Começou a 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes

Começou a 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes

Abrindo o calendário audiovisual brasileiro, a Mostra de Cinema de Tiradentes chega à sua 23ª edição, que se estende até o dia 1º de fevereiro. Serão nove dias de programação gratuita, com exibição de 113 filmes (31 longas, 1 média e 81 curtas-metragens), 53 sessões, 39 mesas de debates, performances artísticas e musicais, oficinas e lançamentos de livros. A cidade histórica mineira será transformada na capital do cinema brasileiro e irá receber toda infraestrutura com instalação de quatro espaços principais para receber milhares de moradores e turistas: Cine Copasa na Praça, Cine-Tenda, Sesc Cine-Lounge e Centro Cultural Sesiminas Yves Alves.

A abertura da Mostra aconteceu ontem (24) às 21h, no Cine-Tenda, onde houve a apresentação da temática do evento, “A imaginação como potência”, e homenagem ao ator Antonio Pitanga e à atriz Camila Pitanga, que estiveram presentes. A performance audiovisual da noite contou com a direção de Grazi Medrado e Chico de Paula, e execução de trilha sonora ao vivo a cargo do Barulhista.

Em seguida, foi exibido em pré-estreia mundial o longa-metragem “Os Escravos de Jó”, dirigido pelo cearense Rosemberg Cariry. O filme, que tem o ator Antonio Pitanga no elenco, foi todo filmado na cidade mineira de Ouro Preto e acompanha os estudantes Samuel e Yasmina que, apaixonados, têm que vencer dificuldades e preconceitos para afirmarem seu amor, em meio a personagens do passado e do presente. Em cena, Pitanga interpreta um livreiro, de ascendência judaica, imigrante do norte da África e amigo do protagonista. O ator homenageado foi convidado por Cariry especialmente para este papel.

A noite de abertura terminou com a apresentação, no Sesc Cine-Lounge, de “Cinegrafia: A Pantera Cor de Rosa”, na qual os artistas lise e Barulhista tocaram a trilha sonora ao vivo para o clássico desenho animado.

Antonio Pitanga em cena de “Os Escravos de Jó”
Antonio Pitanga em cena de “Os Escravos de Jó” (Foto: divulgação)
Leia também:
>> A Vida Sonhada dos Anjos: a esperança feminina no mundo do trabalho alienado
>> Anna Karina e a Nouvelle Vague: influências que atravessam gerações
>> Atlantique: uma poesia visual multifacetada

O primeiro fim de semana da Mostra também será cheio de produções de Minas Gerais, mostrando a diversidade audiovisual do estado. No sábado, haverá duas sessões da mostra Foco Minas. Uma começa às 16h30, dedicada aos curtas-metragens, com quatro títulos: “Angela”, de Marília Nogueira; “Nove Águas”, de Gabriel Martins e Quilombo Marques; “Estranho Animal”, de Arthur B. Senra; e “Diz que é Verdade”, de Claryssa Almeida e Pedro Estrada. Às 20h, será exibido o mais novo longa-metragem de Helvécio Ratton, em pré-estreia nacional: “O Lodo”, ficção baseada em conto de Murilo Rubião e com integrantes do Grupo Galpão no elenco.

No domingo, às 16h30, haverá a segunda sessão de curtas da Foco Minas, com os títulos “Brooklyn”, da Coletiva [Cineleblon]; “Santa”, de Marco Andrade; “Azar”, de Gabriel Duarte; e “Babi e Elvis”, de Mariana Borges.

SERVIÇO
23ª Mostra de Cinema de Tiradentes
De 24 de janeiro a 1º de fevereiro 2020
Entrada gratuita

Acompanhe a programação no site da Mostra.

Fonte: ETC Comunicação e Universo Produção.

Escrito por:

120 Textos

Aquariana, mora no Rio de Janeiro, graduada em Ciências Sociais e em Direito, com mestrado em Sociologia e Antropologia pelo PPGSA/UFRJ, curadora do Cineclube Delas, colaboradora do Podcast Feito por Elas, integrante da #partidA e das Elviras - Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema. Obcecada por filmes e livros, ainda consegue ver séries de TV e peças teatrais nas horas vagas.
Todos os textos
Follow Me :