[LIVROS] Vampiros: Uma nova perspectiva sobre a mitologia em uma coleção nacional (Resenha)

[LIVROS] Vampiros: Uma nova perspectiva sobre a mitologia em uma coleção nacional (Resenha)

Compartilhe

Vampiros é o primeiro volume da “Coleção Sobrenatural” da AVEC Editora e reúne 10 contos de autores nacionais que recriam a mitologia dos vampiros. Neste livro não serão encontradas versões da história do vampiro proveniente de Transilvânia, tampouco serão vistos mitos de vampiros que brilham à luz do sol, mas histórias que unem a realidade brasileira e seu folclore a uma lenda mundial.

[NÃO CONTÉM SPOILERS]

O prefácio de Lord A. já indica a riqueza do livro ao reunir obras de destaque da atualidade e realizar uma breve análise e resumo delas de forma a oferecer uma reflexão inicial sobre a figura dos vampiro, bem como um quadro comparativo ao que se seguirá. Descritos de modos distintos – ora como vilões implacáveis, ora como mocinhos necessitados de redenção de seus próprios pecados – vampiros sempre despertaram a curiosidade e as emoções de leitores. O fascínio talvez se deva aos questionamentos morais que eles representam. Ao mesmo tempo em que são mais poderosos que a grande maioria dos humanos, trazem consigo a responsabilidade de viver eternamente com a lembrança de suas fraquezas e erros, principalmente quando estão em poder de decidir sobre a vida e a morte.

O perigo de escrever sobre vampiros é resumi-los ao clichê de boas pessoas amaldiçoadas com a vida eterna e com a tentação de se alimentar de outras pessoas, caindo, por vezes, num romantismo exacerbado do mito. Talvez o maior mérito do livro não tenha sido somente trazer uma perspectiva nacional da lenda, mas também reunir histórias que não quisessem  transmitir a ideia de poder sobre o outro como algo idealizado. Pelo contrário, os dez contos mostram a verdade que muitos autores preferem ignorar sobre estas criaturas. Não importa quantos anos eles tenham ou quão amorosos vampiros sejam, porque, em sua base, são caçadores, machucam e se alimentam de outros seres.

Vampiros são fascinantes, porque revelam um lado oculto da própria humanidade. Em geral, as narrativas acerca da mitologia giram em torno de práticas de violência recriminadas quando realizadas por seres humanos, mas aceitas quando pertencentes à cultura de uma criatura lendária, de modo que os vampiros possam ser encarados como uma espécie de alter-ego da humanidade. Nem todos os vampiros do volume são personificações do mal. No entanto, não fogem da natureza da criatura, nem são descritos como seres ideais.

“[…] É privativo de nós, os privilegiados, o conhecimento da Verdade, e seu bônus. É somente o nosso entendimento completo do lema que baliza nossa sociedade: os fins justificam os meios.
A inversão de valores causa estranheza a muitos de vocês, sei disso. Nós os estudamos há séculos. Sei, também, que nosso ínclito padrão ético, que aos poucos vai se disseminando em sua sociedade, ainda enfrenta resistência. Mas, creiam, é apena uma questão de tempo: o processo colonizador é implacável.” (“Colonização”, Carlos Bacci)

No tocante à perspectiva nacional, destaca-se o conto “Sangue e Poeira”, de Fred Furtado. Ainda que outros contos tenham inserido bastante o cenário, a história e a cultura brasileira – a exemplo do conto “Anunciação”, de Ju Lund, que insere a cultura do forró –, “Sangue e Poeira” inovou ao mesclar a mitologia indígena com o mito dos vampiros.

Por fim, em uma perspectiva feminista, o conto que mais se destaca é “Olho Por Olho”, de Nazareth Fonseca. De um modo geral, todos os contos apresentam pontos positivos nesta perspectiva, enquanto fogem do estereótipo de donzela apaixonada e em perigo comum aos mitos de vampiros. Vários trazem mulheres fortes, sobretudo no papel de caçadoras também. “Olhor Por Olho”, porém, é importante à coleção, porque não só apresenta personagens e predadoras fortes, como rompe com a romantização dos vampiros, que em muitas versões sequestram mulheres, usam-nas conforme seus interesses sob a fachada de uma necessidade à qual não se pode resistir e ainda são considerados heróis a serem perdoados. Não existe romance no cárcere, não existe romance na violência contra a mulher. E “Olho Por Olho” combate este clichê.

“- Você não tem honra, Sebastian. É uma pária que se igualou ao pior da espécie humana. Matador de fêmeas inocentes, nada mais justo que uma delas o destrua.” (“Olho Por Olho”, Nazareth Fonseca)

Alguns contos, por óbvio, agradam mais que outros, mas é uma coleção que, no geral, supera as expectativas e inova. Mesmo os menores contos conseguem trazer histórias interessantes sobre esses seres que, há séculos, sobrevivem no imaginário social e que geram diversas discussões e reflexões.


VampirosVampiros – Coleção Sobrenatural – Vol. 1

Autores: Lord A., Giulia Moon, Fred Furtado, Simone Saueressig, Duda Falcão, Narareth Fonseca, Alexandre Cabral, Ju Lund, Carlos Patati, Carlos Bacci, Marcelo Del Debbio.

AVEC Editora

208 páginas

Onde comprar: Amazon

Este livro foi cedido pela editora para resenha.

 

Conheça as obras da AVEC Editora: Site OficialFacebook  Compre aqui livros da editora

 


Compartilhe

Autora

135 Posts

Mestra em Teoria e História do Direito e redatora de conteúdo jurídico. Escritora de gaveta. Feminista. Sarcástica por natureza. Crítica por educação. Amante de livros, filmes, séries e tudo o que possa ser convertido em uma grande análise e reflexão.
Veja todos os textos
Follow Me :