O Mundo Sombrio de Sabrina – 1ª temporada: força, imposição e quebra de regras

O Mundo Sombrio de Sabrina – 1ª temporada: força, imposição e quebra de regras

O Mundo Sombrio de Sabrina tem sido uma das estreias mais aguardadas do canal de streaming Netflix, desde o dia que foi anunciada. Sabrina Spellman é uma personagem que causa nostalgia para uma grande quantidade de pessoas que cresceu assistindo a série dos anos 1990. Melissa Joan Hart, que viveu o papel naquela versão da Sabrina, estará pra sempre em nossos corações. Mas chegou o momento de abraçarmos de vez Kiernan Shipka e os novos rumos que a Archie Comics deu para uma das melhores bruxas adolescentes da cultura pop.

O texto a seguir contém spoilers. Caso você ainda não tenha visto a série, recomendamos a leitura do texto sem spoilers, e que quando você já tiver assistido, retorne para ler este.

O Mundo Sombrio de Sabrina

O Mundo Sombrio de Sabrina (no original: The Chilling Adventures of Sabrina) é uma série produzida pelo serviço de streaming Netflix, e acompanha a adolescente que é metade bruxa e metade humana, Sabrina Spellman (Kiernan Shipka).

Sabrina vive com suas tias Zelda (Miranda Otto), Hilda (Lucy Davis), seu primo Ambrose (Chance Perdomo) e seu gato Salem. No mundo normal, Sabrina tem um namorado, Harvey Kinkle (Ross Lynch), e duas amigas: Rosalind (Jaz Sinclair) e Susie (Lachlan Watson), e uma bruxa que ocupou o corpo de uma professora de Sabrina, Miss Wardell (Michelle Gomez). No mundo bruxo, convive com três bruxas complicadas, antagonistas de Sabrina: Prudence (Tati Gabrielle), Agatha (Adeline Rudolph) e Dorcas (Abigail F. Cowen).

Algumas mudanças aconteceram dos quadrinhos para a série, mas podemos considerar que foram adaptações necessárias para o ritmo da versão live action. Como já foram discutidas algumas questões dessas na postagem sem spoiler, iremos discutir alguns pontos mais diretos da adaptação.

O Mundo Sombrio de Sabrina

Uma das coisas que muitos perguntaram, logo de cara, é se o Salem iria falar. Ele fala, mas muito pouco em comparação com a série anterior. Na verdade, somente na cena em que ele se transforma de espírito para gato é que ele chega a falar de fato com Sabrina. Mas, mesmo assim, Salem permanece sendo um personagem incrível. Na cena da perseguição no labirinto é preciso confessar que deu um arrepiozinho na espinha. Com o recente anúncio da segunda temporada, que já começou a ser gravada, podemos aguardar muitas novidades sobre ele, e muitas cenas interessantes sobre esse familiar. Pelo menos, com a quantidade de poderes que ele parece ter, e com o possível passado obscuro que ele esconde, é bem possível que ainda tenhamos muitas cenas com ele ao longo dos próximos episódios.

Pode-se dizer que Ambrose assumiu bem o lugar de Salem. Apesar de não ser um gato falante, o personagem tem suas doses de sarcasmo e ajuda Sabrina quando as coisas apertam, dando conselhos e mostrando algumas saídas com a ajuda da bruxaria, que até então ela não conhece tão bem. A maldição de ambos os personagens são parecidas: se na série de 1990, Salem se tornou um gato porque tentou dominar o mundo, em 2018, Ambrose passou a estar preso na casa dos Spellman por tentar explodir o Vaticano (ajudando Crowley – sim, o Aleister – em um plano maluco).

O Mundo Sombrio de Sabrina

Leia também:
>> [OPINIÃO] Da Magia à Sedução: o relacionamento abusivo abordado em um filme de bruxas
>> [NOTÍCIA] Netflix anuncia série sobre mulheres perseguidas por bruxaria no século 17
>> [SÉRIE] Salem: Bruxaria e demonização da mulher

A partir do episódio 6, na segunda metade da série, percebemos exatamente porque disseram que Sabrina seria mais macabra em relação a série anterior. Os problemas de Sabrina permanecem os mesmos: ela quer ajudar seus amigos com sua bruxaria, mas não pode, porque os bruxos não devem interferir na vida dos mortais. Uma regra que permanece da série antiga, mas um pouco pior, pois os problemas agora são de proteção, morte, necromancia e problemas realmente mais difíceis do que simplesmente passar nas eleições do colégio ou entrar para o time de futebol, problemas enfrentados durante os anos de 1990.

Como mencionado no texto sem spoiler, a união feminina é uma das temáticas importantes da série, bem como em alguns episódios de Riverdale, do mesmo produtor Roberto Aguirre-Sacasa. Ao ter sua amiga Susie perseguida por um grupo de garotos do time de futebol, Sabrina e Roz se reúnem para montar um grupo que chamam de WICCA, um grupo de suporte para mulheres na escola de Greendale. Porém, a união feminina de Sabrina com suas “amigas” da Academy of Unseen Arts, Prudence, Dorcas e Agatha, é mais tóxica e perigosa, com situações de vingança contra os garotos mortais, bem como situações de quase morte de ambas as partes. Se no mundo sem magia Sabrina tenta se conectar com suas amigas através do apoio e da força feminina, no mundo bruxo Sabrina só tenta sobreviver e não estar no caminho das três “irmãs”.

Uma crítica importante a fazer é que talvez as escolhas para essas vinganças das irmãs sejam um pouco demais. Ao se vingar dos garotos mortais que faziam bullying com Susie, elas acabam organizando uma armadilha sexual para eles, o que pode ser visto como um dos problemas da série.

O Mundo Sombrio de Sabrina

Uma situação interessante na série é como um coven, regido por um homem, que cultua o Senhor das Trevas – uma entidade masculina – é, principalmente, erguido sobre o esforço feminino. A história da bruxaria em O Mundo Sombrio de Sabrina é repleta de histórias de mulheres que lutaram contra a opressão masculina, mas quem assume o poder diante dessa “igreja” é um sumo sacerdote. E isso fica bem claro nas falas de Miss Wardell com Father Blackwood (Richard Coyle), o sumo sacerdote, ainda mais quando ela diz que ele deveria temer as mulheres, dizendo uma das melhores frases da série: “and I feast on male flesh” (e eu faço um banquete com carne de homens, em uma tradução livre). As bruxas, em Sabrina, têm muito mais poder do que são permitidas a usarem, por conta de uma vida regrada, a partir de regras que um homem colocou nelas. E isso é muito significativo de ser observado.

Porém, Sabrina mostra algo importante sobre força quando se recusa a agir a partir dos princípios da Igreja das Trevas e dos princípios que regem o mundo dos mortais, mesmo aqueles mais simples, que tem a ver com o machismo de todos os dias. Sabrina encara esses princípios de frente e quebra todos, somente para ajudar seus amigos e por ter empatia com aqueles que são diferentes, por estar tentando ser uma pessoa melhor e utilizar aquilo que ela tem, sua bruxaria, como uma arma contra os perigos dos mundos – mortal e bruxo. Cada regra quebrada, cada luta de Sabrina, mostra como seguir com o que você acredita é importante.

O Mundo Sombrio de Sabrina

Leia também:
>> [LIVROS] Calibã e a Bruxa: o terror contra os corpos das mulheres a serviço do capital, ontem e hoje
>> [LITERATURA] 11 livros assustadores para começar a ler neste Halloween!
>> [ANIME] A bruxaria feminista de “Mary to Majo no Hana” e a estreia do Studio Ponoc

O Mundo Sombrio de Sabrina é uma série de terror adolescente, mas talvez não tenha avisado aqueles que esperaram por sua estreia pela quantidade de terror que ela carrega. Temos cenas de mortes explícitas, gargantas cortadas, crueldade, monstros assustadores (e temos até uma cena de orgia no episódio 7). Mas é uma série interessante, com uma história macabra e personagens cativantes, uma obra com referências de bruxaria e cultura pop, que mantém a essência dos personagens da série antiga, com uma camada de mudanças para que se tornasse mais sombria e mais atual. Assista de coração aberto, dê uma chance para essa nova versão!

https://www.youtube.com/watch?v=c1N3tpnmy-c

Publicidade

Autora:

52 textos

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler tomando um café quentinho.
Todos os textos
Follow Me :