[CINEMA] Saiba quais foram os vencedores do X Janela Internacional de Cinema do Recife

[CINEMA] Saiba quais foram os vencedores do X Janela Internacional de Cinema do Recife

O X Janela chegou ao seu fim no último domingo (12). A cerimônia de premiação aconteceu na Casa Cultural Villa Ritinha, no bairro da Soledade, em Recife.

O festival X Janela (veja aqui nossa cobertura completa) finaliza sua décima edição após 10 dias de Aulas de Cinema Petrobras, mostras competitivas de curtas e longas-metragens, mostra especial de realizadores negros da L.A. Rebellion, debates e encontros especiais entre realizadores do Brasil e do exterior.

A impressão que fica é a de que o X Janela tem se aberto a debates necessários sobre cinema e sobre quem tem acesso ao cinema, além de propor encontros interessantes. O que chama atenção no festival é que ele vai se construindo e desconstruindo de acordo com o seu público e com os realizadores, enriquecendo ainda mais as conversas.

Veja a seguir a relação dos vencedores do X Janela Internacional de Cinema do Recife:

X Janela
Cena de “Jovem Mulher”

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS

Júri formado pela cineasta alemã radicada na Argentina Nele Wohlatz, pelo crítico e pesquisador Carlos Alberto Matos e pela pesquisadora e cineasta Gabriela Amaral Almeida.

  • MELHOR LONGA: Jovem Mulher (França/Bélgica), de Léonor Serraille;
  • MELHOR MONTAGEM: Que o Verão Nunca Mais Volte (Alemanha/Geórgia), de Alexandre Koberidze;
  • MELHOR SOM:  A Fábrica de Nada (Portugal), de Pedro Pinho;
  • MELHOR IMAGEM: As Boas Maneiras (Brasil/França), de Juliana Rojas e Marco Dutra;
  • MENÇÃO ESPECIAL: Baronesa (Brasil), de Juliana Antunes.
X Janela
Cena de “La Bouche”

Júri formado por pela diretora Dea Ferraz, pelo realizador e produtor português Miguel Ribeiro (programador do DocLisboa e membro do coletivo artístico Rabbit Hole) e pela diretora e produtora Nathália Tereza.

  • MELHOR CURTA INTERNACIONAL: La Bouche (França), de Camilo Restrepo;
  • MELHOR IMAGEM: Pussy (Polônia), de Renata Gasiorowsk;
  • MELHOR SOM: Impossible figures and other stories II (Polônia), de Marta Pajek;
  • MELHOR MONTAGEM: Borderhole (México/Estados Unidos/Colômbia), de Amber Bemak e Nadia Granados.
X Janela
Cena de “Deus”

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTA-METRAGEM NACIONAL:

Júri formado pelo crítico de cinema, professor e jornalista Heitor Augusto, pela professora e curadora Mariana Souto e pela realizadora Milena Times. Após cada vencedor, temos a justificativa do júri publicada em um comunicado.

Publicidade
  • MELHOR CURTA NACIONAL: Deus (RS/SP), de Vinícius Silva;

“Por navegar com segurança e sensibilidade entre um retrato duro do cotidiano e a construção de afeto e ternura, por meio de um olhar que não hierarquiza ambas as instâncias; pela habilidade de encenar a intimidade (entre mãe e filho, protagonistas negros, algo ainda urgente no cinema brasileiro) e pela atenção à geografia de um bairro e de uma casa; por evitar cair tanto num miserabilismo social voyeurista quanto num lúdico esvaziado e domesticado, o prêmio de Melhor Filme vai para “Deus”, de Vinícius Silva.”

  • MELHOR IMAGEM: Travessia (BA), de Safira Moreira;

“Pela natureza metalinguística de seu gesto – um conjunto de imagens sobre as imagens que faltam das populações negras -, pela sensibilidade em apontar a ausência, mas oferecer também uma janela para a cura, partindo da não-agência para a postura propositiva, o júri concede o prêmio de Melhor Imagem para “Travessia”, de Safira Moreira.”

  • MELHOR MONTAGEM: Pele Suja, minha Carne (RJ), de Bruno Ribeiro;

“Pela capacidade de organizar uma experiência sucinta e ao mesmo tempo poderosa, construindo uma narrativa com blocos espelhados, mas com sentidos e informações distintos em cada momento do personagem, o prêmio de Melhor Montagem vai para Bruno Ribeiro e Gabriela Coelho, por “Pele Suja, Minha Carne”.”

  • MELHOR SOM: Nada (MG), de Gabriel Martins

“Pela qualidade e atenção ao utilizar o som como componente narrativo desde o primeiro plano, incorporando os sons da cidade e da multidão como campo opositivo à protagonista, pela experimentação com as possibilidades sonoras do humor e pela expressiva trilha musical, o prêmio de Melhor Som vai para o curta-metragem “Nada”.”

  • MENÇÃO HONROSA/ ESPECIAL DO JÚRI: Nada (MG), de Gabriel Martins;

“Pelo olhar curioso e nuançado de uma adolescente negra niilista, complexificando o significado de suas escolhas no contexto familiar e social; pelo casamento afinado entre os diferentes recursos de linguagem na construção de um filme, especialmente pelo domínio dos componentes dramatúrgicos e cênicos da tessitura de uma narrativa ficcional, concedemos uma menção honrosa ao curta-metragem “Nada”, de Gabriel Martins.”

“Por nos relembrar que o cinema pode muito, inclusive estabelecer uma relação de frontalidade com a história e com o presente; pela coragem da artista de colocar seu corpo à disposição de uma experiência dolorida que conjuga a dor da Máscara de Flandres com a possibilidade de uma existência política no presente, o júri decidiu conceder uma Menção Honrosa, que intitulamos Pelo Fim da Cordialidade, para “Experimentando o Vermelho em Dilúvio II”, de Musa Michelle Mattiuzi.”

X Janela
Cena de “Travessia”

PRÊMIO JANELA CRÍTICA:

Júri formado por dez jovens críticos selecionados para acompanhar o X Janela integralmente e escrever críticas sobre o que desejassem.

Publicidade
  • MELHOR CURTA NACIONAL: Travessia (BA), de Safira Moreira;
  • MELHOR CURTA INTERNACIONAL:  La Bouche (França), de Camilo Restrepo;
  • MELHOR LONGA: Era Uma Vez Brasília (DF), de Adirley Queirós;
  • MENÇÃO HONROSA: Pele Suja, minha Carne (RJ), de Bruno Ribeiro.

PRÊMIO ABD (Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas de Pernambuco – ABD/PE):

  • Deus (RS/SP), de Vinícius Silva;
  • MENÇÃO HONROSA: Travessia (BA), de Safira Moreira
X Janela
Cena de “O Olho e o Espírito”

PRÊMIO OFERECIDO PELO PORTOMÍDIA:

120h de estúdio para finalização de imagem e/ou som concedido para o melhor filme pernambucano do festival.

X Janela
Cena de “Experimentando o Vermelho em Dilúvio II”

PRÊMIO CANAL BRASIL:

Recebe 15 mil reais e entra para a grade de programação da emissora.

  • Experimentando o Vermelho em Dilúvio II (RJ), de Michelle Mattiuzzi.

PRÊMIO FEPEC (Federação Pernambucana de Cineclubes):

  • MELHOR FILME PARA REFLEXÃO: Deus (RS/SP), de Vinícius Silva;
  • MENÇÃO HONROSA: Experimentando o Vermelho em Dilúvio II (RJ), de Michelle Mattiuzzi
X Janela
Cena de “Que o Verão Nunca Mais Volte”

PRÊMIO JÚRI ABRACCINE (Associação Brasileira de Críticos de Cinema):

Júri formado pela professora e pesquisadora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Ângela Prysthon, pelo jornalista Breno Pessoa, pelo crítico do site Adoro Cinema Bruno Carmelo, pela pesquisadora e crítica Carol Almeida e pelo crítico e curador Pedro Azevedo.

  • Que o Verão Nunca Mais Volte (Alemanha/Geórgia), de Alexandre Koberidze.
X Janela
Cena de “66 Cinemas”

PRÊMIO JOÃO SAMPAIO PARA FILMES FINÍSSIMOS QUE CELEBRAM A VIDA:

Instituído pelo Janela em 2014, em homenagem ao amigo e crítico baiano falecido no mesmo ano.

  • 66 Cinemas (Alemanha), de Philipp Hartmann
fonte: Adoro Cinema

Autora:

13 textos

Gaúcha moradora do Recife. Estudante de jornalismo com um pé (ou quase o corpo todo) nas artes. Acha que falar sobre si mesma na terceira pessoa é muito estranho.
Todos os textos
Follow Me :