[LIVROS] O Castelo da Noite Eterna, estreando Betina Vlad, uma vampira brasileira (resenha)

[LIVROS] O Castelo da Noite Eterna, estreando Betina Vlad, uma vampira brasileira (resenha)

Betina Barbosa é uma típica adolescente de aparência rebelde e um tanto deslocada na pequena cidade cidade de Cruz Credo, onde vive em um orfanato de Freiras. A vida não podia ser mais pacata até que a descoberta de que é uma sobrenatural vira seu mundo de cabeça para baixo, com a revelação de que é nada menos do que filha do próprio Drácula. Em busca de descobrir quem realmente é, parte para uma grande aventura cheia de perseguições, lutas e explosões cinematográficas, conhecendo no caminho outros monstros como ela. Em quem será que ele pode confiar nessa nova vida que a aguarda?

Betina Vlad e o Castelo da Noite Eterna é o primeiro livro da futura série intitulada “Betina Vlad e os Sobrenaturais”, escrita pelo consagrado escritor Douglas MCT, autor de “O Coletor de Almas”, da série de livros Necrópolis, dezenas de contos em coletâneas, além de quadrinhos para Turma da Mônica, Hansel & Gretel, SUPER e Edgar Alan Corvo. Repleta de referências do universo nerd e de clássicos de terror, a obra traz uma pitada de Percy Jackson, pulp fiction e quadrinhos, pousando por fim em Drácula de Bram Stoker.

A inspiração do autor em tantos estilos de histórias fica clara tanto nas criaturas que compõem seu universo como no próprio estilo de organização da obra. Segundo autor, a obra de Bram Stoker chegou a influenciar na maneira como os capítulos são dispostas, divididos entre narrativas da protagonista e conversas através de cartas, aqui atualizadas para o mundo digital.

A protagonista leva a leitora com sua narrativa jovem e descontraída, seguindo a ideia de uma grande diário atualizado de tempos em tempos com sua vida. As trocas de mensagens e e-mails de outros personagens complementam os acontecimentos, trazendo outros pontos de vista, mas dando uma certa lentidão no andamento por conta da quebra da narrativa. É interessante ver o ponto de vista da personagem, carregado de maneirismos e visões de mundo clássicos de uma adolescente rebelde. Ela parece legitimamente surpresa com a quebra de normalidade que acontece à medida que o livro segue, e não aceita com indiferença o fato de que existem monstros como ela à solta.

Betina Vlad

Leia também:
>> [LIVROS] Uma Dobra No Tempo: A versão em graphic novel de uma história entre dimensões
>> [LIVROS] “João e Maria”: Neil Gaiman e a abordagem didática na literatura infantil
>> [QUADRINHO] Valente: Reflexões sobre ideais românticos e masculinidade tóxica

Eventualmente, questionamos a coerência de decisões dos adultos do livro, que parecem ser irresponsáveis e pouco participativos, mas não podemos deixar de esquecer que essa obra é infanto-juvenil, o que significa que os donos da ação devem ser dos jovens sobrenaturais. A leitura algumas vezes é arrastada e muitos acontecimentos acabam sendo exageradamente explicados, dando uma sensação de que o autor menospreza um pouco a capacidade de interpretação da(o) leitora(o) – afinal, é gostoso manter certos mistérios no ar para que futuramente sejamos surpreendidas.

Betina Vlad e o Castelo da Noite Eterna ganha vários pontos em termos de representatividade na obra, e é delicioso ver os acontecimentos que ocorrem no Brasil, através de lugares que muitas pessoas devem conhecer ou pelo menos tem certa familiaridade. Um tempero extra fica por conta dessas duas playlists que podem ser encontradas AQUI e AQUI, cada uma de acordo com o perfil de uma das personagens e que são ótimas para serem ouvidas ao longo da leitura.

Betina Vlad

Neste primeiro livro também temos um breve contato com diferentes culturas dos monstros que conhecemos, o que gera uma sensação de expectativa com o que há por vir nos próprios livros. Quais são as criaturas de clássicos literários ou de culturas antigas que poderemos conhecer a seguir?

Como em toda série, fica a sensação de que história pode crescer muito a partir dos próximos volumes e talvez, após essa introdução ao universo, certas coisas não precisam mais de explicação e a leitura agilize bastante. Estamos na expectativa para ver o que aguarda Betina Vlad e alguns personagens que mal conhecemos, mas já amamos.

Ainda para complementar o universo, Artur Vecchi, editor da AVEC chamou a super cosplayer Tsu Keehl para encarnar Betina Vlad, com fotografia e filmagem de Douglas Alberto pelas ruas de São Paulo.


Betina Vlad Betina Vlad e o Castelo da Noite Eterna – Vol. 1

Douglas MCT

AVEC Editora

296 páginas

Se interessou pelo livro? COMPRE AQUI!

A Delirium Nerd é integrante doprograma de associados da Amazon. Comprando através do link acima, você ajuda a manter o site no ar, além de ganhar nossa eterna gratidão por apoiar o nosso trabalho!

Escrito por:

28 textos

Designer, ilustradora, professora, gateira, leitora compulsiva de quadrinhos, louca dos projetos pessoais – quando sobra tempo, dorme.
Veja todos os textos
Follow Me :