Suk Suk – Um Amor em Segredo: terno romance entre homens mais velhos

Suk Suk – Um Amor em Segredo: terno romance entre homens mais velhos

Suk Suk, o novo filme do diretor Ray Yeung, traz um breve retrato da vida de dois homens idosos em Hong Kong.

Pak (Tai Bo) é um taxista que não quer se aposentar. Ele vive com a esposa, que é dona de casa, e sua filha está prestes a casar. Vivendo a vida inteira para o trabalho e para a família, recentemente ele começou a buscar relacionamentos casuais e breves com outros homens gays, como modo de viver minimamente seus desejos sempre reprimidos, mesmo que seja às escondidas.

Pak com sua família tradicional | Imagem: reprodução

Já Hoi (Ben Yuen) é um pai solteiro aposentado, que vive com seu filho adulto, a nora e a neta. Apesar de mais envolvido com a comunidade LGBTQIA+ da cidade, ele também esconde sua orientação sexual da família, principalmente temendo a reprovação de seu filho conservador. Ao contrário de Pak, Hoi busca um relacionamento mais profundo com alguém.

Hoi procura por um relacionamento mais profundo | Imagem: reprodução

A trama de Suk Suk – Um Amor em Segredo aposta num retrato do cotidiano

Quando os dois se conhecem casualmente numa praça, começa a desabrochar um singelo romance. O filme desenvolve esse relacionamento aos poucos, entrelaçando com cenas do cotidiano dos dois homens.

Pak e Hoi em Suk Suk - Um Amor em Segredo
Pak e Hoi se conhecem em uma praça em Hong Kong | Imagem: reprodução

O ritmo é bastante uniforme, conferindo um tom sóbrio que nunca entra no melodrama, embora a situação envolva um grande dilema: em um certo ponto, os dois começam a se perguntar se deveriam tomar coragem para assumirem sua relação e viverem juntos, já que pode ser sua última chance de fazê-lo. Porém, toda uma vida dedicada a construir uma família tradicional também parece ser muita coisa para simplesmente abandonar.

Gerações tiveram diferentes experiências da vida LGBTQIA

Por meio do grupo LGBTQIA+ que Hoi participa, podemos ter noção das diferentes experiências que as gerações vivenciaram. Os mais velhos não puderam usufruir dos valores mais progressistas que os jovens hoje dispõem em Hong Kong, portanto ainda vivem com muito medo de sair do armário.

Em um momento, o grupo discute a criação de um asilo LGBTQIA+ para que os idosos possam finalmente se sentir a vontade uns com os outros. Enquanto alguns membros do grupo adoram a ideia, outros têm receio de que isso faça suas famílias conservadoras descobrirem sua orientação, o que trará tristes consequências sociais.

Hoi e Pak passeiam por um mercado em Suk Suk – Um Amor em Segredo | Imagem: reprodução

Ternura e simplicidade são o ponto chave do filme

Suk Suk (que significa “tios” em cantonês) aposta na ternura e simplicidade para narrar essa história. Inclusive nas cenas de sexo, o que é enfatizado é sempre o toque, os olhares, o afeto entre os personagens. Apesar de economizar no drama e também não se preocupar em dar um desfecho ao conflito (pois o importante é o dilema em si), o diretor Ray Yeung faz esse retrato da vida de dois homens um filme muito proveitoso de se assistir.

Pak e Hoi caminham pela praça onde se conheceram | Imagem: reprodução

Suk Suk – Um Amor em Segredo estreia nos cinemas brasileiros no dia 9 de setembro.

Escrito por:

80 Textos

Cineasta, musicista e apaixonada por astronomia. Formada em Audiovisual, faz de tudo um pouco no cinema, mas sua paixão é direção de atores. Vocalista da banda Noite e compositora nas horas vagas. Também escreve sobre cinema em seu site Cine Medusa.
Todos os textos
Follow Me :