[SÉRIES] O Bosque: A falta de sororidade entre as personagens femininas da trama

[SÉRIES] O Bosque: A falta de sororidade entre as personagens femininas da trama

Compartilhe

Nos dizeres da filósofa Simone de Beauvoir, “o opressor não seria tão forte se não houvesse cúmplices entre os próprios oprimidos”; transportando tal reflexão para a questão de gênero, podemos discernir que o patriarcado possui um sólido alicerce, composto de ideologias de hierarquização de poder do masculino sobre o feminino. A desigualdade na relação de gêneros é historicamente reproduzida por homens, que pouco se importam em problematizar o modelo de masculinidade que condiciona a mulher à posição social de subalternamento (pois, para cada grupo social oprimido há uma parcela opressora que não quer abrir mão de seus privilégios), bem como por mulheres que endossam o status quo predominante, atuando como verdadeiras vigilantes do patriarcado.

Já no primeiro episódio de O Bosque (La Fôret), série de origem francesa transmitida pela Netflix, deparamo-nos com situações que mostram a falta de sororidade entre as personagens femininas da trama. Em mais um dia comum, as mães levam os filhos até a escola, e ao perceberem a chegada de Gaspard Deker (Samuel Labarthe), o novo capitão da polícia, indagam à amiga e policial local, Virgine Musso (Suzanne Clément) sobre o estado civil do capitão. Ao saber que este é divorciado, logo começam o falatório e julgamento moral acerca da vida privada da professora de francês, Eve Mendel (Alexia Barlier), afirmando que “a professora certamente vai pegar o capitão, pois ela pega todo mundo”.

Uma mensagem-chave muito presente no movimento feminista, mas ainda pouco exercida no cotidiano das mulheres em nossa sociedade culturalmente falocêntrica, é o sentimento de sororidade que significa a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum. O patriarcado se utiliza de muitos instrumentos ideológicos e formas de pensar, construídos culturalmente e socialmente; como a mentalidade de que as mulheres são rivais umas das outras.

Desde muito cedo, somos instruídas a não reconhecer na outra uma aliada, mas uma adversária que está competindo conosco. E assim, vamos moldando o sentimento de não pertencimento ao ser mulher, deixando de admirar o legado de muitas mulheres. Pelo contrário, enxergamos na outra uma ameaça e passamos a disputar os holofotes dos olhares masculinos, como se estivéssemos sempre num ringue. A partir desse sentimento de rivalidade que o patriarcado nos incute, não raro, começamos a condenar moralmente o comportamento da outra, a censurar sua roupa e a reprovar sua vida sexual. Ou seja, ainda que de forma inconsciente, mas naturalizada por estar arraigado em nossa cultura, exercemos o controle social da vida de outra mulher, corroborando com a opressão do patriarcado.

O Bosque
Virgine Musso (Suzanne Clément) e Vicent Musso (Frederic Diefenthal)

Na narrativa seriada O Bosque, uma garota de 16 anos desaparece e seu corpo é encontrado na floresta. Um dos suspeitos passa a ser o marido de Virgine, Vicent Musso (Frederic Diefenthal). Ela é uma das policiais que está trabalhando nas investigações para solucionar o crime. No curso das investigações, descobre-se que o marido de Virgine estava tendo uma relação extraconjugal com  a adolescente assassinada, que por sua vez, era colega de escola e amiga de Maya, filha do casal.

Apesar da estupefação e do desconforto de Virgine ao saber que o marido a traía com uma menor de idade e amiga de Maya, a policial ainda cogitou perdoá-lo, só se eximindo de fazê-lo porque as mentiras do marido foi o estopim para que Maya também desaparecesse de casa. Ou seja, Virgine não demonstra revolta sobre o fato de seu marido – um homem já experiente – ter um relacionamento com uma adolescente. Ela se sensibiliza com a violência e morte sofridas pela vítima, porém, não mostra empatia, chegando a questionar o marido sobre quando ele começou a ter atração sexual pela adolescente e, quantas vezes, eles fizeram sexo; como se estivesse numa relação de competição pelo desejo sexual do marido que se sentia atraído e “seduzido” por uma mulher mais jovem.

Tal fato evidencia uma preocupação maior em descobrir o que a outra tinha e que lhe faltava, dando ensejo à traição, do que ater-se ao grave evento de que o seu marido, um homem bem mais velho, estava tendo relações sexuais com uma menor de idade em processo de formação de discernimento e de personalidade.

Leia também:
>> [SÉRIES] Good Girls: Em um mundo que odeia mulheres, o crime compensa
>> [SÉRIES] Anne With An E – 2ª temporada: Sororidade e empatia como forma de vida!
>> [SÉRIES] Hello, My Twenties 2: O crescimento das personagens em meio à novos mistérios e dores da juventude

Eve Mendel: Uma mulher que não teme ser ela mesma

Muito fora da curva das demais personagens femininas da trama, está a protagonista Eve Mendel, interpretada pela atriz Alexia Barlier. Apesar de ser sexualizada na narrativa, a professora de francês foge do conceito de “boa moça”, segundo a lógica da norma hegemônica do patriarcado. Eve mora sozinha e perto da floresta. Ela não tem um namorado ou marido, mas tem uma vida sexual bem resolvida. E por ser uma mulher que destoa do padrão tradicional e conservador traçado pelo patriarcado, ela tem uma reputação maculada entre os moradores da cidade.

O Bosque
Eve Mendel (Alexia Barlier)

Eve é considerada a “piranha” que pega todo mundo, simplesmente por ser uma mulher à maneira do que os homens costumam ser: livres para ser o que eles querem. Logo que Eve suspeita do desaparecimento da adolescente que é sua aluna, ela recorre até a autoridade policial – no caso, o chefe de polícia Gaspard – para pedir providências e apuração sobre o caso. Virgine, então, sem mostrar qualquer sentimento de sororidade, logo tenta desacreditar e invalidar a versão e preocupação da professora perante Gaspard.

Dos muitos pensamentos hegemônicos que precisamos subverter para alcançarmos igualdade de gênero, está a falsa noção de que nós mulheres temos de competir umas com as outras, na disputa pela aprovação e preferência de um homem. É urgente o despertar de consciência de que ou somos livres juntas ou somos escravas juntas. Não é apontando o dedo para a sexualidade ou o tamanho da roupa da outra que conseguiremos avançar num projeto de sociedade mais justo e igualitário para todos e todas.

Sobre a série

O Bosque é dirigido por Julius Berg e ambientado numa pequena cidade francesa. A série tem início com o desaparecimento de uma garota e do mistério envolvendo sua relação com outras duas meninas, estudantes do mesmo colégio. No decorrer das buscas, a polícia e a personagem protagonista Eve Mendel destrincham um quebra-cabeças de mistérios e segredos envolvendo os habitantes do local.

https://www.youtube.com/watch?v=qOJaWabVfjs


Compartilhe

Autora

Jornalista, pós-graduada em Comunicação, Semiótica e Linguagens Visuais, estudante de Direito, militante femimista, autora do livro A Árvore dos Frutos Proibidos, desenhista, cinéfila e eterna aprendiz na busca do aprender a ser.
Veja todos os textos
Follow Me :