Sessão nostalgia: filmes dos anos 80 e 90 para os fãs de Stranger Things

Sessão nostalgia: filmes dos anos 80 e 90 para os fãs de Stranger Things

Stranger Things vem conquistando fãs ao longo do mundo desde o lançamento de sua primeira temporada na Netflix em 2016. A série nos apresenta uma narrativa bem conhecida pelos fãs de sci-fi e fantasia: um grupo de amigos de uma cidadezinha pequena que acaba esbarrando em algum fenômeno que desafia as leis da ciência. O grande sucesso da série está na sua capacidade de transformar uma história familiar em uma narrativa que surpreende a cada temporada. 

Além disso, o espectador se depara com personagens profundos em um dos momentos mais conturbados da existência humana: o fim da infância. O grupo de amigos constituído por Will, Lucas, Dustin, Mike e Eleven cativou os espectadores desde o primeiro episódio, fazendo com que nós que assistimos também nos sentíssemos parte das aventuras percorridas por eles, experienciando as dores e alegrias em conjunto.

Enquanto aguardamos a tão esperada quarta temporada da série, abaixo seguem algumas dicas de cinco filmes dos anos 80 e 90 que podem agradar aos fãs. Em sua maioria, se encaixam nos gêneros do horror e sci-fi, porém, todos lidam de alguma maneira com as mudanças que enfrentamos nas transições tão importantes de crianças para adolescentes, e adolescentes para adultos.

Leia também >> Stranger Things: a força da 3ª temporada está em suas mulheres
Filmes dos anos 80 e 90 para os fãs de Stranger Things
Cena de “Teen Wolf” | Imagem: reprodução

Teen Wolf (1985), Dir. Rod Daniel

O primeiro da lista e provavelmente o mais conhecido, é Teen Wolf, ou O Garoto do Futuro, de Rod Daniel. Nesse filme, acompanhamos a trajetória do colegial de Scott Howard (Michael J. Fox), um garoto que assim como muitos adolescentes, adoraria ser uma outra pessoa além de si mesmo. Qualquer semelhança com uma série com nome similar de 2011 não é mera coincidência: Jeff Davis, o criador desta, se utilizou do seu filme favorito de 1985 para adaptar a narrativa para os dias atuais, aproveitando para expandir o universo criado pelo longa.  

O filme, que está disponível na plataforma da Amazon Prime Video por meio da assinatura do canal da MGM, nos mostra um adolescente frustrado com sua personalidade e ações que parecem nunca sair da “média”. O personagem se encontra desesperado por mudanças e elas chegam no começo da narrativa: Scott descobre que descende de uma família de lobisomens e agora precisa aprender a lidar com a transformação, que é desencadeada sempre que o jovem sente algo intensamente. 

O longa discute sobre as expectativas dos outros em confronto à escolha pessoal de quem queremos ser, ao nos mostrar um Scott confuso com suas motivações, tentando oferecer aqueles que o cercam aquilo que os deixará felizes, esperando, assim, ficar contente também. Com a ajuda de seu melhor amigo Stiles (Jerry Levine), Scott tenta encontrar seu lugar no mundo e compreender o que realmente importa para ele. 

Leia também >> Uzumaki: o horror ascensional na obra de Junji Ito

Os fãs de Stranger Things vão se interessar pelo filme pois além de se passar em uma cidade pequena, lidar com o dia-a-dia em uma escola e abordar temas sobrenaturais – apesar de não ser um evento científico anormal, a transformação de Scott em lobisomem não ainda é considerada incomum e uma metáfora interessante para a passagem pela puberdade – a amizade entre Scott e Stiles se mostra um dos elos mais fortes do longa, assim como as amizades entre Lucas, Dustin, Will, Mike e Eleven. 

Filmes dos anos 80 e 90 para os fãs de Stranger Things
Cena de “Night of the Creeps” | Imagem: reprodução

Night of the Creeps (1986), Dir. Fred Dekker

Conhecido no Brasil como A Noite dos Arrepios, este sci-fi mistura terror e homenageia os filmes denominados horror B dos anos 80. O primeiro filme como diretor de Fred Dekker brinca com as regras do horror e desenvolve uma história que já é conhecida pelos amantes do gênero (um jovem, seu melhor amigo e seu interesse amoroso precisam sobreviver à noite), mas que consegue entreter e cativar os espectadores.

Apesar da diferença de idade para os personagens aqui, na época da faculdade, e os personagens de Stranger Things, no colégio, ainda temos pontos importantes da série abordados pelo filme – estranhos acontecimentos em um ambiente conhecido pelos personagens e que acaba se tornando hostil, seres monstruosos que precisam ser repelidos, além da busca essencial: como conseguimos nos encaixar na sociedade ao nosso redor?

Night of the Creeps tem um caráter bem absurdo, misturando várias criaturas e narrativas do horror em quase uma hora e meia. Além disso, a particularidade bizarra dos acontecimentos não escapa aos personagens, já que um deles chega a afirmar “Zumbis? Cabeças que explodem? Rastreadores assustadores? E um para para o baile? Isso é clássico”.

Leia também >> Lovecraft Country: quando a mágica preta é protagonista

As brincadeiras com o gênero de horror persistem pelos personagens no decorrer do filme, sarcasticamente compreendendo suas próprias realidades absurdas. E uma favorita está escondida nos sobrenomes dos personagens: todos têm um sobrenome de um conhecido diretor do gênero nos anos 80, como Romero, Carpenter, Cronenberg, Raimi e Cameron. 

Pelo caráter absurdo, é importante ressaltar que o filme mostra certas cenas de morte, violência e gore, porém para os fãs de terror e sci-fi, os acontecimentos não são muito exacerbados. Assim como nossos queridos personagens de Stranger Things que gostam de filmes considerados cults do sci-fi e terror, A Noite dos Arrepios é uma divertida e absurda carta de amor ao gênero B, e será aproveitada pelos fãs. 

nostalgia anos 80
Cena de “Monster Squad” | Imagem: reprodução

The Monster Squad (1987), Dir. Fred Dekker

Também conhecido como Deu A Louca Nos Monstros, disponível no catálogo da Amazon Prime Video, o filme nos mostra os monstros mais famosos do estúdio de cinema Universal: O Lobisomem, A Múmia, O Monstro do Pântano e Frankenstein. Liderados pelo Conde Drácula, estes monstros desenvolvem planos de controlar o mundo, mas suas ideias são interrompidas por um grupo de garotos que se intitulam o Esquadrão dos Monstros – um clube para aqueles que são fanáticos por criaturas monstruosas e suas histórias.

O esquadrão é composto por cinco pré-adolescentes que idealizam filmes de monstros e o enredo começa quando o líder do clube, Sean (Andre Gower), é presenteado com um diário escrito em alemão do caçador de monstros, Dr. Abraham Van Helsing. Em seguida, ele e seus quatro amigos, Patrick (Robby Kiger), Horace (Brent Chalem), Rudy (Ryan Lambert) e Eugene (Michael Faustino), logo descobrem que os monstros que tanto admiram são reais e têm planos de acabar com a humanidade, portanto o grupo precisa traduzir o diário para impedir que o projeto dos monstros se realize.

Deu a Louca Nos Monstros é um filme que também trata da dificuldade de mudança da infância para a adolescência. O longa retrata a importância das amizades que fazemos nesse período, além do trauma do bullying, mostrando como nossos gostos podem moldar nossas personalidades. Esse grupo de amigos lutando contra os monstros poderia se dar muito bem na pequena cidade de Hawkins e seus acontecimentos inexplicáveis. 

Leia também >> Paper Girls: Sobrenatural, protagonismo feminino e nostalgia que inova!
filme anos 80
Cena de “The Gate” | Imagem: reprodução

The Gate (1987), Dir. Tibor Takács

Em The Gate, acompanhamos dois garotos de doze anos, Glen (Stephen Dorff) e Terry (Louis Tripp), que descobrem um buraco estranho no quintal de Glen. Ao cavarem ainda mais o local, acidentalmente abrem um portal para o submundo e liberam um grupo de demônios, que passam a atormentar ambos, assim como suas famílias. O buraco responsável pelo desenvolvimento da trama aparece após um sonho premonitório de Glen, que se sente desconfortável com o acontecimento desde o começo, pressentindo que algo está errado com o local.

A influência de The Gate na série Stranger Things fica aparente logo na primeira cena do filme, onde vemos um dos personagens principais, Glen, pedalando pelas ruas do subúrbio onde mora – cenas que podemos reconhecer repetidas vezes ao longo da série dos irmãos Duffer.

A influência de The Gate na série Stranger Things fica aparente logo na primeira cena do filme.
Cena de “The Gate” (1987) | reprodução

As referências continuam com a construção da própria família de Glen, assim como Terry, que é seu melhor amigo e pode ser considerado um paralelo de Will, assim como Glen com Mike. O próprio Glen possui uma irmã mais velha, Alexandra (Christa Denton), com a qual não consegue ter um relacionamento bom – a diferença de idade entre os dois fez com que ambos não conseguissem mais se comunicar e manter o laço de intimidade que construíram quando pequenos, assim como Mike e Nancy.

Para além dos fãs de Stranger Things, o filme também agrada aos apreciadores de H. P. Lovecraft e o filme Poltergeist (1982), pois faz referências aos dois ao longo da narrativa. The Gate é um filme que discute como lidar com o crescimento, a dificuldade de deixar a infância para a pré-adolescência, fala sobre como lidar com o trauma da perda de um ente querido e a complexidade de compreender e manter laços familiares.  

Matinee (1993), Joe Dante
Cena de “Matinee” | Imagem: reprodução

Matinee (1993), Dir. Joe Dante

O único filme da lista que não envolve um aspecto sobrenatural ou de fantasia, Matinee – Uma Sessão Muito Louca consegue, ainda assim, brincar com a mente de seus personagens, fazendo com que acreditem estarem presos dentro de uma narrativa de filme de terror.

Lawrence Woolsey (John Goodman) é um produtor de filmes de terror à beira da falência, que tenta encontrar os meios mais inovadores e absurdos para atrair o público para suas produções. Em plena Crise dos Mísseis na década de 60, o produtor finalmente consegue seu pote de ouro em uma única exibição de seu novo filme, Mant, na cidade de Key West, Flórida.

A narrativa nos apresenta Gene (Simon Fenton), seu irmão Dennis (Jesse Lee Soffer) e Stan (Omri Katz), um colega de classe de Gene. Os irmãos moram na base militar da cidade e vivem em constante ansiedade por não saberem se o pai deles, que é militar, está ou não envolvido no possível ataque nuclear que pode afetar o país – assim como os dois, a cidade toda se encontra em pânico com a possibilidade de tal ataque. Já Stan está mais preocupado com seus sentimentos por Sherry (Kellie Martin) e como conseguir ficar com ela. 

Matinee - Uma Sessão Muito Louca (1993)
Cena de “Matinee – Uma Sessão Muito Louca” (1993) | reprodução

Gene, um grande fã do gênero do horror, leitor assíduo da revista Famous Monsters, fica entusiasmado ao descobrir que um de seus produtores favoritos, Woolsey, estará na cidade promovendo seu novo filme. Em pouco tempo, o jovem consegue se tornar parte dos planos do produtor para a sessão de estreia do longa. 

Leia também >> “O Silêncio da Casa Fria” e os diferentes fantasmas que assombram mulheres

Os fãs de Stranger Things vão gostar do longa pois nos mostra outro grupo de amigos tentando sobreviver aos anos de colégio, em uma cidade tomada pela ansiedade, assim como tentando lidar com seus próprios dramas pessoais e familiares. Os aspectos do sci-fi se encontram presentes no filme, e apesar de nada do tipo acontecer com os personagens, esses acabam se encontrando dentro do mundo do gênero, principalmente pela ameaça de uma guerra que pode mudar o dia-a-dia deles para sempre.  

Além de ser uma espécie de homenagem aos filmes de horror independentes, Matinee, disponível no catálogo do Amazon Prime Video, se utiliza da histeria de um momento estressante da história dos Estados Unidos para criar uma trama, apesar de tudo, leve e divertida. É um ótimo exemplo do poder que os filmes podem ter na sociedade, assim como a indústria do cinema tem uma capacidade enorme de explorar o medo ou acontecimentos significativos na sociedade para seu próprio lucro.


Revisão e edição por Isabelle Simões.

Autora:

8 textos

Historiadora e Pesquisadora de Cinema. Fã de horror, filmes, livros, hóquei e de um pug chamado Batata. Sempre pode ser encontrada com café.
Todos os textos
Follow Me :