Clubes de Leitura pelo Brasil: conheça o Quinta Página em Manaus

Clubes de Leitura pelo Brasil: conheça o Quinta Página em Manaus

Com o objetivo de divulgar e enaltecer o Brasil leitor, o Delirium Nerd apresentará clubes de leitura espalhados pelo país. O primeiro dessa edição será o Quinta Página, clube criado na região Norte do país, na capital amazonense, Manaus.

Nascido da forma clássica, o clube de leitura Quinta Página surgiu da vontade de duas amigas, Jéssica Hellen e Isabelle Cardoso, para elas conversarem a respeito de suas leituras favoritas. Idealizado em 26 de setembro de 2018, o clube teve seu primeiro encontro no dia 4 de outubro daquele mesmo ano.

Leia também >> Clubes de leitura (feminista): da leitura burguesa à democratização dos livros
Isabelle e Jéssica no último encontro de 2020 | Crédito: @quintapagina (Instagram)
Isabelle e Jéssica no último encontro de 2020 | Crédito: @quintapagina (Instagram)

Inicialmente, começou com um grupo pequeno de amigos. Mas após três anos, o clube Quinta Página cresceu e se tornou um dos principais de Manaus, contando com o apoio das redes de comunicação da cidade e do governo do estado.

O funcionamento do Quinta Página

O clube foi nomeado como Quinta Página a partir das características essenciais do clube: quinta refere-se ao dia da semana que os encontros ocorrem mensalmente, e página faz referência à raiz do clube: os livros!

A dinâmica da leitura se estrutura dessa maneira: são duas leituras mensais. A partir disso, são feitas duas listas, uma com países – a fim de dar uma volta ao mundo literária – e a outra com os “temas” – romance, young-adult, não ficção, filosofia, contos, biografias e muito mais. Assim, cada membro do clube sugere um título para cada tema e o sorteio é feito.

Leia também >> Autoras feministas brasileiras para conhecer e ler

Na segunda quinta-feira de cada mês, o grupo se reúne em algum café da cidade, comem e iniciam o seu debate; quem sugeriu a leitura, inicia a conversa com a introdução – ou ficha técnica – da história e a discussão ganha vida.

A influência do clube de leitura

O clube Quinta Página já saiu em alguns portais da cidade divulgando seus encontros e também foram feitas algumas campanhas (como do Setembro Amarelo no encontro de setembro de 2021) e projetos feitos juntos dos membros (como a doação de livros para instituições de caridade manauaras no correr dos anos de atividade do grupo).

Com a pandemia, o grupo teve de se adaptar aos meios virtuais de encontros. O que pôde soar desafiador para todas as pessoas do mundo, o clube conseguiu se adaptar com louvor. Inclusive, trazendo membros que, por diversas razões, já não moram em Manaus de volta aos encontros.

Quinta Página com a autora Myriam Scotti | Crédito: @quintapagina (Instagram)
Quinta Página com a autora Myriam Scotti | Crédito: @quintapagina (Instagram)

Além do apoio midiático e do governo, o clube já contou com a presença de alguns autores locais e nacionais, entre eles: Jotabê Medeiros, autor da biografia do Belchior, “Belchior: apenas um rapaz latino-americano”, Ernesto Moamba, autor da “Liberta-te, mãe África” e Myriam Scotti, poetisa amazonense e autora do livro (o qual foi discutido), “A língua que enlaça também fere”.

Abaixo, veja algumas das leituras favoritas dos membros do clube:

Da poesia, Hilda Hilst

Da poesia, Hilda Hilst
Leitura favorita de uma das idealizadoras, Jéssica e de uma das participantes, Victória.

Sinopse: A intensa e prolífica atividade literária de Hilda Hilst se desdobrou em livros de ficção e em peças de teatro, mas foi na poesia que ela deu início e fim à sua carreira. Ao longo de 45 anos, entre 1950 e 1995, a poeta publicou em pequenas tiragens graças ao entusiasmo de editoras independentes ― com destaque para Massao Ohno, seu amigo e principal divulgador. No início dos anos 2000, os títulos de Hilda passaram a ser publicados pela Globo, editora com ampla distribuição. Nessa época, a sua escrita, até então considerada marginal e hermética, começou a receber o interesse de uma legião de leitores e estudiosos.

A poesia de Hilda ― que ganha forma em cantigas, baladas, sonetos e poemas de verso livre ― explora a morte, a solidão, o amor erótico, a loucura e o misticismo. Ao fundir o sagrado e o profano, a poeta se firmou como uma das vozes mais transgressoras da literatura brasileira do século XX. (Crédito: Companhia das Letras | Via: Amazon)

Leia também >> Da poesia: As vozes femininas na obra de Hilda Hilst

Eu ouviria as piores notícias dos seus lindos lábios, Moacyr Scliar

Eu ouviria as piores notícias dos seus lindos lábios, Moacyr Scliar
Leitura favorita de uma das idealizadoras do clube, Isabelle. | Crédito: Companhia das Letras

Sinopse: No momento em que começa a narrar os fatos de Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios, o fotógrafo Cauby está convalescendo de um trauma numa pensão barata, numa cidade do Pará prestes a ser palco de uma nova corrida do ouro. Sua voz é impregnada da experiência de quem aprendeu todas as regras de sobrevivência no submundo – mas não é do ambiente hostil ao seu redor que ele está falando. O motivo de sua descida ao inferno é Lavínia, a misteriosa e sedutora mulher de Ernani, um pastor evangélico.

A trajetória do fotógrafo, dado a premonições e a um humor desencantado, vai sendo explicada por meio de pistas: a história de Chang, fotógrafo morto num escândalo de pedofilia; o mistério de Viktor Laurence, jornalista local que prepara uma vingança silenciosa; a vida de Ernani, que tirou Lavínia das ruas e das drogas no passado. Mesmo diante de todos os riscos, Cauby decide cumprir seu destino com o fatalismo dos personagens trágicos. “Nunca acreditei no diabo”, diz ele. “Apenas em pessoas seduzidas pelo mal.” (Via: Amazon)

Todas as cores do céu, Amita Trasi

Todas as cores do céu, Amita Trasi
Leitura favorita da participante Suelen.

Sinopse:  Aos 10 anos, Mukta é forçada a seguir um ritual de sua casta que, essencialmente, torna-a prostituta. Para salvá-la deste horrível destino, um homem a resgata e lhe dá um lar. Tara, filha dele, cria um laço especial com a criança recém-chegada – um vínculo digno de irmãs. A amizade sofre um baque definitivo, entretanto, quando Mukta é sequestrada.

Anos depois, vivendo nos Estados Unidos, Tara retorna à Índia para encontrar a amiga que, ao que tudo indica, foi submetida novamente à prostituição. Mas a extrema pobreza em Mumbai se mostra uma realidade mais difícil do que Tara consegue suportar.

Relato emocionante e realista da Índia contemporânea, “Todas as cores do céu” mostra como o sistema de castas explora os mais fracos, e como o amor nos faz buscar a reparação para nossos atos mais horríveis, vencendo barreiras impenetráveis. (Crédito: TAG)

Lavoura arcaica, Raduan Nassar

Lavoura arcaica, Raduan Nassar
Leitura favorita da participante Flávia.

Sinopse: Lavoura arcaica é um texto em que se entrelaçam o novelesco e o lírico, por meio de um narrador em primeira pessoa – André, o filho encarregado de revelar o avesso de sua própria imagem e, conseqüentemente, o avesso da imagem da família. É sobretudo uma aventura com a linguagem: além de fundar a narrativa, a linguagem é também o instrumento que, com seu rigor, desorganiza um outro rigor, o das verdades pensadas como irremovíveis. Lançado em dezembro de 1975, Lavoura arcaica foi imediatamente considerado um clássico, “uma revelação, dessas que marcam a história da nossa prosa narrativa”, segundo o professor e crítico Alfredo Bosi.

Leia também >> Leia Mulheres: A lírica da dor em Florbela Espanca

Histórias lindas de morrer, Ana Claudia Quintana Arantes

Histórias lindas de morrer, Ana Claudia Quintana Arantes
Leitura favorita da participante Maísa. | Imagem: divulgação

Sinopse: Uma das principais vozes na tentativa de quebrar o tabu sobre a morte no Brasil, ela nos traz uma coleção de emocionantes histórias reais colhidas em sua prática diária, em que a proximidade do fim nos revela em toda a nossa profundidade.

Ana Claudia exerce uma medicina que dá aos sentimentos e à história dos pacientes a mesma atenção que dedica aos sintomas e desconfortos físicos. Mas como será, no dia a dia, alcançar as camadas mais profundas das pessoas justo antes de elas partirem?

Com momentos tocantes, tensos e também divertidos, estas histórias nos relembram a importância das relações humanas e do respeito ao outro. O medo da morte é o medo do não vivido, mas nunca é tarde para se envolver com a própria história.

Não deixe de acompanhar o Quinta Página para conhecer novas leituras!

Escrito por:

14 Textos

Ket tem 23 anos, é formada em Letras - Língua e Literatura Portuguesa, pela UFAM. Nasceu e criou-se em Manaus, onde ainda mora. Não é capaz de conceber uma realidade em que as mulheres não sejam livres, uma vez que sua vida inteira viveu em um lar matriarcal. Gosta de histórias tristes, é fascinada pela cultura Sul-coreana e chora com animes.
Todos os textos
Follow Me :