Ori And The Blind Forest: um jogo indie de descobertas e autoconhecimento

Ori And The Blind Forest: um jogo indie de descobertas e autoconhecimento

Compartilhe

Todas nós conhecemos Super Mario, Sonic, God of War e League of Legends. Jogos mais conhecidos e populares, normalmente são produzidos por grandes companhias, que possuem mais recursos (e nome) para lançar o game e fazer com que mais pessoas joguem. Mas e quando uma companhia ou pequeno grupo de pessoas faz um jogo bacana e não tem muitos recursos para fazê-lo subir aos hits de mais jogados do anoAcabamos deixando muito conteúdo bom para trás. Muitas vezes, por não sairmos garimpando na internet ou então por de fato não conhecermos mais jogos independentes. Pensando nisso que resolvemos trazer uma dica de jogo indie que é indispensável conhecer, apresentamos Ori And The Blind Forest.

Ori And The Blind Forest

O game foi desenvolvido pela Moon Studios e lançado em 2015 para as plataformas Windows e Xbox. Em 2016 ganhou uma edição definitiva também para Windows e Xbox. É importante dizermos que filmes como O Rei Leão e O gigante de Ferro serviram de forte inspiração para a história do jogo. Além disso, Rayman e a franquia Metroid tiveram influência na jogabilidade de Ori And The Blind Forest.

Para quem gosta de Avatar e A Princesa Mononoke, Ori And The Blind Forest será amor à primeira vista. Toda aquela mistura de misticismo, espiritualidade e um cenário de tirar o folego estão presentes nesse jogo. O personagem principal, que é muito parecido fisicamente com o Stitch, se chama Ori e é um espírito da floresta. Ori acaba se perdendo de sua família e é encontrada por Naru, um dos animais que vivem por lá. Naru vira uma mãezona para Ori e se ocupa desde conseguir sua alimentação diária até entreter a criancinha.

Ori And The Blind Forest

A vida de Naru e Ori na floresta é quase uma utopia, viviam felizes todo o tempo e não possuíam preocupações. Porém, um dia tudo muda. A floresta começa a perder sua vida e a comida passa a ser escassa. Mas o pior mesmo, é que Naru tem um desfecho trágico de vida e Ori novamente se encontra órfã no mundo. Ori começa a vagar sozinha pela floresta, quando de repente recebe a convocação de que deve ajudar a salvar o seu lar, a natureza.

Leia também:

>> Life Is Strange: A representação feminina (SEM SPOILERS)

>> Lista: Melhores jogos de terror com Protagonismo Feminino

>> Horizon Zero Dawn: Diversidade e Protagonismo Feminino em um Mundo Pós-Apocalíptico

>> Undertale: Um mix de nostalgia e fofura

Além de sua história maravilhosa, Ori And The Blind Forest tem outros pontos fortes que merecem destaque. A trilha sonora sutil e harmoniosa. Com acordes e melodias instrumentais calmas, somos levadas a aprofundar cada vez mais no universo de Ori e quando vemos, já estamos chorando com a melodia inicial do game (sério). O que nos leva a outra característica forte do jogo. (Você pode ouvir toda a trilha AQUI)

Mês Geek na Amazon: Ofertas durante todo o mês de maio na categoria nerd/geek

Ori And The Blind Forest é um jogo de autoconhecimento. Já tiveram um momento de epifania na vida? Quando a gente descobre algo ou sente uma coisa única? Pois é, esse jogo mostra na prática o conceito de epifania. Por ter uma história tão forte e uma fotografia impecável, temos uma aproximação quase instantânea com o game. Em diversos momentos, Ori se pega recordando sentimentos e lembranças (principalmente os seus momentos ao lado de Naru). São nesses flashbacks que temas como amor, perdas, coragem e força são trabalhados.

A fotografia deslumbrante e melancólica. Imagina uma criança abandonada em uma selva repleta de magias e perigos?! Ori se encontra nessa situação! A construção de cenário foi minuciosamente trabalhada para passar tanto uma ideia de deslumbramento em um mundo mágico maravilhoso e encantando, quanto a melancolia de estar só em meio a tanta beleza. A fotografia e o gráfico do jogo são tão bem trabalhados, que podemos nos esquecer que estamos jogando e não assistindo a um filme em 3d.

Ori And The Blind Forest

Ori And The Blind Forest tem diversos aspectos positivos e motivos para ser jogado, aqui apenas ilustramos alguns pontos que mais gostamos! Ah, mas pra quem está achando que Ori é só mais um jogo bonitinho e fácil de zerar, já vamos adiantar que: não é. O jogo possui fases tão desafiadoras que é quase impossível passar certos obstáculos sem morrer algumas (muitas) vezes.

À medida em que vamos percorrendo a história, a complexidade dos comandos no game vai aumentando, então é exigido um nível de dedicação e tentativas cada vez maior para conseguirmos ajudar Ori a salvar a floresta. Vale dizer também que por ser um cenário aberto, podemos interagir com vários objetos e retardar um pouco nossos objetivos das missões, mas cuidado para não acabar perdendo o foco vendo tantas paisagens bonitas na tela do seu monitor!

Ori And The Blind Forest


Compartilhe

Written by:

27 Posts

Feminista e estudante de serviço social. Ama Star Wars e é viciada em gatos. Adora conversar sobre gênero e brinca de ser gamer nas horas vagas. Nunca superou o fim de The Smiths.
View All Posts
Follow Me :