5 filmes além de Saltburn para manter a obsessão por Rosamund Pike

5 filmes além de Saltburn para manter a obsessão por Rosamund Pike

O filme Saltburn (2023), que foi uma sensação cinematográfica do final do ano passado, pode até ser um veículo para Barry Kehogan brilhar e para Jacob Elrodi tirar a roupa, mas certamente não seria o mesmo sem a presença ambígua, autocentrada e cínica de Elspeth Catton (interpretada por Rosamund Pike).

Por um lado, ela usa looks que fazem a moda dos anos 2000 parecer melhor do que realmente era, com a desenvoltura de quem esteve lá para ver. Por outro, mantém a leveza impassível de alguém que mandaria os pobres comerem brioches.

Foi assim que Elspeth, e consequentemente Rosamund Pike, conquistaram a atenção das redes sociais.

Rosamund Pike como Lady Elspeth Catton em Saltburn 
Rosamund Pike como Lady Elspeth Catton em Saltburn

Milionária sem noção: Rosamund Pike em Saltburn

Elspeth é uma ex-party girl dos anos 90 que se tornou a esposa-troféu de um milionário. Ela vê em Oliver (Barry Kehogan) uma novidade perfeita para sacudir o tédio do seu dia a dia; afinal, seu entorno luxuoso e os estímulos à disposição já não a divertem.

Então, ela utiliza as pessoas como distrações. Por exemplo, Pamela (Carey Mulligan), a amiga com depressão que é acolhida na mansão familiar, até que Elspeth se cansa dela e a expulsa. Agora, ela tem Oliver, cujos atrativos a interessam mais.

Ingênua, golpista, heroína: as muitas faces de Rosamund Pike

Para quem está na sua Saltburn-era, e mesmo para quem não está, aqui vão algumas sugestões para conhecer mais do trabalho desta atriz britânica.

Rosamund Pike como Miranda Frost em imagem promocional do filme "007 - Um Novo Dia Para Morrer"
Rosamund Pike como Miranda Frost em imagem promocional do filme “007 – Um Novo Dia Para Morrer”

007 – Um Novo Dia Para Morrer

A carreira da Rosamund Pike começou de forma um pouco torta: com o papel de Miranda Frost (gelo, em inglês) em 007 – Um Novo Dia Para Morrer.

Lançado em 2002, o filme foi recebido como um dos piores da franquia 007. As críticas choveram justamente em cima da personagem que, devido à fisionomia e à interpretação da atriz, entregava desde o início uma ideia de dureza e inacessibilidade, enquanto essa Bond Girl devia ser uma doce sedutora que passa a perna no espião. Tem uma cena de luta entre ela e Jinx (Halle Berry) bastante fetichizada. Vale pelo registro histórico.

Orgulho e Preconceito

Recentemente, Rosamund reclamou no X que, para muitas pessoas, ela costuma interpretar apenas personagens “gélidas”. “Quem fala assim, basicamente, está entregando que só assistiu ‘Garota Exemplar’ e’ James Bond’“, disse ela em entrevista ao canal Heart.

Porém, no já clássico Orgulho e Preconceito, Rosamund interpreta uma donzela ingênua de bom coração, no melhor estilo vitoriano.

Aqui, ela é Jane, a mais velha das irmãs Bennet, que faz o contraponto à irmã “rebelde” Elizabeth (Keira Knightley).

Rosamund Pike interpreta uma trambiqueira sem escrúpulos em "Eu Me Importo"
Rosamund Pike interpreta uma trambiqueira sem escrúpulos em “Eu Me Importo”. Imagem: Amazon Prime / Divulgação

Eu Me Importo

Em Eu Me Importo, a personagem de Pike só não é mais fria porque é o próprio capiroto.

Nesta comédia/suspense extremamente sombria, ela é Maria Grayson. Uma mulher cuja profissão oficial é cuidar de idosos, mas seu real objetivo é aplicar golpes em senhorinhas vulneráveis e suas famílias preocupadas.

E assim ela vai levando, até mexer com a mãe (Dianne Wiest) de um mafioso (Peter Dinklage), fazendo as coisas irem ladeira abaixo a toda velocidade.

Marie Colvin (Rosamund Pike) foi uma repórter de guerra que perdeu um olho no exercício da profissão.
Marie Colvin (Rosamund Pike) foi uma repórter de guerra que perdeu um olho no exercício da profissão. Imagem: IMDB/Divulgação

A Private War

A Private War é a biopic da repórter de guerra Marie Colvin. A jornalista, que já havia perdido um olho no exercício da profissão, morreu aos 56 anos em 2012, cobrindo o conflito na Síria.

Para além do clichê de “atriz de beleza padrão buscando ser validada através de um papel sem glamour”, Rosamund honra e respeita o legado da difícil e complexa Marie. O filme vale a pena quase que totalmente por causa de sua interpretação.

An Education

Contudo, não se pode negar que os papéis de burguesa safada caem como uma luva em Rosamund Pike.

Aqui, como em Saltburn, sua personagem Jenny gosta muito de coisas bonitas e não tem paciência para pensar nas implicações éticas do próprio comportamento. Não é de se estranhar que a impressionável Jenny (Carey Mulligan, mais uma vez) fique fascinada por ela.

Bônus: A Roda do Tempo

Para quem quiser ver a Rosamund Pike em versão heroína de fantasia, as duas primeiras temporadas da série estão na Amazon Prime.

Leia também:

>> Meg Ryan: mais que a rainha das comédias românticas

>> Bela Vingança: um filme controverso sobre a cultura do estupro

>> Jane Austen: Conheça a mulher por trás dos clássicos romances

Escrito por:

8 textos

Redatora, formada em Jornalismo no início do século, moradora da internet, gosta de falar sobre coisas que não existem.
Veja todos os textos
Follow Me :