Malalai Joya: a mulher mais corajosa do Afeganistão

Malalai Joya: a mulher mais corajosa do Afeganistão

A guerra nunca é boa, principalmente para as crianças e mulheres. Recentemente, o Talibã se instalou em Cabul, capital do Afeganistão, gerando muito medo e incertezas, principalmente para as mulheres. Com as retiradas das tropas estadunidenses, o plano do grupo se concretizou de forma ainda mais rápida. Além do Talibã até então ser contra ao acesso de mulheres à educação, existem muitos relatos das formas irreversíveis de silenciamento que sofrem, como, por exemplo, policias afegãs que são mortas simplesmente por fazerem seus trabalhos. Porém, mesmo com tantas mortes, tristezas e violações em geral, ainda existem pessoas que lutam por um Afeganistão melhor e livre. Iremos conhecer a seguir uma delas, a história da mulher que tem sido chamada de “a mulher mais corajosa do Afeganistão”, Malalai Joya.

Malalai Joya: ativista, feminista e política afegã

Malalai Joya com seguranças, em Kabul | Foto: Jason Motlagh

Malalai Joya é uma ativista e política nascida em 1978 em Farah, no Afeganistão, onde reside até os dias atuais. Criada nos campos de refugiados do Irã e do Paquistão, ela se tornou professora em escolas secretas para meninas e mulheres, escondendo seus livros sob a burca para que não pudesse ser pega pelo Talibã.

Além de ter sido escolhida pela Wolesi Jirga (17ª casa do povo afegão), Joya adquiriu a atenção internacional pela primeira vez em 2003, quando falou abertamente sobre ser contra o domínio dos senhores da guerra no Afeganistão, denunciando os crimes ordenados por comandantes militares. Ela também criticou o governo afegão de Karzai e seus apoiadores ocidentais, assim como o Talibã, que atualmente domina o país mais uma vez desde 2001.

Malalai foi eleita em 2005, onde se tornou uma das 68 mulheres presentes na Assembleia Nacional com 249 assentos, e era a mais jovem membro do parlamento afegão. Porém, ela foi expulsa por denunciar mortes e violações de direitos humanos, onde expressou seu desejo de ver todos aqueles que estão nos comitês constitucionais e em cargos governamentais sendo punidos pelos seus inúmeros crimes. Além disso, ela já recebeu inúmeras ameaças que refletem na sua vida até hoje.

Leia também >> O Diário de Nisha: partição da Índia e a resistência de uma menina refugiada

No filme dirigido pelo brasileiro Rodrigo Guim, Em nome do meu povo, sobre os últimos 40 anos de guerras do ponto de vista de suas vítimas, a ativista conta que muda de casa constantemente por conta das ameaças, e acrescenta que também sofreu sete tentativas de assassinato.

A questão da ocupação norteamericana no Afeganistão

Malalai Joya de mãos dadas com suas apoiadoras. Ela passa a maior parte dos dias cercada por apoiadoras e guardas armados em vários esconderijos no Afeganistão | Foto: reprodução

Nas diversas vezes que Joya se expôs ao mundo para denunciar os abusos que mulheres e crianças sofrem no Afeganistão sob o comando do Talibã, ela frisa que os Estados Unidos se aproveitaram da vulnerabilidade do grupo extremista para invadir o país junto à OTAN. Malalai ainda aponta que o regime misógino do Talibã foi substituído pelo regime dos senhores da guerra e que eles recebem muito apoio do Parlamento, pois há uma troca de poder. Portanto, segundo ela, não há diferença entre eles e o Talibã, pois ambos fazem com que a população sofra da mesma maneira.

Quando o expresidente George W. Bush ordenou o ataque ao Talibã no Afeganistão em 2001, ele assegurou que um dos objetivos da ocupação era de “libertar” as mulheres afegãs da repressão aos senhores da guerra. Todavia, não foi o que de fato aconteceu.

A ativista comenta em seu livro Raising My Voice e no filme citado anteriormente, Em nome do meu povo, que a população afegã enfrenta diversos inimigos. Além dos senhores da guerra, há o Talibã e seus padrinhos: os Estados Unidos, a Otan, além dos países vizinhos, Irã e Paquistão. Portanto, os problemas da nação se agravam cada vez mais. Além disso tudo, a falta de acesso às coisas essenciais é uma das maiores preocupações de Malalai.

Leia também >>  Respiro: a jornada de uma garota no Irã e o cinema de Narges Abyar

A maior parte da população feminina afegã, por exemplo, não tem acesso à educação, logo não sabem ler ou escrever. Malalai luta para que essas mulheres possam ser educadas e atuem na formação de suas identidades para que as mudanças ocorram. Outro problema grave no Afeganistão é a fome junto com a falta de remédios. Não há médicos especializados em cuidados com as mulheres e bebês. Além disso, também existe a violência doméstica.

Malalai prestando atendimento para mulheres afegãs em um dos hospitais criados por ela | Foto: divulgação

Nos últimos anos, Malalai Joya expressou sua preocupação com as mulheres que viviam fora de Cabul sob o domínio do Talibã. Em entrevistas ela relatou que a situação delas era extremamente grave. Do mesmo modo, tudo o que Joya não quer é que o mundo esqueça o Afeganistão. A ativista clama por mais apoio educacional e humanitário para toda a população, principalmente para as crianças, incluindo seu filho, que tem meses de vida e no qual não vive com ela por medo das ameaças que a mesma sofre.

Ao mesmo tempo, Malalai sempre rejeitou a “ajuda” oferecida pelos militares norteamericanos. Em seu livro, ela relata: “Sintome confiante de que se os países estrangeiros pararem de se intrometer no Afeganistão e se ficarmos livres da ocupação, então surgirá uma forte força progressista e democrática”. A afegã acredita que enquanto as tropas estrangeiras continuarem, o sofrimento será prolongado, pois a história mostra que apenas a própria nação é capaz de se libertar.

Leia também >> Filhas do Sol: a resistência das mulheres yazidis contra o estado islâmico

Atualmente, com a ascensão do Talibã ao poder, o povo afegão passa por um momento bastante delicado e desesperador. Todos buscam uma saída do país, acampamentos provisórios estão sendo montados em outros países para recebêlos, mães estão jogando seus filhos para militares no avião, crianças e mulheres estão correndo risco de vida.

A última vez que o grupo governou o Afeganistão foi entre 1996 e 2001, período onde as meninas não podiam frequentar escolas, mulheres não podiam trabalhar e para saírem de casa eram obrigadas a cobrir seus rostos acompanhadas de um parente do sexo masculino. Aquelas que infringiam tais regras sofriam espancamentos e humilhações em público pela polícia religiosa do grupo sob a interpretação rígida da lei islâmica a sharia.

Nos últimos dias os líderes do Talibã garantiram ao ocidente que as mulheres teriam direitos iguais, de acordo com o que foi concedido pelo Islã, incluindo a capacidade de trabalhar e o acesso à educação. Mas, infelizmente, esse não é o cenário visto nas cidades já ocupadas. A situação atual do Afeganistão, portanto, é desastrosa. Há milhares de famílias em perigo.

Se você puder, faça aqui uma doação mensal e garanta a segurança, a saúde e o bemestar de crianças, mulheres e homens refugiados forçados a fugir.

Escrito por:

321 Textos

Futura internacionalista, viciada em música e apaixonada por pessoas inspiradoras e suas histórias. Escreve sobre o que lhe inspira.
Todos os textos
Follow Me :