Cinco séries para maratonar na HBO Max

Cinco séries para maratonar na HBO Max

Compartilhe

A nova plataforma de streaming da HBO chegou ao Brasil há dois meses, após substituir a antiga HBO Go no país. Aguardada por tanto tempo, a HBO Max não decepciona na quantidade de títulos que oferece para além das próprias produções da empresa, variando filmes e séries de todos os gêneros e renovando seu catálogo com novos nomes mensalmente. 

Para além dos grandes títulos de séries existentes na HBO Max, como Game of Thrones, Friends, Mad Men e Big Little Lies, a lista abaixo foi organizada com cinco séries pouco conhecidas dignas de maratona em uma semana, aproveitando os sete dias grátis que a plataforma oferece para teste. Com alternações entre comédia, ficção científica, fantasia e true crime, as séries apresentam personagens marcantes e narrativas instigantes, perfeitas para horas de distração do mundo real. 

Leia também >> O que aprendemos com as personagens femininas de “Mad Men”

Barry

Bill Hader (Barry Berkman) | Imagem: HBO Max (reprodução)

Barry teve sua estreia na HBO em 2018, criada por Alec Berg e Bill Hader. O nome da série é derivado do personagem principal, Barry Berkman (Bill Hader), um assassino de aluguel que começa a questionar seu propósito de vida.

Ao se mudar para Los Angeles por conta de um trabalho de assassinato que acaba falhando, Barry encontra uma nova forma de se encaixar na sociedade e se conectar com as pessoas: por meio da atuação em um grupo de teatro local, onde ele encontra o equivalente mais próximo de uma família. 

Com atuações impecáveis de Bill Hader e Henry Winkler (Gene Cousineau), que conquistaram três Emmys por seus papéis, assim como a personagem Sally Reed de Sarah Goldberg, a típica jovem com o sonho de se tornar atriz que se muda para a grande Los Angeles com o intuito de realizá-lo, a série é construída de modo a mesclar comédia e drama, mostrando como um personagem complicado e sombrio também lida com problemas existenciais, buscando, assim como a maior parte de nós, o seu lugar na sociedade e seu propósito com a mesma, sem em nenhum momento romantizar a violência da qual o ser humano é capaz. 

Leia também >> Versões de um assassinato em “Elize Matsunaga: Era Uma Vez um Crime”

Além disso, Alec Berg e Bill Hader são grandes conhecedores de cinema e televisão. A narrativa da série brinca constantemente com as regras do universo cinematográfico, criando momentos únicos no enredo, além das inúmeras referências que os fãs de cinema vão se divertir encontrando ao longo dos episódios.

A terceira temporada começou a ser filmada em agosto de 2021, ainda sem previsão de estreia, portanto, há tempo de sobra para assistir as duas primeiras temporadas enquanto aguardamos o lançamento da terceira parte da série.  

Eu Terei Sumido na Escuridão

Eu Terei Sumido na Escuridão
Eu Terei Sumido na Escuridão | Imagem: HBO (reprodução)

Eu Terei Sumido na Escuridão é uma minissérie de true crime originária do livro de mesmo nome da escritora Michelle McNamara (edição em português pela Editora Vestígio, 2018). McNamara era autora de um conhecido blog intitulado True Crime Diary, onde escrevia sobre os crimes ocorridos na Califórnia entre os anos 1970 e 1980 do culpado desconhecido denominado “Original Night Stalker” ou “East Area Rapist”. Após uma revista se interessar pelo blog da autora, ela começa a investigar de verdade os crimes sem solução até o momento. 

A série conta a trajetória de Michelle investigando os crimes, com entrevistas que ela concedeu e leituras dos textos que escreveu tanto para seu blog pessoal como no livro. A série retrata como a investigação dos crimes era algo que transcendia o campo da obsessão para McNamara. Portanto, descobrir algo que pudesse ajudar a solucionar os casos ou dar algum tipo de conclusão para as vítimas se tornou essencial para a autora.

Leia também >> “Loki” e o propósito dos rejeitados

O marido de Michelle, Patton Oswalt (Ratatouille, Procura-se um Amigo Para o Fim do Mundo) expressa o sentimento em uma das entrevistas concedidas ao documentário, afirmando que “Ela [Michelle] via isso de forma otimista, pessoas juntando as peças tentando ter um desfecho, tentando dar um sentido à violência e ao desespero”. 

Eu Terei Sumido na Escuridão é uma excelente série documental para os fãs de true crime e até para aqueles que não são fãs de crimes reais. Retrata em detalhe a investigação de uma mulher dedicada a solucionar crimes antigos e humanizar as vítimas, por meio de entrevistas onde as pessoas podem contar suas próprias histórias, suas versões dos acontecimentos de seus passados, em busca de aceitação e superação de traumas. 

The Nevers

The Nevers é uma das grandes estreias do catálogo da HBO em 2021. Apesar de não ter passado por uma extensa divulgação como outras notáveis estreias da temporada (Mare of Eastown e The White Lotus) a série é uma excelente indicação para os fãs de fantasia histórica e ficção científica.

A série se passa no final da era Vitoriana na Inglaterra, seguindo um grupo de mulheres que, após testemunharem um fenômeno inexplicável, desenvolvem habilidades especiais. Denominadas pela sociedade como “Tocadas”, elas se juntam em uma espécie de orfanato onde criam novos laços pessoais entre si, já que a sociedade passa a designá-las como estranhas, alguns indivíduos afirmando que são perigosas e deveriam ser controladas. 

Leia também >> Mare of Easttown: crime, mulheres sobrecarregadas e saúde mental

Amalia True (Laura Donnelly) é a responsável pelo orfanato, ela se vê na posição de ter que impedir a jovem Maladie (Amy Manson), uma Tocada que começa a matar homens de importância na política, para provar seu ponto de desprezo contra a elite vitoriana, causando ainda mais revolta por parte da população em relação aos Tocados. 

Com doze episódios programados, apenas seis exibidos pela HBO até o momento, a série, que possui uma instigante narrativa desenvolvendo personagens complexos e questionando a visão de mundo de cada um deles constantemente, ainda não possui previsão de volta – tempo suficiente para uma maratona dos primeiros episódios enquanto aguardamos o retorno de personagens tão queridas. 

Wellington Paranormal

HBO Max
Wellington Paranormal | Imagem: TVNZ2 (reprodução)

Wellington Paranormal chegou ao catálogo da HBO Max no mês de agosto, um perfeito agrado para os fãs de enredos sobrenaturais e de comédia. A série, que conta com três temporadas, todas no streaming da HBO, é um spin off do filme O Que Fazemos nas Sombras (What We Do In The Shadows, 2014) que conta o dia a dia de três vampiros que moram na Nova Zelândia, no estilo de mockumentary que já conhecemos pelos grandes nomes como The Office e Parks and Recreation.

Ao longo da série observamos os policiais Kyle Minogue (Mike Minogue) e O’Leary (Karen O’Leary) em seus dias de trabalho em Wellington, no mesmo estilo de mockumentary. Os atores reprisam seus papéis no filme concebido por Jemaine Clement e Taika Waititi, que também assinam a criação da série. 

As fãs das narrativas paranormais vão gostar da série, pois a espectadora logo descobre que Minogue e O’Leary serão realocados pelo sargento Ruawai Maaka (Maaka Pohatu) para uma nova parte do departamento policial, a sessão de investigação de crimes sobrenaturais. Portanto, para além da simples narrativa de acompanhar o cotidiano de policiais, a espectadora encontrará uma dupla de investigadores cativantes e completamente despreparados para lidar com os casos envolvendo o sobrenatural, ocasionando em situações de comédia de grande nível. 

Veep

Veep
Veep | Imagem: HBO Max (reprodução)

Veep é uma série mais antiga no catálogo da HBO Max. Com estreia em 2012 e sete temporadas, a série retrata a vida da primeira vice-presidente dos Estados Unidos, Selina Meyer (Julia Louis-Dreyfus), assim como toda sua equipe de assessoria. Não se classifica no quesito de série pouco conhecida ou pequena, ganhando dois Emmys de melhor série de comédia e cinco Emmys de melhor atriz em série de comédia para Julia Louis-Dreyfus, porém a recomendação vale a pena: poucas séries conseguiram retratar – e criticar – a política norte-americana como Veep.

Ao seguir a vida de Selina, a espectadora é introduzida nas problemáticas com as quais ela precisa lidar. Além do sexismo diário por ser a primeira vice-presidente, a maior parte dos envolvidos no governo se mostram incompetentes para seus trabalhos, alguns até corruptos, colocando Selina na posição de resolver crises internas constantemente, não conseguindo, assim, exercer seu papel de vice-presidente de forma completa.

Leia também >> A importância de existir personagens divorciadas na ficção

O roteiro da série apresenta uma narrativa de comédia carregada de sarcasmo, com personagens que beiram o nível do detestável, mas ainda assim extremamente humanos. As referências à políticas atuais são constantes, contribuindo para que o tom sarcástico auxilie na crítica da sociedade norte-americana. Os sucessivos empecilhos com os quais Selina precisa lidar não se tornam monótonos em momento nenhum, um ponto extremamente positivo que deixa a série fluída e divertida do começo ao fim.

Veep é uma série única que consegue representar o caos da política de uma forma divertida, sem perder de vista o próprio papel político de manifestação de absurdos sociais. Apesar de ter estreado há quase dez anos, ainda se mostra uma série atual e necessária, uma escolha ideal para um momento catártico de diversão em meio à desordem política que testemunhamos atualmente.


Edição e revisão por Isabelle Simões.


Compartilhe

Written by:

4 Posts

Historiadora e Pesquisadora de Cinema. Fã de horror, filmes, livros, hóquei e de um pug chamado Batata. Sempre pode ser encontrada com café.
View All Posts
Follow Me :