“Rosário” aborda o papel da testemunha na violência de gênero (23ª Mostra de Tiradentes)

“Rosário” aborda o papel da testemunha na violência de gênero (23ª Mostra de Tiradentes)

Rosário” é um curta-metragem pernambucano escrito e dirigido por Juliana Soares e Igor Travassos. Exibido na Mostra Panorama da 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes, o filme se filia a uma tradição recente, sobretudo nos curtas brasileiros de ficção, que pretende retratar a violência física e simbólica vivenciada por mulheres a partir do retrato cotidiano mais ordinário. Filmes como “Na minha sopa não” (2015), de Mirela Kruel, “Estado Itinerante” (2016), de Ana Carolina Soares, “Tentei” (2017), de Laís Melo, e “Onze minutos” (2018), de Hilda Lopes Pontes, foram grande sucesso de crítica e público por conseguirem comunicar o tema de forma eficiente, sem recorrer ao didatismo, em relação a problemas tão comuns na nossa sociedade e que até bem pouco tempo não eram ditos, discutidos ou suscitados de modo tão aberto.

Rosário é não somente o nome da protagonista do curta, mas também o instrumento de reza que a personagem realiza todos os dias pela manhã, logo após escutar o programa de rádio com as notícias diárias. As mais violentas atrocidades são noticiadas rotineiramente e, como não poderia deixar de ser, a violência contra as mulheres segue sempre em pauta. O interessante da obra é que a protagonista não estará no centro da ação que os realizadores visam enquadrar. A reflexão sugerida ao espectador é a seguinte: o que nós como cidadãos e sujeitos sociais fazemos ou deixamos de fazer para mudar a realidade que nos circunscreve.

Leia também:
>> Atlantique: uma poesia visual multifacetada
>> Las Lindas: como os papéis de gênero moldam nossas vidas desde cedo
>> “A Felicidade Delas” ou quando amar é um pulsante transbordar (23ª Mostra de Tiradentes)
Cartaz do curta "Rosário", de Juliana Soares e Igor Travassos.
Cartaz do filme “Rosário” (Foto: divulgação)

“Rosário” e a violência de gênero retratada no cinema nacional

Ao final do longa-metragem francês “Custódia” (Jusqu’à la garde, 2018), dirigido por Xavier Legrand, uma personagem aparece muito rapidamente convocando a uma intervenção na cena principal. Ao telefonar para a polícia para denunciar a violência marital sofrida pela vizinha e seu filho, uma máxima popular é colocada em xeque: em briga de marido e mulher se mete a colher sim. É sobre essa experiência que “Rosário” vai se debruçar. O curta vai levar para a tela do cinema o debate acerca do papel crucial da testemunha nesses casos. Além disso, muitas vezes as pessoas se abstém de interferir ou se colocar a disposição das vítimas por medo de retaliação ou descrédito, tendo em vista a pungente cultura machista a que todos nós estamos submetidos.

Um dos pontos altos de “Rosário” é conseguir alternar (através da montagem assinada por Maria Cardozo) momentos de leveza e pura contemplação cotidiana, com uma cena que emula suspense, pelo simples fato de uma mulher caminhar sozinha na rua à noite. Aliás, esse gesto imprime uma característica de desolação na própria ideia de liberdade de ir e vir a que todos temos direito, mas que só alguns podem usufruir na sua plenitude.

O que fazer quando nos deparamos com situações de violência de gênero? Como abordar a questão? Como encarar a nova rotina depois do fato? Quais vulnerabilidades serão impostas pelas ações ou omissões diante da cena? Essas são algumas das questões que o roteiro do curta tenta abraçar. Vale notar que muitas dessas indagações se materializam no campo do não dito, do extra quadro, merecendo, portanto, destaque a ótima atuação de Laís Vieira que, através do silêncio, consegue imprimir as sensações vistas na tela.


Edição e revisão por Isabelle Simões.

Escrito por:

120 textos

Aquariana, mora no Rio de Janeiro, graduada em Ciências Sociais e em Direito, com mestrado em Sociologia e Antropologia pelo PPGSA/UFRJ, curadora do Cineclube Delas, colaboradora do Podcast Feito por Elas, integrante da #partidA e das Elviras - Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema. Obcecada por filmes e livros, ainda consegue ver séries de TV e peças teatrais nas horas vagas.
Veja todos os textos
Follow Me :