Maria e João: a ressignificação de um conto de fadas dark

Maria e João: a ressignificação de um conto de fadas dark

Compartilhe

O conto de João e Maria é um dos mais populares dos irmãos Grimm, sobre as crianças que, abandonadas na floresta em um período de escassez e fome, acabam encontrando uma bruxa que os oferece fartos banquetes, para então engordá-los e depois comê-los. Na adaptação “Maria e João“, o diretor Osgood Perkins traz uma nova cara para essa história, dando uma guinada feminina ao colocar Maria no protagonismo, evidenciada pela mudança no título: agora o nome de Maria vem primeiro, e é ela que guia a história, sendo inclusive a narradora.

Na adaptação "Maria e João", o diretor Osgood Perkins traz uma nova cara para essa história, dando uma guinada feminina ao colocar Maria no protagonismo.
Cena do filme “Maria e João” (Imagem: reprodução)

Com uma ótima atuação de Sophia Lillis no papel, o filme aborda a jornada de amadurecimento de Maria, ao mesmo tempo em que ela começa a descobrir suas capacidades e poderes (que são reais, afinal, se trata de um conto de fadas, mesmo que no conto original não houvessem elementos sobrenaturais).

Trazendo uma atmosfera mais dark, “Maria e João” facilmente será confundido e vendido como filme de terror, porém está longe disso. Há pouquíssimos elementos do terror tradicional, como sustos ou cenas de ação. O diretor se preocupa mais em criar um clima uniformemente tenso e sombrio ao invés de jogar com a adrenalina.

Leia também >> A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões: uma fábula feminista sobre libertação, poder e sororidade

Aliás, o ritmo do filme é bastante lento, fazendo as 1h30 de projeção parecerem mais de 2 horas. Portanto, vemos muitas cenas parecidas se repetirem sem muito progresso narrativo. E ainda assim, o clímax parece repentino e apressado, pela falta de desenvolvimento adequado.

"Maria e João" possui uma ambientação sombria.
A nova adaptação possui uma ambientação sombria. (Imagem: reprodução)

Um dos elementos mais interessantes de “Maria e João” – porém mal executado – é uma leve sugestão feminista no sentido de ressignificar a simbologia das bruxas como uma fonte de força feminina. Algo que tem sido bastante feito por filmes recentes melhores do que este. É uma pena que esta adaptação nada passe do superficial.

Maria profere algumas frases feitas, como algo sobre não gostar de príncipes. Além disso, questiona o sistema tributário injusto sob o qual sua família vive em uma frase aleatória cujo contexto nunca volta a aparecer (ou seja, serviu apenas para mostrar o potencial  progressista da protagonista).

Da mesma forma, a bruxa (Alice Krige) é encarregada de disparar diversas frases que soam extremamente forçadas, como “não sou casada, você vê um grilhão em meus pés?“, para indicar seu espírito independente. São ótimas ideias, mas que infelizmente nem o diretor nem o roteirista (ambos homens) souberam encaixar organicamente à trama.

Leia também >> Floresta dos Medos: contos góticos sobre assombrações reais que nos cercam
Em "Maria e João" Alice Krige atua como a Bruxa.
Na adaptação, Alice Krige atua como a Bruxa (Imagem: reprodução)

No entanto, a história pregressa da bruxa pretensamente tem algo a dizer sobre a “força feminina” e coisas correlatas. Porém, o desfecho destinado à personagem não ousa em nenhum aspecto. No fim das contas, acaba parecendo muito com o conto original, infelizmente, e contradizendo boa parte da mensagem de empoderamento.

“Maria e João” é um filme com boas ideias, visual interessante, mas que promete muito mais do que cumpre. É uma pena que seus realizadores não tenham conseguido tirar realmente do papel todo o potencial da história e colocá-lo na tela.

O filme estreia dia 20 de fevereiro nos cinemas. Confira o trailer:


Compartilhe

Autora

72 Posts

Cineasta, musicista e apaixonada por astronomia. Formada em Audiovisual, faz de tudo um pouco no cinema, mas sua paixão é direção de atores. Vocalista da banda Noite e compositora nas horas vagas. Também escreve sobre cinema em seu site Cine Medusa.
Veja todos os textos
Follow Me :