Os melhores álbuns musicais de 2020

Os melhores álbuns musicais de 2020

Em um ano tão difícil, a música teve um papel essencial em nossa rotina de isolamento social. Entre álbuns melancólicos, introspectivos e dançantes, confira os melhores álbuns musicais de 2020 e que mais nos fizeram companhia ao longo dos meses.

Indicado por Rafaella Rodinistzky

Do desapego ao amor – Juyè

Do desapego ao amor - Juyè
“Do desapego ao amor”, de Juyè, inaugura a lista de melhores álbuns musicais de 2020.

Do lado independente da música brasileira, a cantora paraense Juyè colocou seu primeiro álbum no mundo em outubro de 2020 pelo selo Pirâmide Perdida. Com 10 faixas, Do desapego ao amor caminha pela aceitação dos ciclos de chegadas e partidas que permeiam a vivência humana entre amores, desilusões e efemeridades. A impermanência da vida terrena, no entanto, não foi uma escolha ao acaso, pois o álbum também faz parte do processo de luto enfrentado por ela pela morte de seu filho Noah e da preparação para a chegada de Joanna, sua filha.

Representante do rap brasileiro, Juyè também flerta com o jazz, o R&B e a MPB no disco, além de contar com parcerias conhecidas do meio, como Laura Sette, BK’, Thiago Jamelão e Ainá. Da calmaria à celebração, Do desapego ao amor é uma viagem sonora que cumpre o eterno retorno ao apertarmos o repeat quando o álbum chega ao fim.

Indicado por Flavia Azolin

Folklore – Taylor Swift

Folklore - Taylor Swift - Melhores álbuns musicais de 2020

Taylor Swift lançou esse ano um de seus melhores álbuns já criados. O trabalho extremamente intimista, repleto de narrativas envolventes e easter eggs característicos da cantora marca uma nova fase em sua jornada artística. A mescla de influências que perpassa o folk e até mesmo o indie mostra o quanto Taylor é capaz de se reinventar cada vez mais, extraindo o melhor de si das situações mais complexas.

Leia também >> Folklore: os tempos nostálgicos de Taylor Swift

Fruto do isolamento social provocado pelo coronavírus, Taylor criou de forma simples e despretensiosa um álbum que certamente ficará marcado para sempre em sua carreira. As diferentes histórias do Folklore atestam mais uma vez o seu já consagrado talento como compositora e letrista.

Indicado por Gabriela Holanda

Ungodly Hour – Chloe x Halle

Ungodly Hour - Chloe x Halle (Melhores álbuns musicais de 2020)

As irmãs Chloe e Halle Bailey já vinham nos últimos anos conquistando bastante atenção por seus vocais magníficos, mas foi em 2020, com o lançamento de Ungodly Hour, que as artistas realmente se destacaram.

Amadrinhadas por Beyoncé, as jovens demonstraram com este álbum que não apenas amadureceram tanto em seu som quanto em suas letras, como são capazes de entregar uma sonoridade impressionante mesmo com pouco tempo de carreira.

Com faixas como “Forgive Me”, “Wonder What She Thinks of Me” podemos ver uma renovação do estilo musical delas, mas ainda mantendo a essência que já tanto gostávamos em outros trabalhos.

Indicados por Isabelle Simões

Fine Line – Harry Styles

Fine Line - Harry Styles (Melhores do Ano)

Harry Styles coleciona inúmeras conquistas desde o início de sua carreira solo em 2017. Indicado a inúmeros prêmios importantes da indústria (incluindo 3 indicações ao Grammy em 2021) e ganhador de diversos outros, o ano de 2020 foi dele. Watermelon Sugar e Adore You foram sucessos absolutos, aparecendo em diversas listas de melhores canções de 2020.

Além de se destacar na moda, vestindo roupas genderless que remetem ao estilo das silhuetas e mangas bufantes de David Bowie e Prince, o compositor lançou em 13 dezembro de 2019 um dos álbuns mais comentados e ouvidos de 2020, além do álbum de cabeceira de muitas pessoas.

Fine Line é uma jornada de autoconhecimento que iniciou com a marcante frase de Lights Up “Do you know who you are?” (“Você sabe quem você é?“) e finalizou com a mistura da mensagem altruísta de Golden “Lovin’ you’s the antidote” (“Amar você é o antídoto“) e de outra esperançosa de Fine LineWe’ll be alright” (“Nós vamos ficar bem“). Temos canções que exalam os diversos estágios da vida, desde o encantamento e a excitação de um novo amor, passando pela dor e tristeza da perda deste amor, e até mesmo a compreensão de quem nós somos sem as amarras sociais, com a aceitação de que após todos as fases boas e ruins da vida, ficaremos bem no fechamento desses ciclos.

Leia também:
>> O espaço para autoaceitação na música pop
>> Artistas que desafiam estereótipos de gênero no meio musical

As músicas de Harry Styles exalam amor e positividade. Ouvir Fine Line nos deixa com aquela vontade de beijar na cozinha como se fosse uma pista de dança, como menciona o trecho de Sunflower vol. 6. Não é a toa que a grande amiga de Harry, Stevie Nicks, ficou encantada com o álbum e entregou um dos maiores elogios que algum artista poderia receber: Este é o seu Rumous. (comparando Fine Line com o álbum que marcou o sucesso de Fleetwood Mac).

Mas o segredo do triunfo de Styles está na mistura de alguns ingredientes especiais além de seu talento inquestionável: a gentileza e o respeito que o cantor sempre carregou consigo desde a época da One Direction, dando origem à canção-lema Treat People with Kindness.

Como viver na mesma época de Harry Styles sem se apaixonar por tudo o que o artista produz e representa dentro e fora da indústria musical? Impossível.

Below the Salt – Haley Blais

Below the Salt - Haley Blais (Melhores do Ano)

Haley Blais é uma artista que provavelmente ganhará destaque nos próximos anos. Ao entregar um dos melhores álbuns indies deste ano, a faixa “Be Your Own Muse” pode ser a sua nova canção favorita para aqueles dias pesados que a síndrome da impostora vem com tudo. Certamente foi uma das canções que mais me fortaleceu neste ano. Compreender que você não precisa estar com alguém para ser incrível, que você pode ser sua própria musa, abre caminho para uma jornada de amor próprio tão necessária em um mundo que molda as mulheres para serem musas de outra pessoa.

A artista entrega todo o seu coração em Below the Salt, que traz faixas sentimentais e melancólicas, com destaque para “Firestarter” e “Ready or Not“. Ouvir Haley Blais é como arrancar nossas próprias ervas daninhas e cultivar os sentimentos positivos com novas sementes. E pra quem gosta de músicas natalinas, a artista publicou recentemente uma linda versão de “Auld Lang Syne“.

PunisherPhoebe Bridgers

Punisher - Phoebe Bridgers (Melhores álbuns de 2020)

Se o mundo acabasse amanhã, certamente “I know the end“, de Phoebe Bridgers, estaria na minha playlist enquanto eu estivesse apreciando um bom vinho horas antes da tragédia ocorrer. Punisher foi indicado ao prêmio de Melhor Álbum Alternativo no Grammy 2021, além de Phoebe ser uma das mulheres indicadas ao prêmio de Melhor Performance de Rock por “Kyoto” e mais duas indicações: Melhor Canção de Rock (“Kyoto”) e Melhor Artista Revelação.

Com influências de Elliott Smith, a compositora, que também é uma das integrantes do excelente projeto boygenius, escreve canções que nos acalentam, como a sensação de um abraço apertado após um longo dia difícil. Destaque para a canção “Savior Complex” que ganhou recentemente um clipe dirigido por Phoebe Waller-Bridge (Fleabag).

A artista revelou, em conversa/live feita no início da pandemia junto com o ator Paul Mescal, que prefere ouvir canções tristes como auxílio para lidar com os acontecimentos intensos da vida. E parece que Phoebe Bridgers conseguiu entregar uma obra profunda e primorosa que abraçou muitas pessoas ao longo do ano.

Dedicated Side B – Carly Rae Jepsen

Dedicated Side B - Carly Rae Jepsen (Melhores álbuns de 2020)

Carly Rae Jepsen é uma daquelas pessoas que sentimos vontade de andar no recreio. A cantora exala uma energia positiva e um carisma arrebatador por onde passa. A sua participação no Tiny Desk, no final do ano passado, retrata um exemplo dessa influência da artista. Dedicated marcou 2019 ao trazer novamente o pop dançante e elétrico de Carly. Foi então que a compositora trouxe em 2020 o lançamento surpresa de Dedicated Side B, que conseguiu ser ainda melhor que sua obra antecessora.

Side B é o álbum perfeito para compor a trilha sonora da pista de dança em nossos lares. Em uma época onde devemos evitar aglomerações e festas, Carly Rae Jepsen foi responsável por entregar uma das obras mais contagiantes do ano. Impossível ouvi-lo apenas uma vez no mesmo dia. O pop nostálgico de Carly é apaixonante, assim como a criadora.

Indicados por Laysa Leal

What’s Your Pleasure?Jessie Ware

What's Your Pleasure - Jessie Ware (Melhores álbuns de 2020)

Um álbum atual que poderia ser facilmente confundido com um representante dos anos 70 ou 80. Mistura de disco e electropop, What’s Your Pleasure? é a tradução sonora do ambiente da discoteca, com sua decoração neon e os tão característicos globos espelhados.

Love Me Tonight”, de Fern Kinney, foi citada por Jessie Ware como uma das principais influências para o álbum, que também lembra o som de Anita Ward e Donna Summer. Esquecido por muitos críticos, mas merecidamente aclamado por aqueles que dele lembraram, What’s Your Pleasure? merece ser ouvido e apreciado em todo o seu glamour.

Women in Music Pt III – HAIM

Women in Music Pt III - HAIM (Melhores álbuns de 2020)

Women In Music Pt. III leva este nome como ironia à pergunta frequente entre entrevistadores sobre como é ser uma “mulher na música”. Indicado à principal categoria do Grammy, o novo álbum das irmãs Haim é multidimensional e surpreendentemente pessoal, explorando temas como depressão e o luto pela perda de uma amiga querida em um acidente de carro.

Carregado de influências clássicas e já conhecidas por quem é familiar ao trabalho do trio — nomes como Tom Petty, Prince e Joni Mitchell —, o lançamento é ao mesmo tempo uma grata surpresa ao trazer experimentalismos em gêneros como UK Garage, americana e R&B. Muito elogiado pela crítica, Women In Music Pt. III evidencia o talento e, sobretudo, o amadurecimento lírico das irmãs.

SAWAYAMA – Rina Sawayama

SAWAYAMA - Rina Sawayama (Melhores de 2020)

Por muitos julgado ruim e ultrapassado, o nu metal é revivido com classe e excelência em SAWAYAMA. Abrangendo também o pop e o R&B, o álbum é uma mistura de gêneros e referências da década de 90 e início dos anos 2000, de Limp Bizkit a Christina Aguilera.

O racismo é um dos temas centrais de SAWAYAMA (Rina é nipo-britânica), entre outras questões pessoais que remetem à adolescência da cantora e sua relação com família, amigos e relacionamentos amorosos. Como álbum de estreia, o lançamento chega para provar o potencial de Rina Sawayama, e já nos deixar ansiosos pelo próximo.

Indicado por Clarissa Amariz

Future Nostalgia – Dua Lipa

Future Nostalgia - Dua Lipa (Melhores de 2020)

Future Nostalgia é aquele tipo de disco que pode dar muito certo ou muito errado. O risco de investigar todas as fichas em uma estética já tão conhecida, mas ao mesmo tentar propor algo novo, pode não ser tão bem aceito por dois grupos de fãs difíceis de agradar: de um lado os saudosistas que não querem que nada que envolva seu passado seja mexido; e de outro os mais visionários, que muitas vezes só conseguem olhar pra frente, e querem, de uma vez por todas, enterrar o passado e deixá-lo pra trás. Mas ainda bem que deu certo, e muito certo!

Leia também >> Top 10 melhores álbuns femininos lançados no primeiro semestre

O segundo álbum de estúdio da cantora britânica Dua Lipa, traz a nostalgia dançante dos anos 80, não só na sua sonoridade, como também, ou principalmente, no seu conceito e estética, com a modernidade de sons mais contemporâneos apontando as tendências para o futuro da música: e, gente, ele é da música pop.

Indicado por Bruna David

Singular – Vanessa Krongold

Singular - Vanessa Krongold (Melhores álbuns musicais de 2020)

Quando era adolescente, no auge da MTV Brasil, nos anos 2000, fui apresentada a muitas bandas de estilos diferentes, o que, cá entre nós, formou um tanto minha personalidade musical. Uma dessas bandas é a Ludov, na época “diferentona”, pois tinha uma mulher no vocal, Vanessa Krongold. Com seu pop rock, Ludov e Vanessa tocaram e ainda tocam nos meus fones de ouvido até hoje. Sim, até hoje. E digo isso porque 2020 foi o ano que Vanessa lançou seu primeiro disco solo Singular.

Mantendo um tom pop rock com guitarras, porém com muitas outras nuances de estilos, instrumentos e principalmente, personalidade, Vanessa Krongold nos pega já na primeira música quando começa “O amor morreu à queima-roupa…” e passa, através das 9 músicas, por temas como relacionamentos, paixões e sobretudo o encontro consigo mesma.

Indicado por Juliana Trevisan, Mia Sodré e Laysa Leal

Fetch the Bolt Cutters – Fiona Apple

Fetch the Bolt Cutters - Fiona Apple (Melhores álbuns musicais de 2020)

Mia: Fiona Apple demorou anos para lançar seu quinto álbum, mas finalmente o fez, e não desapontou. Fetch the bolt cutters foi um dos pontos altos de 2020. Num ano em que todos tivemos de ficar em casa, ouvir Fiona dizer que sente raiva, admitindo que está tudo bem não ter mais o que conversar com alguém e lamentando ter se envolvido com certas pessoas, foi como um grito de libertação. Mas, sobretudo, o álbum é sobre redenção, permitir-se existir como se é num mundo caótico e buscar seu equilíbrio da melhor forma possível. Experimental e coeso, FTBC merece todos os prêmios, pois é realmente algo único.

Laysa: Não por acaso o novo álbum de Fiona Apple tem sido assunto recorrente há meses. Retorno triunfal após um hiato de oito anos. Fetch the Bolt Cutters versa sobre temas como abuso sexual, patriarcado, masculinidade tóxica, bullying, depressão, entre outras questões. A densidade das letras é traduzida em colagens sonoras que envolvem coisa de todo tipo: uma respiração pesada, gritos (ou cochichos), palmas e latidos de cachorro, todos gravados não em estúdio, mas na própria casa de Fiona — algo que não surpreende, dada a pessoalidade do álbum. FTBC foi uma experiência catártica para a autora, e assim é, também, para o público.

Juliana: Depois de quase 10 anos do lançamento de seu último álbum, Fiona Apple, com 43 anos, surpreendeu a todos com Fetch the Bolt Cutters em abril desse ano. O álbum conta com músicas majoritamente gravadas em sua casa em Venice Beach, Los Angeles, de 2015 a 2020.  FTBC é um álbum intimista que traz composições minimalistas e potentes, com vida própria e relatos pessoais. A genialidade de Fiona, atrelada ao bom senso estético e de composição, justifica sua posição em diversas listas de melhores álbuns do ano e é uma excelente pedida tanto pra quem já conhece o trabalho da artista quanto pra quem quer ouvi-la pela primeira vez.

Indicado por Lívia Andrade

Map Of The Soul: 7 – BTS

Map Of The Soul: 7 - BTS (Melhores álbuns musicais de 2020)

O 7 no segundo álbum da era Map Of The Soul não é tão óbvio quanto parece. Sim, o BTS tem 7 membros, mas esse número pega carona no conceito geral dessa era, que é baseada nos estudos do pai da psicologia analítica: Carl Jung. Em suas anotações, ele chega a dizer que o 7 seria o mais alto estado da iluminação. Tal ideia, combina perfeitamente com MOTS7, o qual eu considero o auge da iluminação do grupo coreano mais famoso da atualidade.

MOTS7 traz um senso muito grande de união, tanto entre os membros quanto entre eles e nós, Armys. As músicas misturam intimidade e força, sensibilidade e poder, calor e frio. Percorrer as faixas é aproveitar um abraço bem dado cheio de carinho, amor e empatia. Destaque para “ON“, “Louder Than Bombs” e “Black Swan“, que resumem bem tudo o que comentei, assim como mostram o talento, versatilidade e inteligência dos meninos. BTS segue ensinando que o verdadeiro sucesso é ter humildade e empatia enquanto faz o que ama.

Indicados por Michelle Alves

Inner Song – Kelly Lee Owens

Inner Song - Kelly Lee Owens (Melhores álbuns musicais de 2020)

Segundo trabalho de estúdio da produtora, compositora e cantora galesa Kelly Lee Owens, Inner Song transpassa a música eletrônica com tons melódicos e vibrantes com o techno e a psicodelia.

O álbum é ideal para os momentos do home office, que é por vezes calmo. Com letras inquietantes e pessoais, destacamos o trecho “Love is not enough to stay/I’d rather be on my own.” (“O amor não é suficiente para ficar / Prefiro ficar sozinha.”) da canção “L.I.N.E.“. A cantora também aborda os perigos das mídias sociais como podemos ouvir em “Wake Up!“.

Após ter trabalhado em parceria com  John Cale, do The Velvet Underground em “Corner of my Sky” e no cover de “Weird Fishes / Arpeggi”, do Radiohead, o novo álbum de Kelly Lee Owens ostenta certa beleza etérea.

No Harm Done – Josephine Foster

No Harm Done - Josephine Foster (Melhores álbuns musicais de 2020)

Cantora estadunidense de folk americano e com o chamado New Weird America, Josephine Foster também apresenta o rock psicodélico em sua música. Compositora e produtora com muitos trabalhos lançados, trouxe outro produto que pode ser utilizado para os momentos do isolamento social, seja para o trabalho ou até mesmo para os momentos de relaxamento, tão necessário nesse período.

O álbum No Harm Done vale a conferida, principalmente as faixas “How come, honeycomb?” e “Freemason drag“. Com vocais meio estranhos e um clima um tanto quanto pessimista, a artista apresenta uma obra encantadora e porque não dizer, até sedutora.

Indicado por Kethycia Maria

Never Gonna Dance Again: Act 1 – Lee Taemin

Never Gonna Dance Again: Act 1- Lee Taemin (Melhores álbuns musicais de 2020)

Never Gonna Dance Again: Act 1 é o terceiro full álbum de Lee Taemin, conhecido por ser o maknae (membro mais novo) e dançarino principal do grupo de kpop SHINee. Esse álbum pode ser considerado um dos melhores da carreira de Taemin por buscar ousar entre os gêneros musicais já trabalhados pelo artista; entre as entrevistas de divulgação, o artista até brincou falando que ele próprio era o gênero musical imperando dessa vez no álbum, evidenciando o quão imerso ele esteve na produção do disco.

Com “2 Kids“, apresentada como o prólogo do álbum, a canção expõe a imaturidade de um casal jovem e apaixonado. Já em “Criminal” (faixa promocional), é exposto que aquele amor antes apresentado evoluiu para algo doentio, sádico, criminoso e delicioso de viver. O álbum todo é harmônico e traz consigo  uma experiência sonora envolvida em muito pop, trap e R&B, sensualidade e originalidade que só o kpop e Taemin poderiam oferecer.

Menções honrosas


Edição, revisão e arte em destaque por Isabelle Simões.

Escrito por:

320 Textos

Site sobre cultura e entretenimento, que destaca o protagonismo feminino e analisa a representação feminina nas obras.
Todos os textos
Follow Me :