Meu corpo, Minha casa: uma jornada de volta à própria pele

Meu corpo, Minha casa: uma jornada de volta à própria pele

Compartilhe

Nascida na Índia e radicada no Canadá, a poeta Rupi Kaur empreende em seu novo livro uma jornada de reencontro consigo mesma: seu corpo, suas fragilidades e sua força.  

Em Meu corpo, Minha casa, Rupi mergulha em feridas profundas e faz emergir traumas, abusos, a depressão, a ansiedade a relação conturbada com seu próprio corpo. 

“depois de tanto tempo separados

 minha mente e meu corpo enfim 

voltaram a se encontrar”.

Um mapa interior

O livro é dividido em quatro partes que se assemelham a um mapa íntimo e intimista: mente, coração, repouso e despertar. Ao transitar por cada uma delas, a poeta traz à tona dúvidas, dores e feridas e, através das palavras, as encara.

No processo, a um só tempo dolorido e cuidadoso, sua voz aprende a cantar o aprendizado que é usar as próprias vulnerabilidades como caminhos para redescobrir e amar a própria pele. Enquanto perscruta o passado ou redescobre o presente, a poeta veste suas fragilidades e compartilha o que aprendeu sobre si e o mundo.

Rupi está aprendendo de novo a se amar e a habitar seu corpo como casa. Redescobre sua própria beleza, assim como o prazer que pode experimentar no próprio corpo. Aos poucos, deixa que as partes mais escondidas dessa mulher, que surpreende morando em si, virem poesia.

A voz poética é sempre uma redescoberta, assim como o amor próprio. A autora descortina quem é, da face brilhante à oculta, e é a dualidade que lhe permite reconhecer-se como a mulher de sua própria vida.

Sua cura não é um assunto resolvido, mas sim um processo. É necessário que sempre se recomece na linha de chegada, onde ela encontra outra de si mesma, outra mais forte e pronta para empreender a próxima jornada.  É uma viagem longa a um território desconhecido, mas também de onde nunca se sai.  

Leia também >> Outros Jeitos de Usar a Boca: As mulheres e as relações de amor através da poesia de Rupi Kaur
Rupi Kaur
Rupi Kaur. (Imagem: reprodução)

Nada é banal

A brevidade e a simplicidade da poesia de Rupi são os pontos mais criticados em sua escrita. Entretanto, é interessante pensar que por mais que, de fato, estejamos cada vez mais exaustas da velocidade vertiginosa de nossos dias, a brevidade de uma obra não implica má qualidade.

Sua poesia é curta, seus temas e estética semelhantes aos dos dois livros anteriores, mas há um amadurecimento importante: mais segura, e talvez em resposta às próprias dúvidas sobre sua própria arte, ela mergulha no próprio estilo e na própria voz. Rupi faz bom uso do parece frugal mas tem muito a dizer. Sua brevidade, na verdade, reforça a assertividade de sua mensagem.

Leia também >> O Ano do macaco: Patti Smith e seu caminho onírico para a realidade

Amar-se no singular, amar a comunidade

A fragilidade, a depressão e os traumas a atravessaram por toda a vida, mas não por completo. Também sempre estiveram presentes a força, o amor e o cuidado das pessoas à sua volta. Seu corpo nunca a deixou, mesmo sob tantos anos de rejeição. Nele, mora sua voz, e em sua voz, milhares de outras mulheres que vieram antes dela.

Rupi descobre que amar a si própria é também rebelar-se contra o machismo e desconstruir estruturas opressivas. Afinal, amar a si também é lutar por outras mulheres, para que elas também usem a própria voz, se sintam seguras, dignas do amor, do cuidado e da valorização que merecem como seres humanos. O amor próprio não exclui a empatia e pode ajuda a curar o coletivo.

A mulher inteira

Meu corpo, minha casa é um manifesto, mas também uma declaração de amor para a Rupi que aprende, cada vez mais, a amar a própria pele, a morar na própria casa. É um livro sobre a volta para o próprio corpo, mas também sobre a valorização das que nos levantam, nos nutrem e nos acolhem. A força e a vulnerabilidade são faces complementares do que é ser humano.

A volta para o corpo não é um destino final, mas sim um movimento constante. Essas são jornadas que sempre se farão necessárias durante a vida. Rupi não nos garante que nunca mais nos perderemos, que sempre nos amaremos e estaremos do nosso próprio lado. Ela nos mostra que o convite à jornada de volta para nós mesmas sempre estará ali, a um ato amoroso de distância.


Meu corpo, Minha casa

Rupi Kaur

192 páginas

Editora Planeta

Se interessou pelo livro? Compre aqui!

O Delirium Nerd é integrante do programa de associados da Amazon. Comprando através do link acima, ganhamos uma pequena comissão e você ainda ajuda a manter o site no ar, além de ganhar nossa eterna gratidão por apoiar o nosso trabalho.


Edição e revisão por Isabelle Simões.


Compartilhe

Autora

Historiadora e escrevedora de frases longas. Entusiasta de diálogos. Fala de literatura e de história até na mesa do café.
Veja todos os textos
Follow Me :