empresas. O complexo hoteleiro em que se passa a ação da história esconde uma terrível verdade, fruto da ausência de planejamento das grandes corporações pouco ou nada interessadas nas questões ambientais.

Arachnids in the UK

Como era de se esperar, a Doutora oferece uma solução pacífica para o problema, e se não fosse pela interferência de Jack Robertson (Chris Noth), magnata americano e dono do complexo hoteleiro, a ação teria sido perfeita. Mais uma vez, Doctor Who presenteou o público com uma lição política e, lamentavelmente, ela cairia bem para povo brasileiro. Homens brancos e ricos, sedentos pelo poder, muitas vezes são incapazes de tomar decisões que visem à paz. Mesmo que uma solução não violenta possa tomada, esse cara se sentirá muito feliz em puxar o gatilho. 

Arachnids in the UK

E, ao final do episódio, o que acontece com Graham, Ryan e Yasmin? Embargam junto com a Doutora para se tornarem uma família, o Team TARDIS? Ou decidem permanecer em Sheffield e retomar suas vidas? Para saber, você precisará assistir! Uma coisa é certa, ao findar do episódio, você não será mais a mesma pessoa e não haverá arrependimentos. É possível, inclusive, que você assista de novo, de novo e de novo.


Compartilhe

Autora

21 Posts

Nerd, pedagoga, escritora, leitora, gamer, integrante da casa de Lufa-lufa, amante de ficção científica (Star Trek, Star Wars e Doctor Who) e literatura fantástica. Deseja ardentemente que o outro lado da vida seja uma grande Biblioteca.
Veja todos os textos
Follow Me :