CRÍTICA | Marighella: a potência revolucionária no cinema nacional
Marighella: a potência revolucionária no cinema nacional

Marighella: a potência revolucionária no cinema nacional

Desde o pôster que registra apenas o rosto marcante de Seu Jorge até a última cena do filme, Wagner Moura não deixou dúvida que não estava de brincadeira e que seu primeiro longa-metragem como diretor seria grandioso ou, pelo menos, buscaria esse intento. Após os adiamentos da estreia devido o COVID-19 e a tentativa de censura no Brasil relatada pelo diretor, Marighella finalmente estreia nos cinemas nesta quinta-feira, 04 de novembro.

Moura, em entrevista coletiva junto de parte do elenco do filme, contou aos jornalistas como escolheu seu Marighella. Inicialmente foi pensado para o rapper Mano Brown – o que, aliás, teria sido certeiro, pois há grande semelhança entre os dois (Carlos Marighella e Mano Brown) –, mas com a indisponibilidade de Brown, Wagner decidiu trazer a pauta racial para somar-se à questão da ditadura. Seu Jorge foi, então, o escolhido e o fez de forma potente e carismática.

Carlos Marighella, presente!

Carlos Marighella
Carlos Marighella | Foto: reprodução

O Carlos Marighella que vimos na tela é mais do que poeta, deputado federal, professor e guerrilheiro: ele é simpático, carismático, forte, bom com as mulheres, sedutor, dono de muito bom humor, cuidador. Tudo foi pensado para que ele fosse perfeito e heroico… sem falhas e defeitos, quase uma entidade.

Em determinada cena do filme, Frei Henrique, amigo de Marighella e também apoiador da luta contra a ditadura, compartilha uma passagem sobre a vida de Jesus. Ele, inclusive, pontua o fato de que o filho de Deus era um homem de pele escura que abriu mão de sua condição de vida para lutar pelo seu povo e que defendia a luta armada. Assim como Marighella.

Carlos Marighella é interpretado pelo ator Seu Jorge
Carlos Marighella é interpretado pelo ator Seu Jorge | divulgação

O Marighella retratado por Wagner Moura

Há uma atmosfera no longa que faz supor que Carlos tenha sido mais do que um herói em sua luta contra a opressão e a ditadura. Nas mãos de Seu Jorge e Wagner Moura, o revolucionário possui uma firmeza de caráter e valores morais que se contrapõem, não somente ao momento em que sua luta entrou para história, mas como uma espécie de resposta à crise moral, institucional e antidemocrática que estamos vivendo nesses últimos 6 anos – que vão desde o início do segundo mandato de Dilma Rousseff até o momento atual.

Fica evidente também que, ao optar por retratar um Marighella negro, o cineasta aposta na ideia de um homem do povo que simboliza a luta contra a opressão do colonialismo racial e escravagista presente na pauta das grandes ditaduras.

Com poucas presenças femininas, o filme se preocupa mais em construir a ideia desse homem protetor e correto que escolheu deixar sua família para seguir na luta armada. Às mulheres coube o papel de cuidarem de seus filhos e reconstruírem suas vidas a partir de seu legado ou morrerem ao lado de seus homens. Apenas uma mulher aparece no grupo de Marighella: uma jovem que, apesar de um aspecto frágil, se posiciona ao lado do guerrilheiro em defesa da pátria.

Leia também >> Mulheres na História do Cinema: Adélia Sampaio

Mesmo ela, com tamanha força, aparece sendo protegida ou sendo pautada pelo revolucionário. Não consideramos que o filme se oponha às mulheres, mas com certeza não as têm como pauta central do longa. Talvez a história pudesse nos colocar num pé de igualdade com esses e outros homens que conquistaram seu espaço e importância no mundo. Mas, é sabido, esse é um ponto ainda a ser conquistado pelas mulheres.

Marighella e Clara (Adriana Esteves) no longa. | divulgação

A origem de um revolucionário

Nascido em 1911, soteropolitano e filho de um imigrante italiano e de uma baiana negra nascida livre, filha de escravos sudaneses. Marighella foi morto a tiros, em 4 de novembro de 1969, numa emboscada de agentes do DOPS – Departamento de Ordem Política e Social, órgão do governo brasileiro vigente durante o Estado Novo e também na Ditadura Militar. Marighella era deputado federal pelo PCD, também poeta e professor. Envolveu-se na política logo cedo, filiando-se ao PCD e militando contra ditadura através de sua arte e luta.

Depois de muito tempo na militância política, vinculado ao PCD e de muitas prisões e torturas, Marighella fundou a Ação Libertadora Nacional (ALN) e liderou jovens estudantes determinados a lutarem com armas contra a Ditadura Militar. E é nesse ponto que o filme conta sua história.

Cena de "Marighella", filme de Wagner Moura
Cena de “Marighella”, filme de Wagner Moura | foto: divulgação

Por fim, Wagner Moura imaginou, construiu e retratou a história de um mito à semelhança de seu povo, cuja missão é a de defender nosso país contra um outro “mito”. Este, por sua vez, bem menos intencionado e fechado com a propagação de uma política racista, higienista e sem freios morais.

Há muita ficção no filme Marighella e, independentemente do quão pretensioso isso possa nos parecer, dá um alento saber que a arte não morreu e que ela pode ser usada como manifesto e forma de expressão. Viva a arte, o cinema nacional e a cultura!

Leia também >> Say her name: Nia DaCosta – “A Lenda de Candyman” sob nova direção
Wagner Moura e a equipe de "Marighella" no Festival Internacional de Cinema de Berlim
Wagner Moura e a equipe de “Marighella” no Festival Internacional de Cinema de Berlim | Foto: divulgação

O filme estreia nesta quinta-feira, 04 de novembro, apesar de ter sido finalizado em 2019. Muitos foram os problemas que impediram sua vinculação nos cinemas do país. A COVID-19 foi uma delas, claro, mas problemas burocráticos com a ANCINE dificultaram a distribuição do filme. O longa, que participou de inúmeros festivais internacionais, chega por fim ao Brasil exatamente na data que marca os 52 anos do assassinato de Carlos Marighella.

Escrito por:

42 Textos

Mulher, mãe, profissional e devoradora de filmes. Graduada em Psicologia pela Universidade Metodista de São Paulo, trabalhando com Gestão de Patrocínios e Parceiras. Geniosa por natureza e determinada por opção.
Todos os textos
Follow Me :