Carole e Tuesday: a união feminina no cenário da música pop

Carole e Tuesday: a união feminina no cenário da música pop

Compartilhe

Quem não gostaria de virar uma estrela da música pop? Cantar para milhares de pessoas, ser adorado por fãs ao redor do mundo e paparicado por agentes e empresários? Mas assim como é com qualquer sonho ambicioso, a ideia é mais atraente do que arregaçar as mangas e colocá-lo em prática. A verdade é que correr atrás de seus sonhos não é fácil. E é sobre isso que tratam os primeiros doze episódios de “Carole e Tuesday“, novo anime de Shinichiro Watanabe, disponível na Netflix.

Carole and Tuesday - anime de Shinichiro Watanabe - Netflix
Elenco de “Carole e Tuesday” (Imagem: reprodução)

Com direção de Motonobu Hori, a premissa de toda a trama já é posta à prova na primeira cena, na qual somos introduzidas a Tuesday (Kana Ichinose), jovem aparentemente rica e privilegiada, que abandona uma mansão – com visual de casa antiga do século XIX – para seguir sua carreira como música. Ela deixa tudo para trás com nada além de seu violão Gibson e uma mala robotizada rosa, que aparentemente demonstra indícios de uma inteligência artificial pacata (?). Mas pouco importa isso, por enquanto. Afinal, o drama apresentado é tão universal, que ainda permanece coerente e crível mesmo num cenário levemente futurista e interplanetário.

Futuro próximo

Não demora muito até que esse panorama meio sci-fi, meio teen drama, fique bem contextualizado. Enquanto os dramas e sonhos são bem terrestres, a história toda se passa, na verdade, em Marte, num futuro que não parece tão distante assim. Mesmo com robôs e serviços automatizados, as pessoas ainda precisam trabalhar para se sustentar e a vida continua não sendo fácil para que não desce rolando pela ladeira do privilégio. Quem sabe bem disso é Carole (Miyuri Shimabukuro), que se vira no tempo entre um trabalho e outro para se dedicar à sua música. Até chorar em velório alheio ela já fez em troca de dinheiro. Ela é quem acolhe Tuesday, recém-chegada na cidade grande, e as duas iniciam a parceria musical que intitula o anime. 

Carole e Tuesday - anime de Shinichiro Watanabe - Netflix
Tuesday (esquerda) e Carole (direita). Imagem: divulgação

Ao contrário de suas histórias anteriores, Shinichiro Watanabe não traz em “Carole e Tuesday” grandes cenas de ação. Ao invés das explosões e lutas, o enfoque é nas apresentações da dupla e das outras atrações musicais que esbarram no caminho das jovens rumo ao estrelato – que muitas vezes roubam a cena. Como é o caso da performance do trio de drag queens Irmãs-Sereias.

A estética continua belíssima e bem adaptada neste slice of life de Watanabe. Os cenários de Marte do futuro ilustram com delicadeza a atmosfera futurista. Enquanto o traço dos personagens é elegante, os ambientes internos são ricos em detalhes, que imprimem um realismo ao mundo apresentado. 

Uma menção especial deve ser feita à caracterização de Carole, uma das poucas protagonistas negras no universo dos animes. Em um meio em que a diversidade étnica é retratada de maneira exagerada, ou então, totalmente esquecida, é preciso enaltecer a estética realista e natural com que ela é retratada.

Carole e Tuesday - anime Netflix
Cena de “Carole e Tuesday” (Imagem: reprodução)
Leia também:
>> A Menina do Outro Lado: uma fábula oriental sobre tolerância, acolhimento e pertencimento
>> Nana: as desventuras da independência aos vinte e poucos anos
>> A experiência transcendental de “Viagem para Agartha”

Como música para os ouvidos…

Além disso, outro grande mérito desse anime é sua trilha sonora. Se seu amor pela música já era perceptível em seus trabalhos anteriores, em “Carole e Tuesday” é definitivamente quando Watanabe o realiza por completo. Além das inúmeras referências ao mundo da música pop em todos os episódios (todos mesmo!), a começar pelos nomes deles – com grandes hits ocidentais –, a trilha sonora é um dos pontos altos. Entre os músicos que ajudaram a montar essa trilha, estão Flying Lotus, Thundercat, Alison Wonderland e Taku Takahashi. E sim, a trilha sonora está disponível online! Yay!

No entanto, não é só de estética e trilha sonora que se sustenta uma história por 12 episódios. O drama das protagonistas, embora envolvente e universal – como já citado no início – não é a única temática que compõe a narrativa da dupla de cantoras. Aos poucos, os personagens coadjuvantes vão tomando destaque, como o agente Gus Goldman (Akio Ôtsuka), e dramas paralelos, como o da ex-modelo-mirim Angela (Sumire Uesaka), que deseja transicionar sua carreira para a de popstar, ganham proporções maiores e tão interessantes quanto a jornada da dupla principal. 

novo anime de Shinichiro Watanabe
Cena de “Carole e Tuesday” (Imagem: reprodução)

Ao final desta primeira metade de “Carole e Tuesday“, somos introduzidas a uma série de histórias e personagens com grande potencial. Os doze primeiros episódios, além de introduzir de maneira bastante satisfatória os personagens, assim como o mundo futurista em que vivem, também oferece um arco narrativo redondo e competente, de um modo geral. Mas ainda assim, fica um gostinho de quero mais. 

No dia 24 de dezembro deste ano, os doze episódios finais estarão disponíveis no Brasil. E sim, vale a pena continuar e conferir!


Edição realizada por Isabelle Simões.

Compartilhe

Written by:

14 Posts

Criança que queria ser bailarina, depois foi querer virar oceanógrafa, que depois sonhou em ser fotógrafa da National Geografic, para depois querer ser escritora. Acabou virando jornalista (no diploma) e professora (na carteira de trabalho – RIP). Adulta, só daqui uns anos.
View All Posts
Follow Me :