Motivos para assistir “Parks and Recreation”

Motivos para assistir “Parks and Recreation”

Compartilhe

Parks and Recreation conta a história de Leslie Knope (Amy Poehler), vice-diretora do departamento de parques e recreação em uma pequena cidade de Indiana (EUA) chamada Pawnee. Ao longo de suas 7 temporadas, acompanhamos o desenvolvimento dos funcionários deste departamento e suas relações. Parks and Recreation é a série que herdou o legado de The Office e abriu espaço para uma nova maneira de fazer comédia. Mas o que a torna tão especial?

A princípio projetada para ser um spin-off de The Office pelos mesmos criadores da série – Greg Daniels e Michael Schur–  ainda no desenvolvimento do roteiro, Parks and Recreation se mostrou promissora demais para ser apenas isso. Entretanto, apesar de contar com mais de 90% de aprovação do Rotten Tomatoes, a série nunca atingiu muita popularidade. Sendo ela uma sitcom com protagonismo feminino e um roteiro que não poupa críticas à sociedade, principalmente na área política, a série não tenta ser um espetáculo, e é exatamente aí onde ela acerta em cheio.

Parks and Recreation
Parks and Recreation – Imagem/Reprodução: Variety

Uma série que celebra o simples

Primeiramente, Parks and Recreation não sabia ao certo o que deseja ser. Ela possui um começo muito diferente das demais temporadas. No entanto, embora a primeira temporada da série não tenha atraído muito o público, basta chegar na segunda temporada e já é possível perceber o que a série tem de especial.

O seriado melhora de maneira impressionante a cada episódio, quando a produção da série percebe que ela tem um charme único. Era mais interessante acompanhar os problemas malucos dos moradores de Pawnee do que ver como era ruim ser um chefe. Também havia algo muito engraçado e emocionante no departamento de parques e recreação e a peça chave para isso era a amizade entre os personagens, sua simplicidade.

Desse modo, através do desenvolvimento dos personagens e suas relações, é impossível não estabelecer um laço com a série ou não passar a se ver no seriado e não ver a obra em tudo. É pela ótica deles que Parks and Recreation ganha algo de único.

Leia também >> Fleabag: a anti-heroína “má feminista” da comédia britânica
Tom (Aziz Ansari) e Donna (Retta) em Parks and Recreation - Treat yo self
Tom Haverford (Aziz Ansari) e Donna (Retta) no seriado | Imagem/Reprodução: Peacock

Além disso, uma característica comum nas sitcoms é o ato de representar realidades cotidianas. Como se cada episódio fosse uma crônica. Parks and Recreation eleva essa proposta a um outro nível, não bastando abordar temas rotineiros (cenas como um happy hour de funcionários públicos ou um casal recém casado com problemas financeiros são comuns ali), a série ainda faz questão de transformar-se em uma carta de amor às cidades pequenas. Aos trabalhadores e seus sonhos, assim como suas conquistas e derrotas. A série celebra a vida simples e tudo o que há de melhor nela, em especial, a amizade entre as pessoas.

Leslie Knope e outros personagens cativantes

Na primeira temporada, Leslie Knope é praticamente uma versão feminina de Michael Scott (Steve Carell) de The Office. Com o mesmo sentimento patriótico enraizado e o desejo de ser um bom chefe apesar de sua impopularidade, tais características se destacam em Leslie.

No entanto, a personagem de Amy Poehler consegue ir além de um reflexo de outra série e torna-se uma protagonista única ao longo das temporadas. Knope torna-se a alma de Parks and Recreation, sendo a peça que une os personagens, os arcos e os motivos pelos quais a série é especial. Dessa forma, é com os sonhos dela de fazer o que pode para ajudar as pessoas e a sua amada cidade, que a série acontece.

Através de sua bondade e determinação, Leslie torna-se uma personagem do tipo raro, que é cativante de imediato. Do primeiro episódio ao último, a personagem torna-se mais que a protagonista, torna-se uma amiga. Todavia, destaca-se também o incrível trabalho de Amy Poehler na improvisação e verdadeira incorporação de Knope.

Leia também >> “Everything’s Gonna Be Okay” é a comédia familiar perfeita para os tempos atuais
Leslie Knope (Amy Poehler)
Leslie Knope (Amy Poehler) em Parks and Recreation – Imagem: Reprodução

É também maravilhoso acompanhar os demais personagens crescerem para além do que foi proposto. Vê-los tornar forma e singularidade. Eles passam de “personagens inspirados por outras séries” para “personagens que inspiram outras séries”. Temos o ranzinza Ron Swanson (Nick Offerman), o descolado Tom Haverford (Aziz Ansari), o tímido Ben Wyatt (Adam Scott), além da esquisita April Ludgate (Aubrey Plaza). São inúmeros os personagens da série que conseguem ser únicos, não estereótipos, mas personagens de fato, criados com um evidente carinho. Assim, os acompanhamos criarem suas famílias e tornarem-se amigos.

Pawnee, Indiana

E o palco para isso tudo é Pawnee, que funciona quase como um personagem a mais na série. A cidade onde fica localizado o departamento de parques e recreação é um lugar repleto de fatos bizarros e moradores insanos. Apesar disso – ou talvez exatamente por isso – a série consegue nos mostrar o melhor do lugar.

Ao longo das temporadas há diversas referências aos moradores da cidade, às rádios e programas de TV locais, cantores, bares, bibliotecas e até cidades vizinhas. O seriado utiliza coisas a princípio estranhas e as transforma em coisas bonitas. Todavia, Parks and Recreation não é apenas diversão mas também acolhimento.

A frase que pode definir Pawnee é o seu lema:

“Quando você está aqui, você está em casa.”
Leslie Knope e a Cápsula do Tempo de Pawnee no seriado
Leslie Knope e a Cápsula do Tempo de Pawnee no seriado | Imagem/Reprodução: BBC Four

A cidade não tenta esconder as falhas terríveis que os Estados Unidos cometeu ao longo da história, ela mostra como essa sociedade é falha e ainda retrata o porquê de haver esperança. Parks and Recreation, portanto, retrata um patriotismo incomum, que aceita as problemáticas, se dedica a consertá-las e demonstra a dificuldade de tornar o lugar que você ama melhor, seja ele uma cidade minúscula ou um país inteiro.

Participações especiais e memes memoráveis

Outro exemplo dos grandes atrativos de Parks and Recreation é ver rostos conhecidos por toda parte. A série foi a porta de entrada para o destaque de muitos atores a atrizes, dentre os principais é possível citar: o comediante Aziz Ansari de Master Of None, Chris Pratt que interpreta o Senhor das Estrelas em Guardiões da Galáxia e até Rashida Jones como Ann Perkins. A atriz também está em The Office como Karen.

Além disso, há participações especiais em quase todos os episódios. Dentre os destaques: Paul Rudd, o Homem-Formiga; Kathryn Hahn de Wandavision e até o atual presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Com tantos nomes de talento, não é surpresa que a série tenha originado cenas marcantes (e memes maravilhosos na internet).

Bobby Newport (Paul Rudd) em Parks and Recreation
Bobby Newport (Paul Rudd) em Parks and Recreation. Tradução livre: “Eu sou contra o crime e não tenho vergonha de admitir” | Gif: reprodução

Debatendo política

Nas melhores sitcoms, espera-se desde tiradas sagazes sobre política e religião, até coisas banais como piadas sobre soltar pum. Parks and Recreation faz isso melhor do que nenhuma outra. Dessa forma, equilibrando temas leves com assuntos mais sérios, ela permite que a audiência se delicie e se emocione. Não ficando apenas nos clássicos debates sobre capitalismo x socialismo, ou democratas x republicanos, a série demonstra como a política está em tudo na sociedade. Desde os buracos na calçada até uma crise de gripe.

Entender a importância de debates políticos é algo que Parks and Recreation faz muito bem, ainda mais porque acompanha o dia-a-dia de agentes políticos pequenos, como vereadores, juízes e os próprios cidadãos que sempre aparecem nos fóruns. A série mostra como, apesar de ser difícil e quase sempre muito torta, a política está em tudo e é feita por todos.

política em Parks and Recreation
Cena de Parks and Recreation | Imagem: Reprodução

Um jeito criativo de fazer comédia

Em suma, a série apresenta tantas nuances do gênero de comédia, que seu jeito de fazer comédia é uma característica em si. O uso da quebra da quarta parede, improviso, cidade pequena e referências à cultura pop?! Parks And Recreation parece ter criado uma fórmula mágica de como fazer uma boa série de comédia.

Outras séries desse gênero que nasceram nesse mesmo ano – 2009 –  também tentaram utilizar de pelo menos um desses recursos, dentre elas, Community e Modern Family. Mas, provavelmente, nenhuma delas trouxe tanta coisa em uma só quanto essa.

“O tempo voa, meus queridos pawneenses. Aproveitem enquanto vocês podem. Recentemente tive a honra de passar uma tarde com todos os ex-diretores do departamento de Parques e eles me ensinaram uma importante lição: Não existe nada mais importante do que a amizade.”
Leslie Knope e Ann Perkins em Parks and Recreation
Leslie Knope (Amy Poehler) e Ann Perkins (Rashida Jones) em Parks and Recreation | Imagem: Reprodução

Em conclusão, Parks And Recreation apresenta a sólida relação de amizade e família entre os personagens que faltou em The Office. Apresenta um início, meio e final razoavelmente dignos, como Community não teve a sorte de ter. Tem o uso da quebra da quarta parede aproveitada como nunca foi em Modern Family.

Assim como essas séries tiveram sua chance, Parks And Recreation merece a sua, sem ser ofuscada pelo sucesso de The Office, pelo estouro de Brooklyn Nine-Nine ou pelo milagroso investimento de The Good Place. A série tem um jeito único de fazer comédia e entrar no coração das pessoas. Ademais, por ser uma série desajeitada sobre desajeitados, é difícil não sentir um carinho especial por ela.

Todas as temporadas de Parks and Recreation estão disponíveis na Amazon Prime.


Compartilhe

Written by:

Elisa Silveira é uma estudante de Meio Ambiente apaixonada por muitas coisas, como Doctor Who, séries de comédia e literatura. Na maior parte do tempo está estudando ou escrevendo coisas; no tempo livre, sonha com mundos fantásticos.
View All Posts
Follow Me :