Mulheres nos Quadrinhos: Maria Laura Sanapo

Mulheres nos Quadrinhos: Maria Laura Sanapo

Ilustração de mulheres fortes e sensuais marcam a trajetória do recente ingresso da promissora ilustradora italiana Maria Laura Sanapo na indústria quadrinística. Mulher-Maravilha (2015), Vampirella (2018-2019), Red Sonja (2019-) e Barbarella (2018) são algumas das personagens ilustradas pela artista. Seus trabalhos revelam a força de sua imaginação artística, além da dedicação e da paixão pela arte dos quadrinhos.

Maria Laura Sanapo nasceu em Castiglion del Lago, Itália. Atualmente, vive em Cortona, província de Arezzo, na Toscana.  Na sua bio lemos que quando criança adorava ouvir música e ilustrar super-heróis. Como ainda não dominava técnicas de ilustração, divertia-se fazendo reproduções a partir de outras produções. Na adolescência, o seu interesse por línguas estrangeiras se destacou. No ensino médio, estudou inglês, espanhol e alemão. A habilidade com as línguas a levou para a universidade.

Red Sonja e Vampirella por Maria Laura Sanapo
Reprodução: Red Sonja e Vampirella

Sanapo graduou-se em línguas estrangeiras pela Universidade de Siena e posteriormente frequentou por dois anos a Scuola Internazionale di Comics, em Florença. Mais tarde, conheceu o ilustrador Marco Santucci (1974) que se tornou seu marido e uma importante influência em sua trajetória formativa.

Em virtude da sua fluência em línguas estrangeiras, Laura passou a acompanhar Marco como intérprete nos eventos quadrinísticos pelo mundo. Essa experiência a ajudou a se familiarizar com o mercado e, o mais importante, estimulou o cultivo de seus talentos como ilustradora.

Leia também:
>> Mulheres nos Quadrinhos: Kelly Thompson
>> 8 ilustradoras e quadrinistas do norte brasileiro que você precisa conhecer

O marco do início da sua carreira como ilustradora foi quando participou de uma exposição no WOW Spazio Fumetto, um museu dos quadrinhos, em 2012. Em 2013, seu primeiro trabalho foi publicado pela editora Ed Inkiostro. No ano seguinte, ilustrou para Big Dog Ink o título Ursa Minor.

Em 2015, Sanapo ilustrou para DC Comics pela primeira vez – sua contribuição foi para a série em quadrinhos Bombshells, termo utilizado para se referir às mulheres atraentes. Nela, ilustrou personagens marcantes como Mulher-Maravilha, Supergirl, Stargirl, Zatanna e Meera.

Ainda no ano de 2015, trabalhou como arte-finalista em Titan Comics, O gato de botas e Os Pinguins de Madagascar, todos os três títulos ilustrados por Egle Bartolini. Para Valiant Comics, ela foi arte-finalista de trabalhos como Warlord of Mars e Archer & Armstrong, ambos ilustrados por Emanuela Lupacchino.

Além de outros trabalhos, destacamos aqui a ilustração da capa de Faith, da Valiant Comics, e as ilustrações realizadas para Dynamite, tais como Sheena, rainha das selvas (2017-2018), Vampirella Valentine’s Day Special (2018- 2019) e Red Sonja and Vampirella meet Betty and Veronica #1-12 (2019).

Capa de "Faith" por Maria Laura Sanapo
Faith #3 Capa B – Reprodução

A Miss Fury de Maria Laura Sanapo

Maria Laura Sanapo também atua como professora de ilustração na The Kubert School, escola de arte com sede nos EUA, e na Scuola Internazionale di Comics, em Florença, Itália. No campo da ilustração de quadrinhos, Sanapo, ao lado de Billy Tucci, está envolvida no projeto de retomada de Miss Fury (1941-1952), Mulher Pantera em português, a primeira super-heroína de autoria de uma mulher, sendo sua autora e ilustradora June Tarpé Mills (1918-1988).

O projeto Miss Fury se trata de uma proposta de retomada da referida produção quadrinística que obteve grande sucesso na década de 1940. A história em quadrinhos será publicada no formato graphic novel com o selo Dynamite Comics e está sendo vendida pela Indiegogo, site de financiamento coletivo. Estão envolvidos no projeto Billy Tucci, como roteirista, Ceci de la Cruz, como colorista, e Maria Laura Sanapo, como ilustradora.  

 Mrla Drake/Miss Fury de MLS
Reprodução: Mrla Drake/Miss Fury de MLS

Assim como Tarpé Mills fez no passado, Maria Laura Sanapo vem chamando a atenção da indústria quadrinística por ilustrar mulheres que são, ao mesmo tempo, fortes e supersensuais. Em entrevista concedida à Deanna Destito, Sanapo afirma que o que mais atrai sua atenção no processo de ilustração de Miss Fury é a combinação de força e feminilidade:

“Acho que o que mais me atrai é a combinação entre força e feminilidade e é exatamente isso que a Marla Drake/Miss Fury encarna. Gosto de ver algo além de um rosto bonito. Gosto de dar personalidade às mulheres que desenho.

Há muito mais do que um corpo perfeitamente desenhado. Existem expressões, emoções, intenções e esta é uma forma de se comunicar com o leitor. Pensar que ‘feminino’ e ‘força’ não estão correlacionados é ultrapassado. A força está muito ligada à autoestima, ao orgulho que você tem de ser mulher.”

(SANAPO, The beat)

A representação feminina supersensual, que acontece especialmente no gênero super-herói, é ambígua. Se por um lado podemos alegar que ela contribui para a perpetuação de estereótipos que normalizam o lugar social de inferioridade/objeto da mulher, por outro, como bem colocam Elizabeth Behm-Morawitz e Hillary Pennell, esse tipo de representação também pode ser construído para promover autonomia e autoafirmação, evidenciando um certo desdém pela também costumeira forma de representar o recato feminino.

Neste sentido, as mulheres artistas, a partir de sutis mecanismos de resistências ou mesmo de apropriações transgressoras da ilustração dos corpos femininos, passam a contribuir gradativamente para a descentralização dos estereótipos. Isto é, em tese, as mulheres artistas primeiramente retiram das mãos dos homens o privilégio exclusivo sobre o direito de faturar com a sensualização e objetificação dos corpos femininos e, posteriormente – em maior grau nas produções independentes e em grau muito menor nas produções mainstream -, abrem espaço para a transgressão das ilustrações.

Miss Fury 2021 por Maria Laura Sanapo
Reprodução: Miss Fury 2021

Vale lembrar que as produções mainstream são produtos das grandes editoras que procuram atender à demanda das massas. Visando o máximo de lucro, a indústria quadrinística, neste sentido, excetuando louváveis tentativas, não tem interesse em “se arriscar” com produções que podem provocar o desinteresse ou a diminuição do consumo do público sobre seus produtos. Portanto, embora seja bastante questionável, as grandes editoras continuam a repetir os padrões que já se encontram “aceitos” e consumíveis.

Leia também:
>> Lady Killer: bela, recatada, do lar e assassina em série!
>> Mulheres nos Quadrinhos: Joëlle Jones

Os debates sobre representações dos corpos femininos nos quadrinhos, especialmente no interior do gênero super-herói, podem estar muito longe de acabar. Mas, considerando os vários desafios que existem para que mulheres quadrinistas se firmem no mercado quadrinístico, é de celebrar as conquistas alcançadas pelas mulheres quadrinistas/ilustradoras. E é também por este motivo que notabilizamos a gradativa ascensão da talentosa Maria Laura Sanapo!

Para se inteirar da discussão proposta por Elizabeth Behm-Morawitz e Hillary Pennell leia The Effects of Superhero Sagas on Our Gendered Selves (2013).


Edição, revisão e arte em destaque por Isabelle Simões.

Autora:

Jaqueline Cunha é Pesquisadora de Histórias em Quadrinhos de autoria feminina, Mestra em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Goiás, graduada em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual de Goiás e membro da Associação de Pesquisadores de Arte Sequencial (ASPAS). Jaqueline também se interessa por temas relacionados a Literatura, cinema e estudos acerca dos feminismos, identidades de gênero e sexualidade.
Todos os textos
Follow Me :