O curta futurista “Vozes de Uma Estrela Distante”, de Makoto Shinkai

Compartilhe

Vozes de Uma Estrela Distante é uma animação japonesa de 2002 com 25 minutos de duração. É dirigida, escrita e co-produzida por Makoto Shinkai.

Dono de uma luz única e de uma filmografia com mais de dez filmes, além de comerciais, games, livros e mangás, Makoto Shinkai tem sido chamado de “o novo Miyakazi”, título ao qual considera exagerado. Já falamos sobre as obras do diretor anteriormente aqui.

O filme é uma ficção científica que se inicia em 2047, e conta sobre um relacionamento entre dois estudantes – Mikako Nagamine e Noboru Terao – em um típico cenário de escola em uma metrópole.  

Aliás, os cenários e a direção de arte são um assunto à parte. Talvez por Shinkai se utilizar bastante de recurso fotográfico e de modelos 3D para suas referências, com sua perspectiva impecável e céus coloridíssimos, o filme nos enche os olhos com riqueza de detalhes que nos insere nesse contexto futurista, sem que sequer percebamos que estamos em outro planeta, em um outro tempo. Tudo é muito orgânico e natural à narrativa e ao visual do curta.

Vozes2

Em meio a cenas cotidianas (com direito à belas imagens sob a chuva), provas escolares e dúvidas sobre o futuro, Nagamine sonha com as estrelas, sonha em ser piloto de naves e descobrir “o mundo lá fora”, além de defender seu planeta dos alienígenas malvadões.

Os dois seguem vivendo suas vidas e partilhando sentimentos, até que ela é escolhida para ser parte da tripulação da força aérea e ele fica em solo.

E é aí que a história se apresenta de maneira mais interessante, é a garota que vai pilotar uma nave e enfrentar os perigos do espaço, ela é a protagonista que toma decisões. Acho interessante como na cultura japonesa, que podemos num primeiro momento julgar como machista, apresente tantas histórias com protagonistas femininas fortes. Temos muito que aprender ainda.

Enfim, os dois se separam e o que os une são os e-mails que trocam através de seus celulares.

Vozes3

O problema é que quanto mais Nagamine se afasta, mais tempo leva para que as mensagens cheguem até Noboru e vice-versa. Minutos se tornam horas, em pouco tempo dias viram meses, e antes do que eles imaginem já estão esperando anos por uma mensagem. Continuam se amando a distância, ou talvez amando aquele amor platônico de colegial.

Mas Nagamine não volta, e ela não abandona sua missão pelo seu amor. Ela fez uma escolha. Ela continua lutando.

O curta metragem está disponível no catálogo da Netflix, junto com outras obras do diretor.


Compartilhe

Autora