“Keep Your Hands Off Eizouken!” é um anime sobre animes

“Keep Your Hands Off Eizouken!” é um anime sobre animes

Compartilhe

Filmes sobre fazer filmes, livros cujos protagonistas são escritores, séries de TV passadas dentro de estúdios, HQs sobre o difícil dia a dia de um quadrinista… É comum que artistas usem a mídia pela qual se expressam para falar do processo criativo e criticar a indústria em que trabalham. Porém, nem todas as formas de arte se valem dessa metalinguagem com a mesma frequência. No mundo das animações, por exemplo, é raro encontrar obras sobre como é ser um animador. Keep Your Hands Off Eizouken! está aí para preencher esse vazio.

Disponível no Crunchyroll, o anime de apenas 12 episódios é uma adaptação do mangá de mesmo nome de Sumito Owara. Vencedora do Anime Awards Brasil 2021, a série é do estúdio Science Saru e tem direção de Masaaki Yuasa. Ambos são conhecidos por obras com um estilo visual que fogem do padrão dos animes, como The Tatami Galaxy e Japan Sinks: 2020. Eizouken! não foge à regra, tanto que gerou certa comoção na internet brasileira quando um usuário do Twitter chamou a animação de feia.

Keep Your Hands Off Eizouken!
Kanamori, Asakusa e Mizusaki assistem a uma de suas criações. (Imagem: reprodução)

O estilo de Eizouken!, porém, não tem nada de feio. É parte essencial do anime. Angulosas e levemente desengonçadas, as protagonistas Midori Asakusa (voz de Sairi Ito), Sayaka Kanamori (voz de Mutsumi Tamura) e Tsubame Mizusaki (voz de Misato Matsuoka) expressam suas personalidades pelo traço de Owara, transposto para a versão audiovisual do mangá. O visual simples e divertido ajuda a contar a história de duas aspirantes a animadoras e sua produtora apaixonada por dinheiro, de um jeito que só um anime sobre animes seria capaz de fazer.

O Clube do Audiovisual

A abertura de Keep Your Hands Off Eizouken! merecia uma crítica à parte. Alegre, colorida e extremamente simples, ela diz em pouquíssimos frames tudo que precisamos saber sobre as protagonistas do anime. Ao som da vibrante “Easy Breezy“, da dupla Chelmico, as três personagens principais dançam com movimentos e expressões que são um retrato de suas personalidades ao longo da série.

Kanamori na abertura de Keep Your Hans Off Eizouken!
Kanamori na abertura de Keep Your Hans Off Eizouken! (Imagem: reprodução)

A primeira a dar as caras é Kanamori, com um ar que fica entre o sério, o blasé e o ameaçador. Com um jeitinho que faz com que as colegas perguntem se ela não seria da Yakuza, Kanamori é quem ocupa a função de produtora no Clube do Audiovisual da Escola Shibahama (o Eizouken do título). Em outras palavras, é quem coloca as engrenagens para funcionar, doa a quem doer. Seus métodos, contudo, vão desde colaborações com outros clubes até ameaças abertas a professores da escola.

Kanamori tem uma parceria de alguns anos com Asakusa, que aparece dançando na abertura ora com cara de assustada, ora com um sorriso bobo no rosto. Asakusa é louca por animes. Ou seja, é capaz passar horas falando de todos os significados de cada movimento de uma cena. Mas a paixão de Asakusa vai muito além da de uma simples espectadora. Inspirada pela arquitetura improvável da cidade em que vivem, ela também tem páginas e páginas de desenhos de cenários e máquinas superelaborados.

Leia também >> Animes com protagonistas femininas que você precisa ver!
Asakusa e Mizusaki no anime "Keep Your Hans Off Eizouken!"
A amizade entre Asakusa e Mizusaki cresce em torno da animação. (Imagem: reprodução)

Todavia, os desenhos de Asakusa são complementados pelos de Mizusaki, que tem como principal interesse o design de personagens e a reprodução de movimentos. O problema é que seus pais não veem com bons olhos o seu amor pela animação e preferem que ela foque na carreira de atriz. Na abertura, Mizusaki sorri de um jeito leve e gracioso, condizente não só com seu status de estrela adolescente como também com a personalidade bem mais centrada e tranquila do que de Asakusa.

Dessa maneira, para colocar os desenhos da dupla em ação sem levantar as suspeitas dos pais de Mizusaki, as meninas revivem o Clube de Audiovisual da escola. Originalmente pensado para a produção de filmes live-action, o clube é tratado com desdém tanto pelos professores quanto pelo conselho estudantil. Ainda assim, o trio consegue montar um verdadeiro estúdio de animação em um colégio, que acaba funcionando como um microcosmo da sociedade.

O Clube do Audiovisual avalia seu primeiro curta.
O Clube do Audiovisual avalia seu primeiro curta. (Imagem: reprodução)

Mil desenhos dentro de um só

Ao longo de 12 episódios, o Clube do Audiovisual da Escola Shibahama produz três curtas originais. Todos eles são exibidos como parte do anime. A diferença fica por conta do visual simplificado da animação dentro da animação. Além disso, a simplicidade também está presente nas cenas em que Asakusa e Mizusaki discutem a criação de mundo das suas histórias. Em um traço sem muito acabamento, espaçonaves e submarinos pintados a lápis de cor levam as meninas para viajar na própria imaginação – muito para o desgosto de Kanamori, diga-se de passagem.

Mizusaki e Kanamori no anime
Mizusaki e Kanamori são arrastadas por uma das máquinas imaginadas por Asakusa. (Imagem: reprodução)

Em nenhuma outra obra as cenas estáticas e com poucos traços comuns a animes e animações ocidentais fazem tanto sentido. Fazer um desenho animado é caro e trabalhoso, e Eizouken! deixa isso bem claro em conversas que opõem produtividade e qualidade. Nesse sentido, uma cena em que uma câmera se move por um único desenho ganha uma nova camada de significado quando vem acompanhada de uma personagem sugerindo exatamente o mesmo truque.

Eizouken! trata a produção de desenhos animados com carinho, mas não esconde que se trata de uma indústria com suas rotinas de trabalho, muitas vezes abusivas. Tanto que não é só a parte da animação que é abordada na história. Da sonorização ao marketing, todos os elementos envolvidos na produção de um anime aparecem em Eizouken! e são tratados com o mesmo grau de importância. Os profissionais dos diversos departamentos são retratados como pessoas dedicadas e apaixonadas pelo que fazem.

Leia também >> Conheça os animes que fizeram história nos anos 90
Além de animadora, Mizusaki é também a garota-propaganda do estúdio
Além de animadora, Mizusaki é também a garota-propaganda do estúdio. (Imagem: reprodução)

Por outro lado, esse nem sempre é o caso quando falamos de histórias que giram em torno da produção de uma obra coletiva. É difícil, por exemplo, que um filme sobre cinema trate o técnico de som com o mesmo cuidado que o diretor. No geral, o que temos são filmes como Ed Wood e 8 ½, em que apenas as funções tidas como criativas ganham os holofotes.

Mas não é só quem trabalha no backstage que merece a atenção de Keep Your Hans Off Eizouken!. Os episódios são cheios de referências a cenas de clássicos como Akira, Neon Genesis Evangelion e Gundam. Até mesmo o mestre Hayao Miyazaki tem o seu momento! Se, em outras séries, essas referências talvez fossem jogadas de qualquer jeito só para ganhar o público pela nostalgia, em Eizouken! elas soam como uma demonstração de respeito pelos que fizeram dos animes o que eles são hoje.

Keep Your Hands Off Eizouken!
Sabe, Kanamori, quando você está dirigindo a sua terceira produção…“. (Imagem: reprodução)

Um mundo de diversos personagens em “Keep Your Hands Off Eizouken!”

Quando alguém chama o design das personagens de Eizouken! de feio, é difícil não pensar que o problema é que elas não correspondem a um determinado modelo de garota de anime. E se pararmos para ver as respostas do tal tuíte (que não vamos reproduzir aqui para não dar biscoito para quem não merece), fica claro que não é paranoia nossa: no tuíte seguinte, o autor compara o traço de Eizouken! com o de uma cena de Shingeki no Bahamut, que mostra em close uma personagem de aparência e movimentos sensuais. Pouco abaixo, outro usuário reclama que não dá nem para saber se Asakusa é um menino ou uma menina.

A cena de Shingeki no Bahamut é realmente muito bonita, mas isso não vem ao caso. O problema é achar que só existe uma maneira de fazer animação, e, principalmente, de desenhar personagens femininas. No entanto, em vez de erotizar suas protagonistas adolescentes, Eizouken! permite que elas sejam complexas, esquisitas e sem jeito. Contudo, será difícil encontrar um dakimakura de uma personagem de Eizouken! à venda na internet, e é assim que tem ser.

Leia também >> Estúdio Ghibli – Reino de Sonhos e Loucura: arte, sensibilidade e cotidiano
O temido conselho estudantil. (Imagem: reprodução)

Keep Your Hands Off Eizouken! também apresenta um Japão bem menos homogêneo do que costumamos ver. A diversidade étnica dos alunos da Escola Shibahama, por exemplo, é um reflexo da experiência do próprio Sumito Owara. Em seu Twitter, o mangaká declarou ter estudado em uma escola pública japonesa com colegas chineses, americanos, brasileiros e nigerianos, entre outras nacionalidades.

Eu não reconheço nacionalidade por nome, nem por tom de pele. Alguns japoneses têm pele escura, outros têm pele clara. Isso era irrelevante para nós, todos eram amigos”, afirmou Owara.

Portanto, tais elementos dão um toque a mais a Eizouken!, que já encanta o público por outros meios, incluindo, é claro, é design das personagens. No começo, a série demora um pouco para engatar, principalmente pelo tom didático de algumas cenas sobre animação. Porém, vale a pena continuar assistindo, principalmente se você já é apaixonado por animes.


Edição e revisão por Isabelle Simões.


Compartilhe

Autora

Tradutora, bacharel em Jornalismo e doutoranda em Linguística, na área de Análise do Discurso. Gosta de cinema, de ficção científica, de cinema de ficção científica e de batata. Queria escrever quando crescesse e, agora que cresceu, continua querendo.
Veja todos os textos
Follow Me :