Cassandra Peterson: o legado de Elvira e o poder feminino

Cassandra Peterson: o legado de Elvira e o poder feminino

A atriz Cassandra Peterson é conhecida mundialmente por interpretar Elvira, o ícone do Halloween e do cinema de horror, também conhecida como a Rainha das Trevas. Com seu visual icônico, composto por um vestido preto longo, maquiagem trevosa e um penteado que lembra uma colmeia, a personagem ganhou destaque por sua inteligência divertida, humor afiado e timing perfeito para piadas, tornando-se um fenômeno cultural.

Cassandra desenvolveu a personagem em 1981, quando foi escolhida para apresentar uma série no KHJ-TV, canal local de Los Angeles. Com a ajuda do maquiador Robert Redding, criou-se o famoso look. O programa, chamado Elvira’s Movie Macabre, apresentava filmes B de horror, interrompidos ocasionalmente por piadas ou comentários.

No entanto, o caminho até o estrelato não foi fácil, especialmente considerando o universo misógino e abusivo do show business em relação às mulheres.

Leia também >> A Bruxa: tornar-se uma mulher livre é, ainda, tornar-se bruxa

Cassandra Peterson
Cassandra Peterson/Elvira | Imagem: Reprodução

Cassandra Peterson nasceu em Manhattan, Kansas, que, conforme relata em sua autobiografia Yours Cruelly, Elvira, é conhecida como “a cidade que sempre dorme”. Ela cresceu em um ambiente desafiador, com um pai amável, uma mãe com atitudes abusivas e familiares difíceis.

Dessa forma, deixou sua casa cedo, aos 17 anos, tornando-se dançarina em Las Vegas. Aos 21, aventurou-se na Itália, figurando no filme Roma (1972) de Federico Fellini e, em seguida, integrou uma banda de bossa nova.

Ao retornar aos EUA, estabeleceu-se em Los Angeles, dedicando-se ao estudo de atuação. Entre testes de elenco, Cassandra enfrentou assédios, incluindo agressões sexuais. Sua autobiografia revela a sinceridade sobre a falta de recursos e o temor ao buscar oportunidades em uma indústria predominantemente masculina.

Leia também >> Explosão Feminista: Um ensaio sobre a pluralidade do feminismo brasileiro

Cassandra Peterson no filme Roma (1972), de Fellini
Cassandra no filme Roma (1972), de Fellini | Imagem: Reprodução

Aos 29 anos, um agente disse que ela já havia passado da idade, destacando a triste realidade de como a indústria descarta mulheres à medida que envelhecem. Isso persiste, exemplificado por casos como Anne Hathaway e Maggie Gyllenhaal, que perderam papéis ao atingirem os 30 anos.

Gyllenhaal, aos 37, foi considerada velha para interpretar a amante de um homem de 55, ilustrando a disparidade de tratamento em relação aos homens, como Harrison Ford, que aos 80 continua sendo Indiana Jones.

Aos 30 anos, Cassandra fez o teste que a transformaria em Elvira. A chamada era para uma personagem sexy e engraçada, à la Morticia Addams. Ignorando o roteiro, ela improvisou, conquistando os produtores e garantindo a vaga.

Surpreendentemente, Elvira foi um sucesso, atraindo fãs, incluindo celebridades como Vincent Price. Recebia inúmeras cartas diárias, tornando-se uma fantasia popular no Halloween. Elvira estrelou quadrinhos, lançou bonecas, modelos de carros e foi a primeira mulher a endossar uma cerveja. Em 1988, ganhou seu próprio filme.

Leia também >> Vampira: uma das personagens mais injustiçadas no cinema

Elvira com Vincent Price
Elvira com Vincent Price | Imagem: Reprodução.

Elvira: A Rainha das Trevas nos cinemas

Massacrado pela crítica no lançamento, o filme Elvira: A Rainha das Trevas (1988), de James Signorelli, hoje é um cult. No Brasil, é um clássico da Sessão da Tarde, conhecido pelas gerações dos anos 1990 e 2000. Cassandra Peterson estrela e coescreve o filme, considerando-o uma de suas conquistas de maior orgulho.

Na trama, Elvira tem seu programa de horror cancelado e, após assédio sexual do chefe, deixa a TV para criar seu show em Las Vegas, precisando de dinheiro. Ao descobrir que é herdeira de uma tia bruxa, enfrenta a cidade conservadora que a julga. Apesar da resistência, ela conquista admiradores e verdadeiras amizades com aqueles que não possuem uma visão limitada.

Leia também >> The Love Witch: o conceito misógino de amor

Elvira discutindo com uma moradora conservadora da cidade.
Elvira discutindo com uma moradora conservadora da cidade | Imagem: Reprodução.

Mas apesar de tudo, Elvira permanece confiante consigo mesma e nas suas escolhas. Ela é sexy e faz questão de não esconder isso. A personagem tem total consciência da imagem que representa e não se desculpa por conta disso.

Numa cena, adolescentes tentam espiar Elvira pela janela, com a intenção de vê-la sem roupa. Vestida com roupão confortável e máscara facial, ela os flagra, frustrando suas expectativas.

Além disso, ela brinca com o espectador, que espera uma cena mais reveladora: numa passagem do filme, a protagonista aparenta dormir sobre lençóis de seda, com cabelos perfeitamente arrumados e uma camisola preta sexy. No entanto, revela-se como parte de um sonho, onde Elvira está dormindo com uma camiseta velha e papel no cabelo para proteger o penteado.

Ela, assim como qualquer mulher, deveria poder usar o que bem entender sem inibições, sem ser alvo de espiadas ou assédio. O problema reside nas más intenções alheias, não nas escolhas de vestimenta das mulheres.

A narrativa reconhece que parte do público se assemelha aos garotos curiosos e prega uma peça neles. Embora pudesse ajustar-se para agradar moradores conservadores, Elvira recusa essa possibilidade.

Leia também >> Ana Carolina e sua Trilogia da Condição Feminina

Elvira com o cabelo enrolado no papel após acordar do pesadelo.
Elvira com o cabelo enrolado no papel após acordar do pesadelo | Imagem: Reprodução.

O filme como obra feminista

A recusa de Elvira diante do assédio é um tema constante no filme. No início, o novo dono da emissora sugere que ela deve se envolver com ele para manter o emprego, mas ela rejeita a proposta sem medo.

Em uma cena de boliche, ela enfrenta homens inconvenientes que a julgam pela aparência. Ao mostrar a casa a um corretor, ele tenta agarrá-la à força, mas Elvira o expulsa batendo nele, e afirma que a venda da casa não significa que ela esteja disponível.

Enfrentando assédio em uma cidade conservadora, Elvira responde com coragem, humor, sarcasmo e independência. Em todas essas situações, a protagonista não demonstra medo ou conformidade diante dos assediadores.

Elvira sempre se salva, não dependendo de um homem para resgatá-la. Mas isso não quer dizer que ela não esteja sexualmente interessada. Através de piadas de conteúdo sexual, de forma franca e autêntica, ela revela seu interesse, mas sem ceder à pressão forçada de muitos homens que encontra.

Leia também >> A Mentira: uma reflexão sobre a liberdade sexual feminina

Ao envolver-se com Bob (Daniel Greene), dono do cinema local, Elvira mostra interesse no rapaz bonito e de bom coração. A relação deles inverte estereótipos, com Bob sendo o ingênuo transformado por uma mulher que traz novas perspectivas e liberta-o de uma vida monótona e sem graça.

Elvira e Bob
Elvira e Bob | Imagem: Reprodução.

O filme desafia o clichê da jovem excêntrica em uma cidade pequena. Elvira não busca se encaixar; ela vive tranquila, priorizando sua própria felicidade sobre normas sociais que não a agradam. Ela dá mais valor a si do que ao julgamento alheio.

O filme em si, não é uma obra perfeita. A direção é bem convencional e alguns ângulos e enquadramentos não têm a melhor orientação. A iluminação em alguns momentos lembra a dos filmes B que Elvira apresentava em seu programa. Seria uma inspiração? Mas apesar disso, é uma obra autêntica, genuína e divertida, em diversos pontos, em especial por conta de sua protagonista.

O filme não é uma obra perfeita. A direção é convencional, com alguns ângulos e enquadramentos não totalmente precisos. A iluminação, em certos momentos, lembra a dos filmes B que Elvira apresentava em seu programa. Seria uma inspiração? Apesar dessas observações, a obra é autêntica, genuína e divertida, destacando-se, principalmente, pela protagonista.

Elvira como protagonista subversiva

Cassandra é lindíssima, mas o que mantém a atenção do público em Elvira ao longo dos mais de quarenta anos de existência da personagem vai além da aparência. A relevância reside no fato de que Elvira é quem deseja ser e toma decisões independentes.

Com trajes sedutores, maquiagem destacada, decote e comportamento considerado promíscuo, ela é a protagonista. Em muitos filmes de terror dos anos 1980, Elvira poderia ser objetificada e brutalmente assassinada, dada a moral da época que favorecia protagonistas com o estigma virginal. Nessa era conservadora do governo Reagan, as mulheres eram incentivadas a serem submissas e dóceis.

Elvira, no entanto, vai além de sua beleza, estabelecendo suas vontades e enfrentando a realidade para resolver seus problemas. Como dançarina de Las Vegas, é engraçada, inteligente e possui uma personalidade admirável, desafiando as regras convencionais sem hesitação.

Leia também >> GLOW: A luta pela liberdade de brilhar como mulher

Cena do filme Elvira: A Rainha das Trevas
Cena do filme Elvira: A Rainha das Trevas | Imagem: Reprodução

E por conta de tudo isso, Elvira é considerada um ícone feminista, defendendo que, independentemente de sua postura, seu corpo merece respeito. Sua influência feminista é evidente, destacando a importância da igualdade de gênero e repreendendo qualquer forma de discriminação.

A personalidade da personagem transcendeu o cinema, marcando presença em shows em Las Vegas e participações em programas de TV. Representando mulheres livres e independentes, lutando contra o preconceito, ela conquista sucesso entre o público feminino, que não necessariamente curte o cinema de horror, e se torna um ícone na comunidade LGBTQIA+.

Durante cerca de 19 anos, Cassandra manteve em segredo seu relacionamento com uma mulher devido ao medo da reação dos fãs e à pressão ligada à marca “Elvira”. Ela apresentava sua companheira apenas como assistente pessoal.

Cansada de esconder sua relação e buscando sinceridade, Cassandra revelou seu relacionamento com Teresa em sua autobiografia. Após a declaração, ela perdeu cerca de 11 mil seguidores nas redes sociais, mas ganhou 60 mil, sendo acolhida pelos verdadeiros fãs.

Leia também >> Gabriela Larocca: A relação entre o cinema de horror, questões de gênero e sexualidade

Cassandra Peterson em um de seus shows em Las Vegas.
Cassandra Peterson como Elvira em um de seus shows em Las Vegas | Imagem: Reprodução.

Apesar de Elvira: A Rainha das Trevas se enquadrar em estereótipos de uma mulher monstruosa (como bruxa) dentro de estigmas patriarcais, ela destaca-se como uma protagonista feminina pouco comum no cinema de horror dos anos 1980.

Com 36 anos de existência, o filme não adere totalmente ao feminismo contemporâneo, apresentando pontos problemáticos. No entanto, Cassandra Peterson esforça-se para modernizar sua personagem, incorporando valores feministas.

Elvira foi uma das primeiras a trazer representatividade ao gênero de horror, continuando a alinhar-se com as propostas do feminismo, que valoriza a sinceridade sobre nós mesmas, sem nos preocuparmos com o julgamento alheio. Assim, como ela, entendemos a importância de abraçar nossa singularidade.

Escrito por:

21 textos

Denise é bacharela em cinema e tem amor incondicional por tal arte. Pesquisa e escreve sobre feminismo e a representação das mulheres na área do audiovisual. É colecionadora de DVDs, fã da Audrey Hepburn, apaixonada por Rock n' Roll e cultura pop. Adora os agitos dos shows de rock, mas tem nas salas de cinema seu local de refúgio e aconchego.
Veja todos os textos
Follow Me :