[QUADRINHOS] Diva Satänica: Um novo olhar sobre as HQ’s eróticas

[QUADRINHOS] Diva Satänica: Um novo olhar sobre as HQ’s eróticas

Compartilhe

Diva Satänica é uma HQ que aborda a temática fetichista pelo viés do horror, criando um clima aterrorizantemente excitante. No entanto, resta uma pergunta: é possível criar uma HQ que trata de temas como pornografia, erotismo, fetichismo e sexo sem que a mesma seja machista?

É incrível como sempre ficamos com os 2 pés atrás quando se trata de consumir este tipo de obra, ainda mais quando produzida por homens. Isto porque, sempre nos deparamos com uma hipersexualização feminina construída por e para o deleite único e exclusivamente masculino, que reforça estereótipos de gênero e que reduz a mulher ao “lugar de coisa” (mesmo quando elas são as Dominatrix¹), mas este não é o caso de Diva Satänica.

Utilizando-se de um contexto contemporâneo e informatizado, Bräo consegue nos fazer acreditar que se dermos sorte (ou azar?) de procurarmos pelas palavras-chave certas na macabra deep web, encontraremos a mitológica “Dama de Preto”, a única capaz de nos levar à morte, de tanto prazer.

Diva Satänica

Nesta fantasia, Bräo cria a Diva Satânica, uma personagem enigmática e aterrorizante, que mexe com nosso imaginário erótico, levando-nos ao universo do peculiar “homem comum” chamado Jonathan. Ele, por sua vez, é um típico estereótipo de “forever alone” que não possui as características físicas ditas como padrão na sociedade e sofre bullying dos colegas de trabalho machistas.

O interessante aqui é que ao mesmo tempo em que Bräo retrata personagens ultra machistas e escrotos, ele evidencia, de certa forma, o quanto eles são ridículos, ao contrário de muitos autores que ressaltam tais “características” como pontos positivos e enaltecedores de seus personagens, como se o machismo estivesse diretamente relacionado à virilidade e poder de atração física masculino. Em contraponto, podemos dizer que Bräo se aproveita da baixa auto-estima e da personalidade ultra introspectiva de Jonathan para torná-lo uma oferenda perfeita, que de bom grado ele entrega aos caprichos de sua deusa diabólica.

Diva Satänica

Assim, ao misturar o erótico com o horror, Bräo consegue criar uma HQ que não fica apenas no porn pelo porn, mas que, assim como fez com Jonathan, nos atrai para a Dama de Preto, pois além dela ser incrivelmente sedutora, no fundo, queremos tirar a prova se ela realmente existe ou se é apenas fruto da imaginação de mentes pervertidas e perturbadas.

Extras

https://www.instagram.com/p/Bbuj_2LB3cZ/?utm_source=ig_embed

A HQ conta ainda com um prólogo e um epílogo, sendo que neste último Bräo nos introduz uma interessante investigadora que procura solucionar os misteriosos desaparecimentos de homens com a mesma faixa etária e que não deixaram nenhum rastro pra trás. Assim, além de trazer uma profundidade à sua história, ele nos apresenta uma protagonista forte e inteligente e nos deixa com uma sensação de que Diva Satänica terá continuação. Além disto, o autor acrescentou um making off super interessante onde ele compartilha seu processo criativo, roteiro e ideias que acabou descartando ao longo do processo.

Leia também:
[QUADRINHOS] Diastrofismo Humano: A saga feminina que todo mundo deveria ler
[QUADRINHOS] Sem Dó: Mistura de quadrinhos e cinema ao retratar a São Paulo dos anos 20
[QUADRINHOS] Entrevista com Kim W. Andersson + SORTEIO de 1 exemplar de Alena” autografado pelo autor!

AUTO BIOGRAFIA DO AUTORDiva Satänica

Marido da Nica e pai da Sofia. Irmão de um diretor, de um engenheiro de som e de uma criança. Escuto heavy metal o dia todo, todos os dias desde 1994. Feito em 1981, apaixonei-me por HQs na mesma década. Cresci aspirante de quadrinista, mas fui estudar animação fora do país. Voltei ao Brasil em 2003, trabalhei em estúdios de animação e hoje possuo o meu próprio. Dirijo filmes animados para publicidade e crio e produzo séries de TV. Nunca deixei de fazer quadrinhos e hoje sou autor publicado. (fonte)

¹Mulher que exerce o papel de dominadora nas práticas de BDSM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo)


Compartilhe

Written by:

Feminista e membra da União de Mulheres de São Paulo, onde é coordenadora adjunta do Curso de Promotoras Legais Populares, projeto voltado para a educação popular e feminista em direitos. É viciada em Lego, apaixonada por ficção científica/terror/horror, apocalipse zumbi e possui sérios problemas em procrastinar vendo gif’s e não lembrar o nome das pessoas. No mundo real é advogada.
View All Posts
Follow Me :