Pose: Representatividade e cultura drag (Primeiras Impressões)

Pose: Representatividade e cultura drag (Primeiras Impressões)

Criada por Ryan Murphy, Brad Falchuk e Steven Canals, Pose estreou este mês, nos levando crer que se tornará um grande marco televisivo. Ambientada nos anos 80, a série se propõe em trazer todos os altos e baixos, dessa época, para a comunidade LGBTQ+Música, dança, moda, o desejo e a busca para o tão cobiçado sonho americano… Mas nem tudo são flores se levarmos em consideração os protagonistas dessa história: mulheres trans e homens gays, majoritariamente negros e hispânicos.

Todos esses saudosos aspectos são confrontados com a realidade de tais personagens, gerando um grande contraste raramente demonstrado antes. Mesmo com a ascensão da taxa de mortalidade devido a drogas e a AIDS, com a não aceitação familiar sobre suas sexualidades e identidades, e ainda com suas dificuldades sociais e financeiras, elas continuam lutando e persistindo por vidas em melhores condições, com mais glamour e brilho.

“Desta vez são os marginalizados que nunca tiveram essa oportunidade, convertidos em novos heróis e heroínas.” 

– Ryan Murphy para o jornal “EL PAÍS”

E como fazem isso? Através dos desfiles performáticos de drag queensnos tão conhecidos bailes. Mas todo o esforço não se resume somente às passarelas. Por terem sido expulsos, em sua grande maioria, do seio familiar, os membros de cada grupo tornam-se verdadeiras famílias, contando com um ao outro para todo tipo de suporte.

Pose

Leia também:
>> [SÉRIES] American Crime Story – O Assassinato de Gianni Versace: Abandono, fama e homofobia
>> [SÉRIES] Dear White People – 2ª temporada: os pontos negativos no ativismo de minorias
>> [CINEMA] Entre-laços: Transgeneridade, homossexualidade, abandono afetivo e o cinema de Naoko Ogigami

É importante ainda ressaltar que além de trazer uma nova perspectiva para os glamorosos anos 80, Pose ainda conta com o maior elenco de protagonistas trans da história, são elas: MJ Rodriguez, Indya Moore, Dominique Jackson, Hailie Sahar e Angelica Ross. Além disso, conta com Janet Mock no roteiro, e suporte de diversas outras figuras importantes da cultura drag.

O cuidado com a estética também é algo de se admirar na produção, e que as fãs do Ryan Murphy já devem estar familiarizadas através de American Horror Story. Mas se engana quem acha que Pose se manterá somente nesses fatores. O personagem de Evan Peters – um funcionário fictício de Donald Trump – nos leva a crer que política também será um fator de importância no enredo.

Pose já se encontra no segundo episódio nos Estados Unidos, e definitivamente é uma série que acompanharemos assiduamente, por toda a sua relevância e protagonismo trans, bem como a proposta de Ryan de doar o lucro integral adquirido para organizações LGBTQ+.

Confira a seguir algumas imagens de divulgação pela Entertainment Weekly:

Assista ao trailer:

Escrito por:

36 Textos

“O senhor não imagina bem que eterna variação de gênio é aquela moça. Há dias em que se levanta meiga e alegre, outros em que toda ela é irritação e melancolia.” (Ressurreição, Machado de Assis). 20 anos, estudante de Engenharia e que prefere passar o dia vendo filmes do que com a maioria das pessoas.
Todos os textos
Follow Me :