16 filmes com protagonistas femininas disponíveis na Netflix!

16 filmes com protagonistas femininas disponíveis na Netflix!

Compartilhe

O Delirium Nerd listou para você, que não sabe mais o que assistir, 16 filmes (e um extra) com protagonistas femininas de diversos gêneros cinematográficos. Acompanhe a lista e encontre um novo longa de acordo com o que mais gosta – e todos estão disponíveis na Netflix!

The Girl on the Train

Emily Blunt em “A Garota no Trem” (Imagem: reprodução)

Emily Blunt estrela esse thriller baseado em obra homônima que acompanha a vida de uma alcoólatra recém-divorciada que não lida muito bem com a própria vida após a separação, caindo numa espiral depressiva, incapaz de manter um emprego ou lidar com a solidão. Pouco a pouco, vamos descobrindo mais sobre seu passado, o de seu marido e das pessoas que compõem o novo núcleo familiar, tanto do ex quanto da personagem principal. Este é um filme para aquelas que amaram “Gone Girl” (“Garota Exemplar”) e que amam um bom suspense psicológico e mulheres representadas de maneira excepcionalmente em suas falhas e vulnerabilidades. 

Gone Girl

Rosamund Pike em “Garota Exemplar” (Imagem: reprodução/Netflix)

Garota Exemplar“, título com o qual chegou ao Brasil, retrata o desaparecimento de Amy Dunne e a busca pelo seu paradeiro liderada por seu marido. A investigação toma rumos inesperados e quaisquer detalhes maiores podem configurar um belo spoiler! Dirigido por David Fincher, essa película é muito, muito conhecida pelo público e se você achou essa lista é muito provável que já tenha o visto; caso negativo, corra agora, não haverá arrependimento algum.

E se já assistiu, vale muito a repetição. Rosamund Pike carrega o filme do começo ao fim, enquanto Ben Affleck parece não conseguir chegar no mesmo nível, talvez porque este seja o filme da carreira dela e pelo qual foi indicada ao Oscar, Globo de Ouro e Critics Choice Awards, além de várias outras premiações no ano de 2015. 

Annihilation

Gina Rodriguez, Tessa Thompson, Tuva Novotny, Natalie Portman e Jennifer Jason Leigh em “Aniquilação” (Imagem: divulgação/Paramount Pictures/Netflix)

Outro filme extraído das páginas de um livro, “Annihilation” (“Aniquilação”) segue a trilogia de Jeff Vandermeer, que conta sobre a descoberta de uma área protegida pelo governo: quem vai lá explorar, nunca retorna, e quem consegue, sempre deixa uma parte de si para trás. O filme faz algumas modificações no material do livro, mas não fica aquém dele. É uma ficção científica bem elaborada, com protagonismo feminino em peso e um elenco notável: Natalie Portman é a protagonista e a equipe que lhe acompanha para a área desconhecida é composta por Tessa Mae Thompson, Jennifer Lason Leigh e Gina Rodriguez. Oscar Isaac faz o ex-marido de Portman, personagem pelo qual ela decide entrar nessa jornada. Quem gosta de elementos de ficção científica e reflexões sobre a humanidade e o que significa ser humano não pode perder esse filme.

RAW

Garance Marillier em “Raw” (Imagem: reprodução)

Não é para os de estômago fraco. “RAW” celebra o horror contando a história de Justine, uma estudante de veterinária que começa a mudar seu comportamento após o ingresso na faculdade. Ela se vê numa espiral canibalista e de vampirismo e a espectadora vai acompanhar o que acontece a partir de então. Além de protagonizado por uma mulher, também temos a direção de Julia Ducournau em seu filme de estreia que não parece ser uma estreia de modo algum, tamanha sua eficiência.

RAW” pode ser visto como um filme de horror gore ou metáfora sobre um dos períodos mais transformadores na vida de alguém – e apesar do tema canibalismo, o filme destoa da postura rudimentar que é normalmente agregada ao gênero; ainda assim, talvez seja melhor pular esse, caso se sinta mal fácil. Caso contrário, não pode deixar de ver! Um filme repleto de simbologia e bem competente.

Loja de Unicórnios

Brie Larson em “Loja de Unicórnios” (Imagem: divulgação/Netflix)

Brie Larson nos leva ao seu coming of age, mas para aqueles perto dos seus 30 anos: um drama com adições de romance mas cujo coração mora no cerne dramático mesmo. Idealizado e dirigido por Larson, ela também dá vida para a protagonista, uma mulher que é expulsa da Academia de Artes e precisa retornar para a casa dos pais, sentindo-se descrente na própria capacidade e sem rumo algum na vida.

A obra dialoga perfeitamente com os apaixonados por criação, amantes da escrita, das artes e do meio cultural, mas também paralela com qualquer um que tenha um sonho e foi derrubado pela vida. Vemos a saga da protagonista e sua vida indo do multi colorido ao cinza e para… Não dá pra dizer, pois serão spoilers! Também vemos a abordagem de temas como descobrir o amor, assédio em ambiente de trabalho, sexismo e reconectar com a própria família. Bem emocionante!

I Am Mother

Cena de “I Am Mother” (Imagem: divulgação/Netflix)

I Am Mother” é ambientado por figuras femininas e envolve elementos de tecnologia, humanidade, ciência e inteligência artificial. Tudo se mistura nesse cenário pós-apocalíptico onde ninguém tem nome. Note conforme for assistindo que a protagonista tem o nome de “Filha” e os outros personagens também levam alcunhas não personalizadas.

No resumo da Netflix, vemos que “a humanidade foi dizimada e o futuro recomeça com uma garota e um robô que ela chama de mãe”. A relação entre mãe e filha é abordada conforme vamos descobrindo mais sobre o universo, o que levou ao fim da sociedade como ela era e os modos de reconstrução. O total isolamento funciona pois as atrizes principais, Clara Rugaard-Larsen e Hilary Swank, conseguem prender muita atenção – os minutos vão se passando e você mal percebe!

A Gente Se Vê Ontem

Eden Duncan Smith e Danté Crichlow em cena de “A Gente Se Vê Ontem” (Imagem: divulgação/Netflix)

Produzido por Spike Lee e dirigido por Stefon Bristol, dois pré-adolescentes de inteligência super aguçada tentam provar que viagem no tempo é possível: eles sucedem, mas a princípio, o avanço é pouco – eles conseguem voltar apenas 24 horas. A história se desenrola de fato quando o irmão da protagonista acaba sendo morto por dois policiais brancos e ela convence seu amigo a voltar no tempo para tentar salvar o ente amado. Ambos embarcam nessa jornada mesmo cientes de que mudar os acontecimentos pode acabar afetando o presente de modo inesperado.

Durante o longa, vemos diversas tentativas frustradas da dupla e com isso somos levados numa jornada sobre escolhas, consequências, ficção científica e drama emocional. A mensagem de não desistir é o ponto principal do filme: resista, mesmo contra tudo. Existe uma crítica à violência policial bem eficaz e a linguagem voltada para os jovens torna a projeção mais leve em determinados pontos, porém sua temática forte de que vidas negras importam povoa toda a projeção e emociona bastante. “A Gente Se Vê Ontem” funciona bem para quem gosta da temática de ficção científica e quer assistir o protagonismo de jovens negros e uma estrela feminina cujo talento da atriz é outro ponto forte do filme.

February

Kiernan Shipka em cena de “February”, título em português (Imagem: divulgação/Netflix)

Estrelado por Kiernan Shipka, Emma Roberts e Lucy Boynton, “Enviada do Mal” se passa num instituto exclusivo para garotas e garante um clima mórbido e frio do começo ao fim. É um terror levado por sua narrativa de suspense, onde não há sustos ou cenas que tentam forçar reações. Em vez disso, vemos uma produção da A24 com foco no modo de contar a história e nas atuações das protagonistas.

Há uma aura, um tom sombrio rondando durante a uma hora e meia de produção que nos faz mergulhar no mundo do terror psicológico. O estilo fragmentado para contar a história consegue criar em nossas mentes um cenário de quebra-cabeça e perguntas provocativas que nos carrega até o final da projeção. “February” não se joga ao entreguismo e mantém o mistério até o terceiro ato, o qual nos recompensa. Muito indicado para os amantes do terror ou de apenas contos misteriosos cujas respostas podem ou não serem respondidas. 

Leia também:
» O Conto da Princesa Kaguya: as feridas do patriarcado pelo olhar de uma princesa
» 15 séries com protagonistas femininas disponíveis na Netflix!
» Booksmart: representação lésbica positiva, leve e fora de estereótipos

Dumplin’

Danielle Macdonald com Willowdean em “Dumplin'” (Imagem: divulgação/Netflix)

Dumplin’” é uma das melhores produções do gênero nos últimos anos. Um filme dramático, com comédia e romance, perfeito para se distrair e sentir o coração bem aquecido. Acompanhamos a história de Willowdean, uma garota gorda no ensino médio cuja mãe é uma ex-miss e tem um quê de celebridade na sua cidade interiorana.

O que podia ser mais um filme pondo mulheres umas contra as outras, baseado em estereótipos, rompe os padrões ao tratar todos os grupos muito bem. Não há diminuição de mulher alguma, de estilo nenhum e existe ainda representatividade LGBTQ+, profundos laços femininos e uma sensação de força ao final do filme. É uma obra que retrata autoaceitação sem objetificar corpos ou colocar sua protagonista em situação vexatória. Há ainda muita música, sendo repleto de ensinamentos passados pelas composições e cantorias de Dolly Parton. 

A Criada/The Handmaiden

Ha Jung-woo, Kim Tae-Ri, Kim Min-hee e Jo Jin Woong em “A Criada” Imagem: divulgação/Netflix)

Obra cinematográfica de produção da Coreia do Sul, nos leva a um conto de tensão psicológica e sensação de receio pela segurança das protagonistas do começo ao fim. O responsável é Park Chanwook, o mesmo que assina a Trilogia da Vingança: “Oldboy”, “Lady Vengeance” e “Sympathy for Mr. Vengeance”. Ou seja, fãs de qualquer elemento da trilogia devem colocar “The Handmaiden” em sua lista mais do que rápido, pois o filme traz muitos dos elementos pelos quais o diretor é famoso: doses de horror com cores melancólicas, trilha sonora que revigora as cenas e uma revelação atrás da outra, tudo isso para narrar o romance de Sook-Hee e Lady Hideko, ambas em polos sociais opostos – Sookhee trabalha na Mansão de Lady Hideko.

Mas o que acontece quando a história das duas se cruza? Bom, falar aqui seria um belíssimo spoiler, então basta saber que “The Handmaiden” concorreu por mais de 30 indicações ao redor do mundo e levou o “Prêmio Vulcan do Artista Técnico” de Cannes em 2016. 

Mary Shelley

Douglas Booth e Elle Fanning em “Mary Shelley” (Imagem: divulgação)

Mary Shelley” é baseado na história de vida da escritora Mary Wollstonecraft Godwin, ou Mary Wollstonecraft Shelley, a criadora de Frankenstein. Mary ganha forma na pele de Elle Fanning nesse romance/suspense do século 19, que é dirigido também por uma mulher (Haifaa Al Mansour) e o roteiro fica por conta de Emma Jensen.

O filme traz todo ambiente patriarcal da época e os conflitos que ela teve ao tentar seguir sua carreira como mulher. Mary não teve a chance de assinar seu livro com o próprio nome, o que gera conflitos bem estruturados durante o filme. Há um clima gótico que perdura até o final e o filme se encaixa para os amantes de romances dramáticos.

Joy

Joy Alphonsus em “Joy” (Imagem: reprodução/Netflix)

Ao contrário do que sugere o título, “Joy” não é um filme muito alegre. Trata-se de um retrato do tráfico sexual de migrantes da Nigéria e tem como ponto fixo a saga de Joy, protagonista, que precisa fazer escolhas difíceis dentro de um ciclo de vida cruel. Ela tem de se prostituir dentro da Europa após sair do seu país, sendo a história contada sem grosserias por choque e ainda assim com o mesmo poder impactante.

Com a direção de Sudabeh Mortezai, a diretora e seu elenco de atrizes excelentes conseguiram levar o prêmio de Melhor Filme durante o Festival de Cinema de Londres em 2018. Menção honrosa para a protagonista, também chamada Joy (Joy Alphonsus), que carrega o filme com maestria. No filme, sua personagem desperta o instinto protetor quando Precious, uma garota nova, adentra o seu meio.

Drama e intensidade são duas qualidades que podem definir bem a mensagem e a sensação passada durante a projeção. Vale a pena mencionar que Joy Anwulika Alphonsus levou o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cinema de Sevilla por sua performance aqui.

Cara Gente Branca

Elenco de “Cara Gente Branca” (Imagem: divulgação)

Filme que inspirou a incrível série de mesmo nome, “Cara Gente Branca” é de 2014 e foi lançado graças a um financiamento coletivo. A história em seu centro é a mesma: o conflito racial dentro de uma universidade. O pano de fundo da película é uma festa que aconteceu San Diego, na Universidade da Califórnia. Nela, estudantes brancos convidaram as pessoas para irem com uma caracterização ofensiva, bastante pejorativa, que incluía blackface praticado aos montes e ainda várias caracterizações de traficantes, os associando com pessoas negras.

O filme roda ao redor de quatro estudantes e aborda com sarcasmo, sátiras e comentários sem rodeios sobre racismo. Existem diversas outras tramas envolvendo também mistério e romance. O texto é rápido e flui de modo que a mensagem do filme é clara, direta e bem transmitida. Além disso, o elenco principal é excelente: tão carismático que vai te fazer querer acompanhar toda história deles.

Soni

Saloni Brata e Geetika Vidya Ohlyan em “Soni” (Imagem: divulgação/Netflix)

Um drama indiano policial centrado em duas mulheres: Kalpana e Soni. Uma é a chefe da delegacia e a outra é policial. Soni acaba sendo repreendida e rebaixada pela “falta de boa conduta” após não aguentar mais o sexismo no ambiente de trabalho e terminar revidando. O filme aborda a questão sexista na Índia e tem diversas alegorias referindo-se à vida real das mulheres no país.

Não veremos aqui uma trama mirabolante com diversos altos e baixos ou surpresas: é um relato sobre a vida das mulheres com vidas e personalidades opostas, mas que formam um laço íntimo de amizade por conta das opressões sofridas no ambiente de trabalho enquanto combatem criminosos sexuais nesse mesmo local. Esse longa carrega consigo um clima quase de melancolia com seus tons apagados e história narrada durante o período da noite em diversos pontos. Temos nele uma história necessária e uma produção não muito cara, mas de narrativa sólida que vale muito a pena ser assistida. 

Firebrand

Usha Jadhav em “Firebrand” (Imagem: divulgação/Netflix)

Filme indiano da Netflix que levanta o retrato das mulheres na Índia através de uma advogada especialista em divórcios no primeiro filme de idioma marata da rede de streaming. É no ambiente dessa profissional que se desenrola um enredo feminista sobre como os homens de fato sentem-se superiores naquela região e o modo que isso afeta e fomenta a vida da protagonista, Sunanda Raut, interpretada de modo emocionante por Usha Jadhav.

Sunanda mantém muita coragem para enfrentar a misoginia do sistema que se apresenta em sua frente, enquanto lida com problemas emocionais dentro de casa e na própria intimidade. Um longa com temas pesados, sendo a censura de 16 anos não por acaso. Veremos uma abordagem sobre abuso de poder, sexual e político. Na contramão de diversos filmes com a temática, porém, aqui o marido da advogada mantém com ela uma relação de amizade e suporte. 

Verónica

Sandra Escacena como Verónica em “Verónica” (Imagem: reprodução/Netflix)

Verónica” conta um caso real que aconteceu em 1991 na Espanha. O filme de mistério e terror, obviamente, toma várias licenças poéticas. O filme nos mostra a vida de uma estudante de escola religiosa que brinca com a tábua de Ouija e acaba sendo possuída. A entidade demoníaca vai se apresentando aos poucos e afetando não apenas ela, como seus irmãos mais novos.

O relacionamento da jovem com seus irmãos é um dos maiores atrativos do filme, visto que ela é responsável pelos cuidados diurnos deles, uma vez onde seu pai faleceu e a mãe tem de sustentar os três sozinha. Aliás, as relações humanas são algo que fazem você torcer para dar tudo certo: conseguimos sentir o quanto Veronica, de fato, se importa com seus irmãos e como eles são ligados à ela. Além disso, a jovem desperta simpatia ao evocar elementos como a exclusão social sofrida quando ela passa a ser ignorada pelas próprias amigas.

Dirigido pelo diretor da franquia “REC”, Paco Plaza, os elementos de terror são distribuídos com fluidez e acaba prendendo até mesmo o espectador mais casual. 

Filme extra!

E para você que busca uma comédia romântica leve, inteligente e com protagonista incrível para assistir agora mesmo, fica a recomendação: “A Incrível Jessica James“!

Jessica Williams e Lakeith Stanfield em “A Incrível Jessica James” (Imagem: divulgação/Netflix)

Assista ao trailer:


Edição realizada por Gabriela Prado e revisão por Isabelle Simões.


Compartilhe

Autora

Escrevo onde meu coração me leva. Apaixonada pelo poder das palavras, tentando conquistar meu espaço nesse mundo, uma frase de cada vez.
Veja todos os textos
Follow Me :