Yellowjackets: mistério, violência e feminilidade

Yellowjackets: mistério, violência e feminilidade

Olá mundo, eu sou sua garota selvagem” é o verso que compõe o refrão de uma das mais icônicas músicas da banda The Runaways, cujo início e fim se deu na década de 70. Em suas canções há um misto de revolta e emancipação apresentado em um ritmo frenético. Essa estética e maneira de narrar trajetórias femininas é muito semelhante ao que encontramos na série estadunidense Yellowjackets. A série conta sobre um time de futebol feminino do colegial que sofre um acidente de avião na viagem para uma final de campeonato. Entretanto, dezenove meses separam o que sabemos sobre o acidente e o desconhecido.

Em um paralelo com o o presente (2021), Yellowjackets constrói uma trama não linear que facilita a construção das personagens, detalhe no qual o roteiro mais se dedica. O mistério maior não é apenas o que aconteceu na floresta, no tempo em que as meninas esperavam pelo resgate, como também a compreensão dos acontecimentos pessoais das protagonistas.

Compreender como elas chegaram daquele ponto inicial (em 1996, antes do acidente) até o ponto atual de suas vidas, é o mistério que em definitivo prende os telespectadores durante toda a temporada. Assim, aparentemente, apenas 4 delas restaram: Misty (Christina Ricci e Sammi Hanratty), Thaissa (Tawny Cypress e Jasmin Savoy Brow), Shauna (Melanie Lynskey e Sophie Nélisse) e Natalie (Juliette Lewis e Sophie Thatcher).

AVISO: O TEXTO CONTÉM SPOILERS DA PRIMEIRA TEMPORADA DE YELLOWJACKETS

Amizade feminina na série Yellowjackets
Cena do seriado Yellowjackets | Imagem: Showtime

A série ainda usa fórmulas já conhecidas da literatura ou do audiovisual. Alguns poderão encontrar semelhanças entre Senhor das Moscas de William Golding ou o seriado Lost. Dessa maneira, Yellowjackets apresenta um bom suspense, sem deixar de lado a ideia central do amadurecimento de garotas e a vida de mulheres adultas.

SÍNDROME DA CABANA EM YELLOWJACKETS

A síndrome da cabana, ou febre da cabana como também é conhecida, enquadra uma série de transtornos causados pelo isolamento social severo. Não é preciso apelar para a ficção para exemplificar as consequências do isolamento social, uma vez que a pandemia do Covid-19 já demonstrou a quantidade de sequelas físicas e emocionais que a ausência da socialização pode trazer. A série Yellowjackets apresenta essa síndrome crescer de maneira gradual nas personagens, as quais, isoladas na floresta, começam a ter delírios e tomar decisões que seriam inaceitáveis na sociedade.

No terror/suspense de Stephen King, O Iluminado, Jack Torrance, protagonista da obra, é alertado que a Febre da Cabana poderia trazer à tona uma violência que nem ele imaginava ter. Mas Yellowjackets não se passa em um hotel, e as personagens que descobrem uma terrível tendencia à violência são jovens meninas. Contudo, intrigas e traições estão presentes em cada um dos dez episódios. É evidente que a crueldade das personagens está presente não apenas nos momentos que se passam na floresta.

Publicidade
A síndrome da cabana em Yellowjackets
Cena da série Yellowjackets | Imagem: Showtime
Leia também >> The L Word Generation Q: uma série atual que não esquece suas origens

A maneira como a série trabalha os traumas resultantes daqueles dezenove meses em que elas ficaram na floresta é excepcional. E é a fonte real do horror ali gerado. Os traumas da infância e da adolescência ecoam para a vida adulta de cada uma. A série, portanto, nos convida a pensar: até que ponto você iria para enterrar seus traumas? A violência revelada no momento mais obscuro não seria a face mais crua do ser?

Dessa forma, Yellowjackets faz com que o isolamento na floresta não seja o único ambiente extremo que mulheres precisam enfrentar. A sociedade como um todo também funciona como um desafio enorme.

PEQUENOS GRANDES TRAUMAS

Uma das primeiras cenas da série indica que um clã canibal vive na floresta. E mais, conforme acompanhamos o episódio, fica claro que o clã é na verdade, o time de futebol Yellowjackets. Cabe, ao restante da temporada, mostrar como elas chegam a esse ponto. Entretanto, nem tudo é o que parece.

Alguns eventos sobrenaturais retratados na obra podem ser apenas efeitos de alucinógenos. Alguns problemas casuais da vida adulta podem encobrir na verdade, um ritual sangrento. O contraste entre a realidade do acidente, no passado, e o momento atual da vida delas é magistral. Demonstra a força das nossas escolhas da juventude e a coragem com a qual precisamos lidar com as suas consequências.

Por outro lado, com um tom quase cômico em alguns momentos, Yellowjackets erra um pouco na hora de equilibrar a leveza e o suspense. Mas o saldo total é positivo, pois ver os conflitos maternos das versões adultas de Shauna e Thaissa, ao mesmo tempo que acompanhamos chantagem, pessoas misteriosas e cultos canibais é no mínimo…divertido.

Yellowjackets aborda a feminilidade em várias fases da vida, de mulheres completamente diferentes. Ela faz referência e presta homenagem à estética dos anos 90, além da nova onda feminista que cresceu junto ao punk, aos movimentos sociais da década de 70, dentre outros. A obra se importa em trabalhar a amizade entre mulheres, a descoberta de suas sexualidades e a superação de seus traumas.

Leia também >> Bikini Kill: feminismo, protestos e revolução em músicas punk
Pequenos grandes traumas em Yellowjackets
Sophie Thatcher e Sophie Nélisse no set de “Yellowjackets” | Imagem: Showtime

Portanto, não é fácil “perdoar” ou justificar a maioria das escolhas das personagens da série. Mesmo aquelas que não estão relacionadas à violência na floresta ou canibalismo. Dessa forma, todas elas, Misty, Thaissa, Nat e Shauna, são falhas. E é assistindo tais erros que notamos o quão profunda é a sua humanidade.

Publicidade

FEMINILIDADE ATRAVÉS DAS DÉCADAS

Yellowjackets também rompe com certos estereótipos, tais como aqueles relacionados ao arquétipo da Mulher Selvagem. Embora ele seja trabalhado na série de maneira indireta, a intuição de Lottie (Courtney Eaton), por exemplo, parece ser atribuído a um dom natural feminino.

Assim como Shauna também possui suas habilidades com lâminas e Jackie (Ella Purnell) sua capacidade de liderar, as meninas se descobrem na floresta, e junto disso, sua feminilidade. Contudo, o aspecto selvagem da feminilidade delas é desconstruído ao longo da temporada, ao passo que se torna mais complexo e tangível.

Yellowjackets e a feminilidade através das décadas
Tawny Cypress, Christina Ricci, Melanie Lynskey e Juliette Lewis em “Yellowjackets” | Imagem: Showtime

Por fim, Yellowjackets conta uma história violenta em muitos sentidos, e é bem sucedida no que se propõe. Thaissa passa seus traumas para o filho, inconscientemente. Shauna não é o que se espera de uma “mãe de família” e assume não gostar mais da pessoa que sua filha se tornou. Misty é solitária e sofre com baixa autoestima. Natalie é uma ex-viciada que está lidando com o luto de um dos seus melhores amigos.

Sendo assim, a feminilidade poucas vezes anda em tamanha sintonia com o lado assustador das histórias como acontece em Yellowjackets. Aqui, garotas podem apenas ser garotas, em seu lado mais assustador, frágil e bonito.

Autora:

13 textos

Estudante de Letras na Universidade de São Paulo, apreciadora de boas histórias e exploradora de muitos mundos. Seus sonhos variam entre viajar na TARDIS e a sociedade utópica onde todos amem Fleabag e Twin Peaks.
Todos os textos
Follow Me :