Meu Corpo é Político: a agência de corpos trans no mundo

Meu Corpo é Político: a agência de corpos trans no mundo

A estreia nacional do documentário brasileiro Meu Corpo é Político, dirigido por Alice Riff, aconteceu no dia 12 de junho, quando comemoramos no Brasil o dia dos namorados, e rendeu o prêmio de Melhor Longa-Metragem Brasileiro na 6ª edição do Festival Internacional Olhar de Cinema de Curitiba. Não poderia haver melhor ocasião para a exibição desse filme do que numa noite de comunhão de maiores afetos como esta. Aliás, junho também é o mês do Orgulho LGBTIQ, mais um motivo de celebração em tempos nos quais a intolerância ainda impera, principalmente no que tange às questões de gênero. Vale destacar que a sessão estava lotada e ao final da projeção o filme foi ovacionado pela plateia.

A escolha da diretora em acompanhar o cotidiano de pessoas trans, pretendendo criar um novo imaginário imagético e estético para os espectadores sobre a realidade de quem não se encaixa na cisgeneridade binária convencionada pela sociedade, já é, por si só, uma manifestação política de resistência e vanguarda. Nesse documentário, acompanhamos um pouco do dia-a-dia do homem trans Fernando Ribeiro, das mulheres trans Giu Nonato e Paula Beatriz e da artista queer Linn da Quebrada.

>> [LITERATURA] Dame Jolie: fanfic com visibilidade LGBT
>> Queerbaiting: 2017 chegou e ainda estamos caindo na isca LGBT?
>> To Russia with Love e a luta por direitos LGBT
>> Acaso: Hyna Crimson lança webcomic com referência do gênero manhwas yuri

O intuito de Alice Riff ao realizar essa obra era possibilitar que pessoas trans vissem outras referências de imagens produzidas a partir dos discursos das protagonistas, visando escapar das inúmeras caricaturas que o cinema, por décadas, fez uso. A diretora buscou construir, portanto, imagens que fossem diferentes daquelas que a televisão reifica diariamente de forma estereotipada e muitas vezes negativas.

Além de conferir protagonismo àquelas pessoas que, em geral, circulam de forma periférica nas cidades e nas produções audiovisuais, a diretora almejou ampliar o conhecimento das pessoas cisgêneros, que não precisam fazer qualquer esforço para simplesmente existir no mundo, uma vez que são conceituadas como o padrão normativo. Nesse sentido, o título Meu Corpo é Político é bastante simbólico, pois a própria performance existencial das personagens necessita de maior elaboração no que tange à estética de cada corpo ao se projetar nas tarefas mais ordinárias do cotidiano.

Mas não apenas o corpo é político. A linguagem que usamos para nos comunicar também é. E isso fica muito evidente quando Linn  da Quebrada aparece em cena gravando uma música para integrar, naquela época, seu novo repertório (o filme começou a ser rodado há cerca de dois anos). A ressignificação de palavras que a priori eram usadas de forma pejorativa, para ofendê-las, também é político. Essa reapropriação da linguagem, portanto, subvertendo o que antes era negativo, é uma marca dos movimentos identitários que visam o empoderamento dos grupos minoritários de direitos.

Formalmente, trata-se de um documentário convencional, mas a semiótica proporcionada pelas falas, performances e modos de se colocar e ver o mundo é altamente transgressora. O diálogo que Alice Riff constrói com Fernando, Giu, Paula e Linn para alcançar o resultado final é de total afinação, pois segundo a diretora, eram as próprias personagens que iam ditando o ritmo da narrativa.

Sem dúvida, os filmes programados na Mostra Outros Olhares, da 6° edição do Festival Internacional Olhar de Cinema de Curitiba, são os mais interessantes em termos de uma cisão radical com o modo de fazer cinema estabelecido de forma hegemônica. Ao colocar essas outras narrativas em evidência, destacando novas maneiras de pensarmos as imagens, o cinema se atualiza e se transforma. O olhar opositivo (como formulado por Bell Hooks) que a diretora empreende, tensiona a própria forma de se fazer cinema no que tange aos agentes produtores de conteúdo e significados.

>> veja entrevista com a diretora Alice Riff

Meu corpo é político é daqueles filmes que gostaríamos que circulasse de forma ampla pelos mais diversos segmentos exibidores, mas principalmente no circuito comercial tradicional. Mais do que ver esse filme é preciso sorvê-lo, a fim de levantar um debate acerca das inúmeras questões (inclusive do extracampo) que ele suscita.


O dia 28 de junho é o Dia Internacional do Orgulho LGBT. Nessa mesma data, em 1969, lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e drag queens se uniram contra as batidas policiais que ocorriam com frequência no bar Stonewall-Inn, em Nova York. O episódio marcou a história do movimento LGBTI, que continua lutando por direitos e visibilidade.

Em homenagem à data, durante o mês de junho, portais nerds feministas se juntaram em uma ação coletiva para discutir de temas pertinentes à data e à cultura pop, trazendo análises, resenhas, entrevistas e críticas que tragam novas e instigantes reflexões e visões. São eles: Collant Sem Decote, Delirium Nerd, Momentum Saga, Nó de Oito, Ideias em Roxo, Preta, Nerd & Burning Hell, Séries por Elas, e o Prosa Livre.

Autora:

120 textos

Aquariana, mora no Rio de Janeiro, graduada em Ciências Sociais e em Direito, com mestrado em Sociologia e Antropologia pelo PPGSA/UFRJ, curadora do Cineclube Delas, colaboradora do Podcast Feito por Elas, integrante da #partidA e das Elviras - Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema. Obcecada por filmes e livros, ainda consegue ver séries de TV e peças teatrais nas horas vagas.
Todos os textos
Follow Me :