[LIVROS] Geekerela: Contos de fadas modernos, ou quase (resenha)

[LIVROS] Geekerela: Contos de fadas modernos, ou quase (resenha)

Compartilhe

O livro Geekerela, escrito pela autora Americana Ashley Poston, vem recontar a clássica história da Cinderela, mas agora com uma roupagem moderna e nerd. Como grande parte das pessoas sabe, a história original conta a história de uma menina criada pela sua madrasta, após a trágica morte de seu pai. Numa vida difícil em que é tratada como serviçal, é obrigada a conviver com suas duas irmãs postiças mimadas, até que depois de um extreme makeover feito por sua fada madrinha, encontra seu príncipe encantado, que a resgata da penosa vida para um casamento feliz. Como é de se esperar desses contos, é muita coisa controversa em uma história só, então realmente não é uma tarefa fácil reescrevê-la com valores atuais e equilibrados.

Sinopse

“Quando Elle Wittimer, nerd de carteirinha, descobre que sua série favorita vai ganhar uma refilmagem hollywoodiana, ela fica dividida. Antes de seu pai morrer, ele transmitiu à filha sua paixão pelo clássico de ficção científica, e agora ela não quer que suas lembranças sejam arruinadas por astros pop e fãs que nunca tinham ouvido falar da série. Mas a produção do filme anunciou um concurso de cosplay numa famosa convenção valendo um convite para um baile com o ator principal, e Elle não consegue resistir. Na Abóbora Mágica, o food truck vegano onde trabalha, ela encontra a ajuda de uma amiga cheia de talentos para moda que vai criar o traje perfeito para a ocasião. Afinal, o concurso é a chance de Elle se livrar das tarefas domésticas impostas pela terrível madrasta e das irmãs postiças malvadas.

Já Darien Freeman, o astro adolescente escalado para ser o protagonista do filme, não está nada ansioso para o evento, embora o papel seja seu grande sonho. Visto como só mais um rostinho bonito, o próprio Darien também está começando a achar que se tornou uma farsa. Até que, no baile, ele conhece uma menina que vai provar o contrário.

Esta releitura de Cinderela transporta para o universo nerd os principais elementos do clássico conto de fadas, fazendo uma verdadeira homenagem a todos aqueles que sabem o que é ser fã e se dedicar de coração àquilo que amam.”

Geekerela

Geekerela começa de maneira muito aproximada ao conto original, com uma pobre protagonista explorada pela Madrasta e recheada de picuinhas com as irmãs. Esse é sem dúvida um dos eixos principais de Cinderela, mas mesmo assim, é penoso rever a clássica rivalidade feminina permeando a história. Tudo começa com a tão batida oposição de mulheres fúteis e sem criatividade contra as moças nerds e incompreendidas, e com essa apresentação arrastada, demora uns bons capítulos para o livro começar a se desenvolver. A história é contada pela perspectiva de nossa Cinderela Elle e o Galã Darien, que vivem dilemas clássicos da adolescência, embora em realidades muito diferentes.

A representação feminina em Geekerela

Elle é uma personagem solitária e com baixa autoestima, que encontra na escrita e em fóruns de discussão de Starfield o sossego para se sentir inclusa. Com uma visão bem pessimista do mundo, ela parece se apoiar somente nas memórias e gostos do falecido pai para a construção da própria identidade. Infelizmente os capítulos iniciais dela são cansativos e repetitivos, tornando-se um pouco mais interessante com o florescimento da amizade com Hera, sua colega de trabalho. Essa personagem se destaca muito, sendo uma moça cheia de individualidade, filha de mãe solteira e declaradamente lésbica, dando um fôlego extra para os capítulos da protagonista.

As partes com a visão de Darien acabam sendo bem mais interessantes, mostrando a vida difícil de ator, ainda mais em meio a adolescência. O personagem vive numa constante luta para atender as expectativas de todos e se entristece em não poder ser ele mesmo grande parte do tempo. É um personagem negro e isso não é apenas usado como fachada superficial de representatividade, mostrando por exemplo os ataques que ele recebe na redes socais e na mídia, que sempre questionam seu talento, como se a escolha fosse apenas por questões raciais. Em vários aspectos, ele parece uma personagem muito mais complexo e humano que Elle, que se atém a clichês de representação da nerd esquisitona, o que é triste de ver, já que o livro é de autoria feminina.

Geekerela

Geekerela

Pontos positivos e negativos da obra

Questões bem relevantes são tratadas em Geekerela, como bullying, homofobia, racismo e até mesmo é insinuado que houve um vídeo intimo de Elle com um crush babaca vazado nas redes, mas de maneira muito sutil. Ele fala em diversos momentos de machismo, como ao criticar o fato de a protagonista do filme ter que fazer cenas de ação sem deixar de ser sexy, ou mulheres sendo desmerecidas por não serem “fãs de verdade” em eventos nerds. Por outro lado, mantém a rivalidade feminina e peca em desenvolver as vilãs, que poderiam ser muito mais que mulheres más. A história até dá uma esperança de que elas poderiam ser aprofundadas, mas acaba por deixar o fio solto, tornando o final um pouco frustrante.

Um dos pontos mais discutíveis em Geekerela é que há uma troca de mensagens da protagonista com um cara misterioso, que naturalmente é seu príncipe, sem nenhum dos dois terem consciência da identidade do outro. Pode parecer uma coisa inocente e romântica no contexto da história, mas é um absurdo pensar que isso seria uma atitude sensata para qualquer um dos dois, que não sabem sequer o nome um do outro. Tendo em vista que é um livro para o público jovem, essa é uma mensagem perigosa de se passar, da forma que foi feita. Outra coisa que poderia ter ficado de fora é a clássica cena do príncipe resgatando a donzela em perigo. Não foram poucas as vezes que isso aconteceu e acabou tirando a força da protagonista, que poderia ter ali seu momento de crescimento pessoal.

Leia Também:

[LIVROS] O Livro do Juízo Final: viagem no tempo e a posição histórica da mulher (Resenha)
[LIVROS] As Boas Mulheres da China: As vozes ocultas das mulheres chinesas (Resenha)
[LIVROS] Kindred – Laços de sangue: Nem todas as viagens no tempo são iguais (Resenha)

Conclusão

Apesar de tudo, Geekerela é um livro leve e que deve se dar muito bem com o perfil adolescente, mesmo com a lentidão de desenvolvimento da história. Ele é equilibrado em pontos positivos e negativos, o que leva a pensar que há um longo caminho para publicações que tentam recontar os clássicos contos de fadas. A autora é nerd assumida e parece preocupada com questões de representatividade e machismo na área, então esperamos que suas futuras obras possam quebrar definitivamente esse antigos clichês presentes na literatura.


Geekerela

Geekerela

Autora: Ashley Poston

384 páginas

Intrinseca

Se interessou pelo livro? Compre aqui!

Comprando através do link acima, você ajuda a manter o Delirium Nerd no ar, além de ganhar nossa eterna gratidão por apreciar e apoiar o nosso trabalho! 


Compartilhe

Written by:

29 Posts

Designer, ilustradora, professora, gateira, leitora compulsiva de quadrinhos, louca dos projetos pessoais – quando sobra tempo, dorme.
View All Posts
Follow Me :