Greta: homossexualidade na terceira idade e a solidão dos marginalizados

Greta: homossexualidade na terceira idade e a solidão dos marginalizados

Pedro (Marco Nanini) é um enfermeiro solitário que está prestes a perder sua melhor amiga Daniela (Denise Weinberg) para uma doença grave. Quando ela precisa ser internada, mas não existem leitos disponíveis, Pedro ajuda um outro paciente, Jean (Démick Lopes), a fugir do hospital. Por ser procurado pela polícia, Jean precisa de um lugar para se esconder, e Pedro o acolhe em sua casa por um tempo. A partir daí, se desenrola um relacionamento afetivo e complicado entre os dois.

Greta” é sobre a solidão dos marginalizados. Homossexual e idoso, Pedro está perdendo as poucas pessoas queridas que tem na vida. Quando pergunta a Daniela porque ela tem de ir embora, ela sempre responde “pra você aprender a viver sozinho”. Dessa forma, o sexo funciona para ele mais como um momento de carinho efêmero do que qualquer outra coisa.

Essas cenas, filmadas de forma naturalista e sem tabus, exibindo nus frontais, são as melhores do filme. Uma em especial, numa sauna, representa bem o estado emocional de Pedro durante todo o filme, onde ele não sabe se goza ou se chora.

Pedro (Marco Nanini) em "Greta"
Pedro (Marco Nanini) em “Greta”. Imagem: reprodução

No entanto, é uma pena que “Greta” não tenha uma melhor estrutura narrativa. Por vezes, parece manter resquícios de um estilo teatral, já que foi inspirado na famosa peça: “Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá”.

Na coletiva de imprensa que ocorreu nesta última segunda-feira (30) no Petra Belas Artes em São Paulo, o diretor Armando Praça disse que considerava o tom cômico da peça original anacrônico, e que incomodava o modo como a plateia era convidada a rir dos personagens, que representavam caricaturas e estereótipos do mundo LGBTQ+. Armando, então, resolveu adaptar o filme como um drama, o que parece uma escolha bastante adequada, tanto para evocar maior seriedade do tema, quanto para refletir o espírito de desesperança e desamparo geral dos tempos atuais.

Mas a falta de uma maior coesão narrativa prejudica o envolvimento com a história e os personagens, lembrando as escolhas estruturais que costumam aparecer em filmes mais experimentais. Só que a estética de “Greta“, infelizmente, também não compensa essa falta de coesão narrativa, apostando numa câmera estática, claustrofóbica, e naturalista, que, embora emule de certa forma como o protagonista se sente, também desperta pouco prazer visual.

Greta

Leia também:
>> Bibi Ferreira: a artista de mil e uma facetas
>> Bacurau: o Brasil invisível mostra sua resistência!
>> O Diário de Nisha: partição da Índia e a resistência de uma menina refugiada

O pior aspecto de “Greta“, surpreendentemente, são as atuações. Com exceção de Denise Weinberg, que consegue permanecer mais natural, todos os atores estão robóticos, até mesmo Marco Nanini. A todo momento soltam frases de forma artificial, entregando suas falas como se estivessem lendo o texto pela primeira vez em um ensaio. Esse é sem dúvida o aspecto que mais pode tirar a plateia do filme.

Greta“, entretanto, se torna um veículo político nos tempos atuais apenas pelo seu tema. Já na mira de tentativas de boicote do governo, é triste constatar que há pouco tempo, quando estava em desenvolvimento, o filme nasceu em um ambiente muito mais livre e desprovido de censura, como afirma Nanini. Além de qualquer mérito artístico, produtos culturais com esses temas são mais necessários do que nunca como fonte de resistência.

O filme estreia dia 10 de outubro nos cinemas.


Edição realizada por Isabelle Simões.

Escrito por:

79 Textos

Cineasta, musicista e apaixonada por astronomia. Formada em Audiovisual, faz de tudo um pouco no cinema, mas sua paixão é direção de atores. Vocalista da banda Noite e compositora nas horas vagas. Também escreve sobre cinema em seu site Cine Medusa.
Todos os textos
Follow Me :