A Menina do Outro Lado: uma fábula oriental sobre tolerância, acolhimento e pertencimento

A Menina do Outro Lado: uma fábula oriental sobre tolerância, acolhimento e pertencimento

Compartilhe

As fãs de mangás já foram agraciadas pela chegada de “Fragmentos do Horror” (Junji Ito), em terras brasileiras, pela DarkSide Books no ano de 2017 e, em 2019, um dos lançamentos mais aguardados da editora é o primeiro volume de “A Menina do Outro Lado” (do japonês, Totsukuni no Shojo), de Nagabe. Na trama, dois mundos destoam entre si em vários aspectos: o lado de fora é povoado por criaturas marcadas por uma maldição milenar e, no lado de dentro de uma cidade, pessoas coexistem com medo de serem, também, amaldiçoadas. É neste contexto que as leitoras conhecem Shiva, uma garotinha que, contrariando as ordens naturais, sobrevive no mundo de fora com a ajuda de Sensei, uma criatura metade animal, metade homem, que fará de tudo para mantê-la longe de perigos iminentes. 

A Menina do Outro Lado

O primeiro volume de “A Menina do Outro Lado” apresenta às leitoras uma introdução acerca da estória principal de Sensei e Shiva. O mangá começa com um diálogo entre uma mulher e uma criança, sobre as quais não se sabe muito; a primeira relata à segunda os perigos que giram ao redor do mundo exterior e da maldição à qual a população pode ser vítima, sempre alertando-a a se proteger dos perigos. Logo em seguida, vê-se Shiva, uma menina de aproximadamente quatro ou cinco anos (não fica explícita a sua idade na obra, porém Shiva ainda não sabe ler) e seu guia, Sensei, conversando sobre a falta de comida na casa em que vivem. A identificação com Shiva é imediata, uma vez que ela é muito esperta e cativante.

A criança anseia pela volta de uma tia que há muito não vê e, com a ajuda de Sensei, almeja encontrá-la. É nesta perspectiva que a trama começa a caminhar para eventos que podem colocar em risco a vida de Sensei e da pequena Shiva.

1. As personagens

Por mais diferentes que possam parecer à primeira vista, Shiva e Sensei, uma criatura amaldiçoada, na qual a menina não pode sequer encostar para não ser amaldiçoada também, possuem uma dinâmica muito positiva, e em momento algum ela se mostra assombrada pela aparência de seu guia. A relação que os dois possuem é repleta de afeto e companheirismo, apesar de não ficar claro há quanto tempo Sensei cuida da menina. Sensei é misterioso, porém fiel em sua dedicação à Shiva. Ele demonstra afeto por ela nos pequenos gestos e também é firme quando necessário. É uma personagem muito instigante, pois o que se espera das criaturas como ele, de acordo com os relatos de outras pessoas, é que sejam selvagens e ameaçadoras, porém ele contraria esta visão, tendo um gigantesco coração e cuidando de si, da casa e da menina.

A Menina do Outro Lado

A Menina do Outro Lado

Por ser adulto e conduzir a estória do seu ponto de vista, as leitoras conseguem perceber o quanto ele sofre e vive atormentado por fantasmas do passado, incluindo os de Shiva, que é apenas uma criança e só pode recorrer a ele como mentor para sobreviver. Shiva, por sua vez, consegue aliviar toda e qualquer situação de tensão com seu jeito doce e espontâneo. A inocência que traz em seu coração ajuda tanto a ela mesma quanto ao seu cuidador a passarem por diversas provações, e fica cada vez mais explícita a troca afetiva positiva entre os dois: enquanto Shiva necessita de alguém que a ensine os aspectos básicos de sobrevivência naquele local – na vida, no geral -, Sensei também precisa dela para olhar um mundo hostil com mais leveza.

2. O local

Sensei e Shiva vivem em uma floresta aparentemente erma, mas vez ou outra a dupla é acometida de visões de criaturas irreconhecíveis. A casa em que vivem é bem cuidada, e para terem comida, os dois caminham até o vilarejo abandonado mais próximo para sobreviverem dos restos que encontram.

A Menina do Outro Lado

3. A mitologia

O guardião da garotinha conta que há milhares de anos viviam sobre a Terra dois deuses: o Deus da Luz e os Deus das Trevas. O Deus da Luz era bom e espalhava felicidade, ao passo que o Deus das Trevas se apropriava e destruía tudo o que queria. Deu-se um momento crucial em que o Deus da Luz castigou o Deus das Trevas com uma aparência horrenda e, como vingança, o Deus das Trevas jogou uma maldição sobre todas as pessoas, para que elas também se tornassem o que ele era, se tocadas por uma de suas criaturas. Assim, o Deus da Luz construiu um gigantesco muro, isolando as criaturas das trevas dos humanos para que, de dentro de sua fortaleza, não mais tivessem contato com os perigos do exterior. E esta estória perdura até os dias em que Shiva e Sensei existem e, por conta disto, a liberdade de ir e vir lhes é privada.

Leia também:
>> [MANGÁ] Yakusoku no Neverland: Crianças lutando pela sobrevivência
>> [MANGÁS] Ayako: O lado sombrio de Osamu Tezuka
>> [MANGÁS] NG Life: Entre o presente e o passado

4. Os ensinamentos

A lição principal e predominante na obra de Nagabe é o prejuízo da falta de tolerância com o que se é diferente, o que aproxima a narrativa do mangá dos dias atuais. Sendo chamados de “forasteiros” pelo exército do rei que governa a cidade cercada pela muralha, todas as criaturas que são vistas como “anormais”, logo, amaldiçoadas, tendem a encarar um único e trágico fim: a morte. Sensei arrisca a própria existência para cuidar de Shiva que, pelo simples fato de estar localizada do outro lado da muralha, é vista como uma ameaça para quem não a conhece. Até mesmo as pessoas de dentro da muralha, vivendo sob vigilância de seus governantes, vez ou outra são identificadas como uma ameaça por contatos simples com o mundo de fora. Confinadas e constantemente apavoradas, tanto quem está dentro quanto quem está fora da muralha correm o risco de ter a vida extinta por um conhecimento passado de geração em geração, com o qual não há meio termo ou diálogo para ser repensado.

É preciso que Shiva, uma criança de coração gentil, lembre às leitoras constantemente que há sim a possibilidade de se conviver e aprender com o outro, sem julgá-lo. Justamente por isso a relação entre Sensei e Shiva é importante, não apenas no contexto da obra, como também no paralelo que se pode fazer com as atrocidades vivenciadas em sociedade. Em um mundo literalmente cercado por sombras, faz-se necessária a busca pela luz do amor, do respeito e da tolerância entre pessoas e suas individualidades.

A Menina do Outro Lado

O acolhimento que Sensei esbanja ao cuidar da menina faz com que a leitora entenda o outro lado, visto como o lado das trevas, “do mal”, assim como a compreensão de Shiva em conviver com uma criatura que só difere dela própria quanto à aparência, um fator irrelevante para ela. Esta dicotomia presente na obra fornece diversas leituras possíveis, inclusive psicológicas, acerca das personagens que aparecem já no começo da estória. Este fato é compreendido também através do traço e da coloração do quadrinho, evocando a mistura de sombras e luz até mesmo dentro da floresta; nada nunca será predominantemente bom ou mau. O medo, na relação das duas figuras, parte da preocupação com a própria segurança e integridade, uma vez que precisam esconder-se de quem quer que seja e que não os compreenda como duas pessoas que merecem, simplesmente, viver como são.

Mesmo a obra sendo curta, há uma tristeza profunda pairando pelas páginas, o que moverá a leitora a resgatar diversas passagens mesmo após o término da leitura, pois a falta de consciência do outro, de suas particularidades e direitos é o que mais assombra no mangá.

5. A edição

Como acontece na maioria dos livros da editora DarkSide Books, o projeto gráfico é lindíssimo. Em capa dura colorida e com título envernizado, a edição brasileira foi feita com muito carinho e só aumenta as expectativas para os próximos volumes a serem lançados. O miolo é inteiro em preto em branco e colabora para a imersão no conteúdo da estória. Há, também, um extra na última página. O traço do desenho lembra, de fato, um conto de fadas oriental e cada cena é de uma riqueza em detalhes fantástica.

A Menina do Outro Lado

A Menina do Outro Lado

A Menina do Outro Lado

A Menina do Outro Lado

Nagabe, autor de “A Menina do Outro Lado”, nasceu em Tóquio (1 de agosto de 1993) e também é autor dos demais volumes da série, que já conta com seis volumes lançados no exterior. Esta é sua primeira obra lançada no Brasil. Ele pode ser encontrado no Twitter e no Tumblr.

***

A Menina do Outro Lado” é uma fábula dark que precisa ser lida, apreciada e discutida. Sua simplicidade e acessibilidade narrativas engrandecem e facilitam a compreensão de temas sociais tão importantes e que precisam cada vez mais estar em debate dentro de diversos grupos. Um acerto precioso da editora DarkSide Books! <3

https://www.instagram.com/tv/Burm6EaA29Z/


A Menina do Outro Lado A Menina do Outro Lado

DarkSide Books

Autor: Nagabe

Tradutora: Renata Garcia

176 páginas

Se interessou pelo mangá? COMPRE AQUI! ou AQUI!

A Delirium Nerd é integrante do programa de associados da Amazon e do Lomadee. Comprando através de qualquer um dos links acima, você ajuda a manter o site no ar, além de ganhar nossa eterna gratidão por apoiar o nosso trabalho!


Compartilhe

Autora

86 Posts

É estudante de Letras e fã incondicional de Neil Gaiman – e, parafraseando o que o próprio autor escreveu em O Oceano no Fim do Caminho, “vive nos livros mais do que em qualquer outro lugar”.
Veja todos os textos
Follow Me :