“O Ódio que Você Semeia” e a violência que afeta a todos

“O Ódio que Você Semeia” e a violência que afeta a todos

Compartilhe

O Ódio que Você Semeia (The Hate You Give, no original) é baseado no aclamado livro de Angie Tomas. Acompanhamos a vida de Starr (Amandla Stenberg), uma adolescente que vive em um bairro negro e estuda em uma escola de alta classe. Starr se vê vivendo entre dois mundos, tendo que se tornar a “Starr versão 2” na sua escola para não ser julgada como uma menina do gueto. Tudo isso muda quando ela vê o seu amigo de infância Khalil (Algee Smith) ser assassinado brutalmente por um policial. A partir de então, Starr se torna a única testemunha do crime, tendo que usar sua voz para fazer justiça pelo amigo.

A morte de seu amigo deixa em evidência o racismo institucional da sociedade e escancara o preconceito velado de seus amigos de escola. O Ódio que Você Semeia mostra a evolução da protagonista, que passa de uma adolescente preocupada com o seu namorado e suas amigas, como todo adolescente, para alguém que entende que tem que usar a sua voz para lutar pelos seus, pois se não fizer, ninguém vai ouvi-los.

O Ódio que Você Semeia

O Ódio que Você Semeia usa Starr e sua família para quebrar estereótipos e questionar a maneira que a mídia trata as vítimas negras de violência policial, questionando o caráter das vítimas e quase afirmando que eles mereciam morrer. A forma como a mãe de Khalil é mostrada na televisão exemplifica bem. Também fica claro como a polícia age quando se depara com suspeitos negros em um diálogo extremamente forte entre Starr e seu tio policial Carlos (Common).

A primeira cena do filme mostra Starr e seus irmãos, ainda crianças, aprendendo como devem se portar durante uma batida policial para não serem mortos. Essa cena é muito forte, mas talvez a audiência branca não compreenderá o peso que isso tem para a população negra. Para muitos é só mais filme de ativismo, mas o fato é que pessoas negras são mortas todos os dias por policiais.

O Ódio que Você Semeia

O filme também trata do racismo dos amigos de Starr, pessoas que não se consideram racistas, e de uma juventude extremamente alienada das questões raciais. As amigas de Starr usam gírias e fazem piadas racistas o tempo todo, mas Starr tem que policiar no que fala e como age.

Uma das amigas da protagonista pode ser considerada como uma “racista hipster”, ou seja, é aquela pessoa que diz que tem amigos negros, adora “música negra” e a cultura negra, mas que na verdade usa isso para mascarar o seu racismo no modo de falar e valorizar a vida das pessoas negras. Para elas existe dois tipos de pessoas negras: aquelas que são suas amigas, dóceis e civilizadas e por isso merecem a sua atenção, e o resto que podem ser considerados a escória.

A forma como o protesto pela morte de Khalil é usado pelos adolescentes brancos e a total falta de reflexão dessa classe é muito incômodo e com certeza você já deve ter visto esse tipo de “ativismo seletivo” e feito em proveito próprio por aí.

Já o namorado branco de Starr, apesar de não ter nenhuma consciência racial e acreditar no papo de que “somos todos humanos”, se mostra um bom aliado da jovem ao estar disposto em ouvi-la e apoiá-la em suas decisões.

O Ódio que Você Semeia

Leia também:
>> [SÉRIE] “Insecure” e as vivências das mulheres negras de trinta e poucos anos
>> [DESENHOS] O que esperamos da nova fase de “Steven Universe” (contém spoilers)
>> [MÚSICA] Mulheres Negras no Rock: Mahmundi e as Brasileiras!

A forma como Starr encontra a sua voz para lutar pela vida de Khalil também é importante. Criada em uma família amorosa, mas ainda assim cheia de complicações, como qualquer família, e filha de um dono de um mercadinho, que um dia já fez parte da gangue local, contudo fez os seus filhos decorarem o programa de dez pontos dos Panteras Negras e os ensinou a terem orgulho de quem são. A princípio, ela hesita em falar sobre quem era o verdadeiro Khalil, com medo do julgamento dos seus amigos e das ameaças das gangues locais, mas encontra apoio na advogada April Ofrah (Issa Rae), que a incentiva a não ficar calada.

A história de Khalil não é ficção, isso realmente acontece não só nos EUA como no Brasil também. Trayvon Martin, Rodrigo Alexandre da Silva Serrano, Stephon Clark e os cinco adolescentes mortos com 111 tiros pela polícia Roberto de Souza, Carlos Eduardo da Silva Souza, Cleiton Corrêa de Souza, Wesley Castro e Wilton Esteves Domingos Junior, entre tantos outros, infelizmente não devem ser esquecidos e é importante mostrar que a vida deles importam tanto quanto as outras. Em um discurso poderoso de Starr ela diz que vida de Khalil importa e que ele ainda vive, assim como os seus irmãos mortos por terem a cor da pele errada.

O Ódio que Você Semeia

O Ódio que Você Semeia é uma referência a música do rapper Tupac Shakur “T-H-U-G-L-I-F-E” e significa “The Hate U Give Little Infants Fucks Everybody”, ou, em uma tradução livre, “O ódio que você semeia nas crianças fode com todo mundo”. Não tem como escapar do que é dado para as pessoas negras, isso afeta a sociedade inteira, e o filme nos mostra um dos caminhos para combatermos isso. Starr percebe que se ficar calada a vida de seu amigo e a de tantos outros será sempre vista como de menor valor, e o ciclo de violência e ódio que acaba com essas vidas e a de suas famílias, afetando a todos, vai continuar existindo.

O filme estreou dia 06 de dezembro nos cinemas brasileiros. Confira o trailer:


Compartilhe

Written by:

35 Posts

Formada em artes visuais e apaixonada por arte, música, livros e HQs. Atualmente pesquisa sobre mulheres negras no rock. Seu site é o Sopa Alternativa.
View All Posts
Follow Me :