[TV] “Vampira” um ícone do terror na década de 50

[TV] “Vampira” um ícone do terror na década de 50

O Halloween está se aproximando e essa época é excelente para acompanhar produções do gênero terror e recordar personagens clássicos que fizeram sucesso no cinema e na tv. Quando se fala em representação feminina no estilo, um dos nomes precursores para que mulheres ganhassem mais visibilidade nessas produções é Maila Nurmi, imortalizada como Vampira. 

Maila Elizabeth Syrjäniemi nasceu em 11 de dezembro de 1922, na cidade de Petsamo, na Finlândia, adotando o sobrenome Nurmi após alegar ser sobrinha do corredor Paavo Nurmi. Quando tinha dois anos de idade, sua família se mudou para o estado de Ohio, nos Estados Unidos. Durante sua juventude atuou na Broadway e também foi modelo pin up de algumas campanhas.

O início do que seria sua trajetória de sucesso aconteceu por acaso, quando, em 1953, estava caracterizada da personagem de desenho animado Morticia Addams, para uma festa a fantasia. O produtor de TV Hunt Stromberg Jr. estava presente no local e viu potencial na interpretação de Maila, passando vários meses a sua procura até que conseguisse seu contato. Quando finalmente a encontrou, lançou a proposta de um show de horror para televisão, fazendo surgir assim a icônica Vampira. 

O programa iniciou em 1954 na KABC-TV, e abria com a personagem deslizando em corredor escuro coberto de névoa, com um visual sexy de vestido preto justo e com enorme decote. “The Vampira Show” foi o primeiro show do estilo a ser protagonizado exclusivamente por uma mulher, sendo o seu formato inovador, não havendo até então produções parecidas no gênero terror. Vampira apresentava produções cinematográficas do terror em seu programa, podendo ser comparado no Brasil ao Cine Trash, apresentado por Zé do Caixão.  Utilizando sua sexualidade como arma, a personagem ficou conhecida por ter a língua afiada e ser desinibida, principalmente para os padrões de comportamento da época. 

Publicidade

Relembrando o momento histórico, a década de 50 ficou marcada pelo pós-guerra, e os chamados “Anos Dourados” trouxeram o “American Way of Life”, registrando o fim da escassez e o crescimento econômico na América. Enquanto, durante a Segunda Guerra, mulheres foram incentivadas à trabalharem fora enquanto seus maridos iam ao combate, nesse período voltaram a vender a imagem da boa esposa, que deveria ficar em casa cuidando dos filhos. O estilista Christian Dior trouxe o chamado “New Look”, e o glamour marcou a década com seus vestidos na altura do tornozelo e a volta do salto alto ao guarda-roupa. A importância feminina de Maila também se deve a quebra desses estereótipos, retratando a sexualidade da mulher na televisão e aderindo ao gótico antes mesmo que esse se tornasse tendência. 

               

“New Look” de Dior na década de 50                                 Look gótico da “Vampira”

Um ano depois de sua estreia, o show foi cancelado com a demissão de Maila, que teve desavenças com a emissora. A atriz manteve os direitos sobre a personagem, e continuou realizando algumas aparições, como no filme “Plano 9 do Espaço Sideral”, do diretor Ed Wood. No filme biográfico “Ed Wood”, do diretor Tim Burton, foi interpretada pela atriz Lisa Marie Smith.

Apesar da curta duração, o tempo em que ficou no ar foi suficiente para torná-la um símbolo cult, e chegou a lhe render uma indicação ao Emmy como personalidade do ano. Maila nunca teve o devido reconhecimento pelo seu trabalho e acabou caindo no esquecimento, apesar de sua personagem ter sido pioneira e servir de inspiração para diversas outras. Antes dela, o gênero terror contava em sua maioria com personagens masculinos como protagonistas, enquanto personagens femininas costumavam apenas surgir como vítimas histéricas. Em 1981, houve a cogitação do retorno de “The Vampira Show”, porém essa ideia foi descartada e pouco tempo tempo depois apareceu Cassandra Peterson como “Elvira: A Rainha das Trevas”. Maila chegou a abrir uma ação judicial contra Cassandra, alegando apropriação de personagem, porém sem dar resultados. Malévola, a vilã da animação da Disney “A Bela Adormecida”, também teve seu visual inspirado na Vampira.

                       

Publicidade

                                            “Elvira a Rainhas Trevas” e “Malévola” 

Maila Nurmi morreu em 2008 devido a um ataque cardíaco, e em 2012, foi lançado o documentário “Vampira and Me”, contando sua história.  

Autora:

17 textos

Acadêmica de jornalismo, feminista, problematizadora e apaixonada por cultura pop. Sonha em viajar o mundo, atualmente viaja nos pensamentos.
Todos os textos
Follow Me :