Tudo que Quero: autismo e mulheres sobrecarregadas

Tudo que Quero: autismo e mulheres sobrecarregadas

Dakota Fanning (“The Runaways”, “Saga Crepúsculo”, “Pastoral Americana”) dá vida à corajosa e determinada Wendy de “Tudo que Quero”, um filme de Ben Lewin, que estreia hoje (26/04) nos cinemas. [Não contém spoilers]

Wendy é uma jovem corajosa e brilhante que, apesar do autismo¹, encara o grande desafio de enfrentar seus limites para participar de um concurso de roteiros para um novo episódio de Star Trek², promovido pela Paramont Pictures, em Los Angeles.

A garota vive em uma espécie de casa de acolhimento para jovens autistas, e é acompanhada de perto pela cuidadora/tutora e psicóloga, Scottie (Toni Collette). Com a ajuda e apoio de Scottie, Wendy consegue se comunicar, aprende a controlar seus acessos de raiva, e desenvolve algumas habilidades que permitem que a jovem tenha autonomia para viver uma vida bem adaptada, trabalhando e se dedicando à escrita.

Wendy tem uma irmã mais velha – Audrey (Alice Eve) – que ficou responsável pelos seus cuidados quando sua mãe morreu. Porém, tudo muda quando Audrey se casa e tem uma bebê, pois ela não consegue mais se dedicar aos cuidados da irmã integralmente. Cansada e sobrecarregada, Audrey deixa Wendy sob os cuidados de Scottie. A separação das irmãs deixa um vazio e uma tristeza em ambas (as irmãs) e precipita uma crise entre elas.

Tudo que Quero

A maior habilidade de Wendy é sua memória, porém, para organizar sua rotina, necessita de listas para que consiga cumprir todas as tarefas de seu dia. Seu maior desafio é socializar com outras pessoas, pois uma de suas características é a dificuldade em compreender e detectar as emoções, tanto as suas quanto as dos outros. Além de escrever, outra coisa que Wendy gosta de fazer é assistir à série Star Trek.

A série desperta em Wendy a sensação de fazer parte de uma pequena sociedade, onde ela se sente aceita e confortável. Nessa versão fantástica de nosso mundo (que ela criou), a garota consegue se comunicar e se sentir conectada aos outros seres com quem se relaciona e que habitam a Enterprise. Portanto, a escrita e a série funcionam como uma terapia onde ela contextualiza relações e emoções que na vida real não consegue lidar ainda.

Apesar do filme trazer como narrativa central os desafios de Wendy e sua relação com o autismo, Tudo que Quero toca na questão da quantidade de papéis que as mulheres exercem e a grande cobrança que sofrem da sociedade e de si mesmas, para que deem conta de todas as atribuições que lhe são impostas, no percurso de suas vidas.

Leia também:
>> [CINEMA] Evolução: uma distopia feminina
>> [CINEMA] Submersão: o mundo que não conhecemos
>> [CINEMA] Always Shine: Sobre competição feminina e a “mulher que temos que ser”

Tudo que Quero

No filme, tanto Scottie (a psicóloga) quanto Audrey (a irmã de Wendy) sofrem com a pressão de precisarem cuidar de seus filhos, da casa e ainda trabalharem. São mulheres sobrecarregadas, que vivem sob grande estresse, sentindo-se angustiadas, frustradas e no limite de suas energias. Somando-se as três histórias, temos um belíssimo e delicado filme que fala de superação, crescimento e mudanças.

De uma forma inusitada, Tudo que Quero nos faz pensar nas quantidades de histórias de contos de fadas cujo verdadeiro significado é o processo iniciatório de suas personagens. Wendy atravessa o outro lado da rua e se joga num mundo estranho e sem sentido, para que possa descobrir quem é e passar pelo grande desafio de crescer, rumo ao desconhecido, iniciando sua vida adulta.

Não deixem de assistir Tudo que Quero! O filme está em cartaz nos cinemas. Confira o trailer abaixo:

¹ Segundo o Manual de Saúde Mental – DSM-5, que é um guia de classificação diagnóstica, o Autismo e todos os distúrbios, incluindo o transtorno autista, o transtorno desintegrativo da infância, o transtorno generalizado do desenvolvimento não-especificado (PDD-NOS) e a Síndrome de Asperger, fundiram-se em um único diagnóstico chamado Transtornos do Espectro Autista – TEA.

O TEA é condição geral para um grupo de desordens complexas do desenvolvimento do cérebro, antes, durante ou logo após o nascimento. Esses distúrbios se caracterizam pela dificuldade na comunicação social e por comportamentos repetitivos. Embora todas as pessoas com TEA partilhem essas dificuldades, o seu estado irá afetá-las com intensidades diferentes. Assim, essas diferenças podem existir desde o nascimento e serem óbvias para todos ou podem ser mais sutis e tornarem-se mais visíveis ao longo do desenvolvimento.

O dia 02 de abril – Dia do Autismo – foi criado para conscientizar acerca da questão do autismo e sua cor símbolo é o Azul.

² Star Trek – série cult dos anos 60 que, apesar de suas idas e vindas, fez sucesso na televisão e na telona. A série conta as aventuras da nave estelar USS Enterprise em sua missão de cinco anos “para audaciosamente ir onde nenhum homem jamais esteve”. A série tinha em seu elenco William Shatner como o Capitão James T. Kirk e Leonard Nimoy como Spock. Star Trek formou seguidores aficionados pela série que se autodenominam Trekkies, falam sua própria língua, usam roupas como os tripulantes da nave (cosplay) e se reúnem em convenções pelo mundo.

Escrito por:

41 Textos

Mulher, mãe, profissional e devoradora de filmes. Graduada em Psicologia pela Universidade Metodista de São Paulo, trabalhando com Gestão de Patrocínios e Parceiras. Geniosa por natureza e determinada por opção.
Todos os textos
Follow Me :