[QUADRINHO] A Espetacular Clínica da Monga: A complexidade das relações humanas

[QUADRINHO] A Espetacular Clínica da Monga: A complexidade das relações humanas

Em A Espetacular Clínica da Monga Apresenta: Caso Original, a autora brasiliense, Tai Cossich, mergulha no subconsciente do ser humano, de forma a contar suas angústias e anseios através de quadros focados parcialmente em linguagem não-verbal, em um ensaio originalíssimo sobre a psiquê e a complexidade das pessoas que, de tão diferentes, acabam tornando-se iguais perante Monga, a ilustríssima psicanalista do quadrinho.

A ideia para o quadrinho surgiu após uma performance de Tai Cossich na feira Miolo(s) em 2016, na cidade de São Paulo. A autora, vestindo uma máscara de monga, a mulher-gorila – personagem de circos mambembes – sentava-se ao lado de um divã e escutava a história de diversas pessoas. Ao analisar os relatos, percebeu que muitos deles eram parecidos e apenas destoavam na forma como eram expostos, o que a fez entender que o ser humano é igual em essência e possui mais em comum do que o contrário.

Na obra, a leitora começa por observar uma psicanalista, a própria Monga, e um paciente em seu divã. Ainda que um pouco exitante e apropriando-se de longos intervalos de silêncio, a pessoa começa aos poucos a contar sobre sua vida na sessão de análise e cada vez mais se despe do que sente e deseja para si.

A forma como o traço da autora alcança o âmago da consulta é lírica e, assim como propôs o psicanalista Lacan, é feita sem palavras, apenas no silêncio de se ser. Os balões de fala são os canais pelos quais a leitora consegue compreender as temáticas das conversas, e estes, de tão vívidos, podem ser encarados como uma personagem viva na trama de Cossich.

Monga

Em diversas cenas é possível visualizar os pensamentos e vivências da Monga – e dos pacientes – fundindo-se em um balé de reciprocidade e autoconhecimento: entre crises existenciais, corações partidos, sonhos de infância não concretizados e dúvidas quanto a própria sexualidade, a Monga e seus pacientes conversam das formas lúdicas e tentam de vez encontrar uma saída para os pensamentos – que podem assolar as pessoas por anos de análise. O simples ato de ouvir alguém, arraigado ao dever da profissão ou não, é algo sublime e digno de trocas importantíssimas.

 

 

 

 

Leia também:
>> [QUADRINHOS] Justin: As descobertas de um menino transexual na obra de Gauthier
>> [QUADRINHO] ‘Maria Chorou Aos Pés de Jesus’ traz análise diferenciada de parábolas e mulheres da Bíblia
>> [LIVROS] Magra de Ruim: a sexualidade feminina sem tabus, pelos traços de Sirlanney

É em uma destas sessões que ela conhece Kevin, o mergulhador, com o qual vive um breve romance. Nesta metade da obra, possuímos vislumbres de textos escritos sobre uma coloração azulada das páginas, utilizados para caracterizarem as diferenças entre os dois. Por mais opostos que sejam, Kevin e Monga transbordam-se e, apesar da efemeridade da relação, a leitora percebe quão intenso o relacionamento foi. Tem-se, portanto, uma descentralização da “Monga-profissional”, demonstrando, sobretudo, o quão humana e igual aos seus pares ela é (até mesmo para conseguir compreender as situações de seus pacientes e oferecer a eles saídas para caminhos que se mostram, através das consultas, um tanto irreversíveis e prejudiciais). 

Monga

Monga

Outra leitura possível para a figura da Monga-psicanalista é a da mulher ancestral, vista como selvagem, denotada pela figura da gorila que, em apresentações circenses, só emerge quando muito irritada pelo público e que transita entre a “mulher domada” e a “mulher livre” das amarras da sociedade. Têm-se, portanto, uma personagem multifacetada que desdobra o próprio corpo e personalidade para viver em um mundo cheio de mazelas e conflitos interiores.

O que Tai consegue transmitir através de seus desenhos vai ao encontro da alma da leitora e promove diversos momentos de reflexão. O ato da leitura em si é um convite para que, mesmo que indiretamente, sejamos ouvidas em nossos divãs particulares. Leia A Espetacular Clínica da Monga Apresenta: Caso Original (ou consulte-se) você também!

Tai Cossich é desenhista e autora da performance/quadrinho A Espetacular Clínica da Monga. Nasceu em Brasília, em 1982, e já participou de diversas feiras independentes levando sua obra.

Foto em destaque/crédito: Lucas Valim (reprodução)

A Espetacular Clínica da Monga Apresenta: Caso Original

Tai Cossich

Editora Lote 42

103 páginas

Se interessou pelo quadrinho? COMPRE AQUI!

O Delirium Nerd é integrante do programa de associados da Amazon. Comprando através desse link, você ainda ajuda a manter o site no ar, além de ganhar nossa eterna gratidão por apoiar o nosso trabalho! 

Autora:

95 textos

Formada em Letras, pós-graduada em Produção Editorial, tradutora, revisora textual e fã incondicional de Neil Gaiman – e, parafraseando o que o próprio autor escreveu em O Oceano no Fim do Caminho, “vive nos livros mais do que em qualquer outro lugar”.
Todos os textos
Follow Me :