O Escolhido: primeiras impressões da nova série de suspense da Netflix

O Escolhido: primeiras impressões da nova série de suspense da Netflix

Imagine morar em um lugar onde nenhuma doença pode te atingir, bem no coração do Brasil, cercado pela fauna e pela flora maravilhosa do centro oeste. Essa é a cidadezinha de Água Azul, cidade fictícia da nova série brasileira da Netflix, “O Escolhido“. Mas nem tudo são flores e forasteiros podem acabar com a paz construída no local.

Dirigido por Michel Tikhomiroff, escrito por Raphael Draccon e Carolina Munhóz, a série “O Escolhido” estreia dia 28 de junho, mas a convite da plataforma de streaming assistimos aos primeiros quatro episódios e vamos falar um pouquinho sobre nossas primeiras impressões. O texto a seguir não contém spoilers.

A história se concentra em três médicos que vão visitar a cidadezinha de Água Azul, no interior do Pantanal, para vaciná-los contra uma mutação do zika vírus. Porém, quem comanda o local e tem cuidado da saúde da população é um curandeiro, reconhecido somente por O Escolhido. A ideia é que, com a chegada dos forasteiros, o vilarejo entre na discussão sobre ciência vs religião. A série é baseada na série mexicana “Niño Santo”, de Pedro Peirano e Mauricio Karz.

O Escolhido
Cena da série “O Escolhido” (Imagem: Netflix/divulgação)

Antes de tudo, é necessário dizer que a ambientação, o cenário e a produção da série são excelentes. Os figurinos estão incríveis, assim como as construções e as cores utilizadas durante as gravações; tudo isso formou algo incrível de ser visto, um deleite de verdade. O azul, cor característica da cidade, em combinação com a natureza ao redor, é algo deslumbrante. A série foi gravada na cidadezinha de Natividade, no Tocantins, e em bate papo com o elenco, no painel de lançamento da série que ocorreu dia 18 de junho, os atores comentaram como ter gravado ao ar livre, com pessoas do local como figurantes e presentes nas gravações, fez diferença.

Entretanto, e por mais louvável que seja o investimento em uma série nacional de suspense, a série ainda tem alguns problemas. Algumas frases e algumas conversas não parecem ter muita ligação com a realidade e são um pouco mal abordadas. Questões que não deveriam ser tratadas em igualdade são – e isso logo no primeiro episódio. Infelizmente, alguns debates caem em estereótipos que não gostaríamos que caíssem e alguns diálogos parecem pouco naturais, tanto pela situação dos personagens quanto pelos momentos em que são tidos.

Apesar de termos uma personagem feminina como protagonista, ela também tem alguns problemas de desenvolvimento e algumas escolhas que ela toma não batem tão bem com a personalidade que tentaram traçar para ela.

O Escolhido
Cena da série “O Escolhido” (Imagem: Netflix/divulgação)

Infelizmente, também é necessário dizer que discutir as forças da religião e da ciência como questões contrárias acaba soando um pouco superficial e, por vezes, toma caminhos que já foram superados, caindo, também, em estereótipos antigos. Por que, ambas, não poderiam ser aliadas? Ou por que o lado que está com a religião acaba sendo o mais pobre, sendo um vilarejo no meio do Pantanal? Essas são questões que poderiam ter sido abordadas de outra forma e que poderiam ter sido melhor utilizadas, principalmente em um momento no qual as pessoas duvidam da ciência, no qual o movimento antivacina ganha força e que, geralmente, são pessoas de classe média que fazem parte dos dois. Talvez outros caminhos fossem possíveis.

Leia também:
» Mary Shelley: a biografia da admirada autora e suas decepções
» Celebre o Mês do Orgulho LGBTQ+ com nossas 5 séries favoritas da TV
» [SÉRIES] Maniac: pílulas, fugas e a busca por nós mesmas

Entretanto, “O Escolhido” também tem coisas positivas. Além da ambientação, os atores estão ótimos em seus papéis. O destaque, sem dúvida, vai para Renan Tenca, que tem feito um trabalho corporal excepcional como Escolhido. Também precisamos mencionar Alli Willow, no papel de Angelina, e Tuna Dwek, no papel de Zulmira, com ótimas atuações.

O trabalho de pesquisa sobre algumas lendas da região, bem como a inserção das histórias dessas no roteiro e a naturalidade com que os figurantes que já moravam no local estão em frente às câmeras, também transformam completamente a experiência de assistir a série.

Apesar dos pequenos detalhes e escolhas de roteiro, novamente é necessário dizer que a produção da série está espetacular e já estamos curiosas para conhecer o desfecho da temporada. Esperamos que a Netflix continue apostando nas produções nacionais. Aguardamos muito mais contato com o místico e respostas para algumas das perguntas feitos pelos médicos.

O Escolhido
Elenco da série “O Escolhido” (Imagem: Netflix/divulgação)

O trailer pode ser conferido abaixo:


Edição realizada por Gabriela Prado.

Escrito por:

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler tomando um café quentinho.
Todos os textos
Follow Me :