Príncipe Drácula: mulheres aliadas na captura de um assassino

Príncipe Drácula: mulheres aliadas na captura de um assassino

Compartilhe

Audrey Rose tem uma viagem marcada no segundo volume da série “Rastro de Sangue”. Em “Príncipe Drácula“, lançado neste ano pela Darkside Books, a destemida estudante forense pegará o trem do Expresso Oriente rumo à Transilvânia, para estudar na maior Academia de Medicina e Estudos Forenses da Romênia. Localizada no alto da montanha, a academia fica dentro do castelo que pertencia a ninguém menos que Vlad III, um príncipe romeno que deu origem a lenda do vampiro Drácula.

Assim, seguindo a continuação de “Jack, o Estripador“, a autora Kerri Maniscalco nos mostra uma protagonista traumatizada pelos acontecimentos do primeiro livro. Entretanto, a força e a perspicácia de Audrey Rose fará com que ela se torne cada vez mais sagaz e inteligente em suas investigações, através do aprimoramento de seus estudos. Em “Príncipe Drácula“, a jovem ainda enfrentará o preconceito por ser uma mulher que ousa desafiar o ambiente masculino da academia.

Nova onda de assassinatos e mais mistérios em “Príncipe Drácula”

A princípio, fazendo alusão a autora Agatha Christie, iniciamos a trama com Audrey e seu companheiro de investigações, Thomas, dentro do Expresso Oriente, rumo a uma das maiores academias de estudos forenses, localizada no castelo que pertencia ao sanguinário Vlad III, conhecido como “Vlad, o Empalador”. Na história real, Vlad III foi um príncipe romeno lembrado por suas mortes extremamente cruéis. O seu sobrenome era Dracuela, que significa algo próximo de “filho do dragão”, por isso ele ficou conhecido como Drácula. Bem como, foi a inspiração para o escritor irlandês Bram Stoker lançar, em 1897, “Drácula“.

Todavia, como costume da autora, há diversos elementos da história real que são misturados com a liberdade criativa para a composição da trama. Por exemplo, vemos detalhes no livro sobre a ordem religiosa da família Vlad (conhecida como “Ordem do Dragão”) que realmente existiu, sendo que tanto Vlad III quanto o seu pai, Vlad II, eram membros. Logo após o fim da história, há uma parte onde a própria autora conta como foi o processo de misturar esses fatos reais com a narrativa de “Príncipe Drácula“.

Rastro de Sangue - Príncipe Drácula
Segundo livro da série “Rastro de Sangue”. Imagem: Darkside Books (divulgação)

De volta para história, Audrey e Thomas viajam para a Romênia, no município de Brașov, com o único propósito de aprimorar os conhecimentos forenses na academia, mas o que ambos não esperam é que durante o percurso da viagem um cadáver aparece misteriosamente com o coração perfurado. Entretanto, como Audrey ainda não se recuperou totalmente do trauma proferido pelo caso do Jack, o Estripador, vemos uma personagem com a saúde mental totalmente abalada. Dessa forma, ela terá que enfrentar este trauma para continuar com suas autópsias. 

Esse rastro de sangue continuará se espalhando ao longo da trajetória de Audrey e Thomas na academia forense. Corpos perfurados e com o sangue drenado aparecem na região. Será que Audrey e Thomas conseguirão desvendar sozinhos esse caso? Além disso, os boatos começam a se espalhar nas machetes dos jornais: o verdadeiro Príncipe Drácula estaria de volta para atormentar a população? Quem seria o responsável por provocar essa nova onda de assassinatos?

Uma protagonista que desafia os costumes vitorianos

A era vitoriana foi marcada pelo conservadorismo da sociedade e a imposição de comportamentos rígidos e moralistas. E quem perdia mais com isso? As mulheres, lógico. O papel delas era designado aos cuidados da família e da casa. Mas, em “Príncipe Drácula“, Audrey Rose está longe de se entreter apenas com bordados. A jovem quer manusear seu bisturi, sem se preocupar em sujar seus vestidos, abrindo corpos e estudando cada parte do corpo humano.

Não obstante, por ser a primeira mulher a fazer parte dessa academia, ao chegar no local a jovem desperta diversos olhares tortos e é recebida com desdém e hostilidade pelo diretor. Já seus colegas homens veem sua presença como uma invasão do território deles. Entretanto, Audrey não ficará quieta diante dessas barreiras. Ela lutará contra o machismo e mostrará que é capaz quanto qualquer homem daquela academia. 

Cenário gótico e a edição da obra

A ambientação gótica do livro é outro detalhe que merece destaque. Há diversas passagens que remetem ao castelo assombrado de Vlad, além de cenas carregadas de tensão que ocorrem na floresta que cerca o local. Como a região do castelo fica no alto da montanha, temos descrições dos ventos e das noites frias e barulhentas. Além disso, há uma sensação constante de que Audrey e Thomas estão sendo vigiados e o mistério dos assassinatos vão se integrando ao mistério do próprio castelo assombrado.

Kerri Maniscalco
A autora Kerri Maniscalco. Imagem: reprodução
Leia também:
>> [QUADRINHO] Lady Killer: bela, recatada, do lar e assassina em série!
>> [QUADRINHO] “Aurora nas Sombras” é uma fábula sobre o pesadelo do amadurecimento
>> [LITERATURA] Tabitha King: “aprendi muito cedo que, o que quer que eu fizesse, o problema estava em ser mulher”

Ademais, é interessante a escolha de mostrar no início de cada capítulo da edição, imagens e fotos, como as do verdadeiro castelo de Vlad, dos instrumentos forenses utilizados em épocas passadas, além de fotos antigas de salas de autópsia. Como a autora estudou Ciência e Criminologia para aprofundar sua paixão por medicina forense, houve um cuidado em retratar como era de fato aquele ambiente apresentado no livro, agregando de forma significativa a experiência da leitura. 

Romance livre dos padrões em “Príncipe Drácula”

A respeito do romance entre Audrey e Thomas, já sabemos que os dois possuem muita química. Portanto, em “Príncipe Drácula” o desenvolvimento dessa relação continua. Thomas é um rapaz progressista para o homem de sua época. Ele não se sente “ameaçado” pela inteligência de Audrey e não se incomoda ao ser salvo diversas vezes por ela. Uma mulher estudando numa academia cercada de homens? O que seria considerado como uma atitude subversiva e inadequada para uma dama da época, é visto com certa naturalidade por Thomas. Entretanto, nem tudo são flores. 

Ao passo que Thomas fica preocupado com a saúde mental de Audrey, o personagem age de forma paternalista, mas ela é direta ao afirmar que não pretende ter sua liberdade controlada por homem algum. Dessa maneira, tal passagem poderia ter sido romantizada por outros autores. Entretanto, a autora mostra que a personagem não precisa que nenhum homem tome decisões por ela, afirmando que Audrey é capaz de cuidar de si mesma. Ao mesmo tempo, é interessante ver que o personagem não é perfeito e que Thomas possui vestígios do machismo da época.

Rastro de Sangue - Príncipe Drácula
Adquirindo o livro na loja da Darkside, você leva esse sketchbook exclusivo. Imagem: Darkside Books (divulgação)

Apesar da tensão sexual dos dois se prolongar de forma desnecessária durante a trama de “Príncipe Drácula“, Audrey e Thomas continua como uma dupla cativante. Para além das discordâncias que compõe os flertes sarcásticos e inteligentes do casal, neste livro, ambos começam a revelar os sentimentos e desejos de um pelo outro, criando uma maior reciprocidade na construção do casal.

Mulheres aliadas e representação LGBT positiva

Em “Príncipe Drácula” temos uma variedade de personagens femininas que ajudarão Audrey e Thomas a desvendar a identidade do misterioso assassino. Começando por Anastasia, a carismática filha do diretor da academia; passando por Daciana, irmã de Thomas; e por último, Ileana, uma das empregadas do castelo. 

Através da troca de cartas com a prima, vemos o quanto Audrey sente falta de uma amiga presente e do convívio com outras mulheres, portanto, dessa vez ela terá a oportunidade de construir novas amizades com essas mulheres que, apesar de diferentes entre si, vão se solidarizar com a protagonista e se aliar na captura do assassino. Saindo um pouco dos arcos de Audrey e Thomas, essas novas personagens se destacam e trazem uma diversidade maior para a obra.

Transgredindo mais uma vez os costumes da época vitoriana, a autora ainda abre espaço para a construção de uma relação LGBTQ em “Príncipe Drácula“. E o melhor de tudo? Não tem um final trágico. Inclusive, essa relação é tão bem construída que faz parte de uma revelação importante para trama. Assim, a autora mostra que há outros personagens além de Audrey, que também lutam e resistem aos costumes conservadores da época.

A narrativa de Kerri Maniscalco continua prendendo. Há novas transgressões aos costumes, com a diversidade de novas personagens bem construídas, além de reviravoltas marcantes. Até agora a série “Rastro de Sangue” é um prato cheio para quem gosta de histórias sobre serial killers, com ambientação gótica e uma protagonista que mantém afiado tanto o seu bisturi quanto a sua opinião.

Rastro de Sangue Príncipe Drácula” é o segundo livro de uma série de quatro volumes. O terceiro livro intitulado “Escaping From Houdini” e o quarto “Capturing the Devil” já foram lançados em inglês, sem previsão lançamento no Brasil. Mas, seguindo a frequência de publicação da série pela Darkside Books, podemos esperar o lançamento do terceiro para o início do próximo ano e do quarto para o início de 2021. 


Príncipe DráculaRastro de Sangue – Príncipe Drácula

Autora: Kerri Maniscalco

Tradução: Ana Death Duarte

Darkside Books

417 páginas

Se interessou pelo livro? Compre aqui ou aqui!

O Delirium Nerd é integrante do programa de associados da Amazon. Comprando através do link acima, ganhamos uma pequena comissão e você ainda ajuda a manter o site no ar, além de ganhar nossa eterna gratidão por apoiar o nosso trabalho.


Compartilhe

Autora

287 Posts

Fundadora e editora-chefe do Delirium Nerd. Revisora. Apaixonada por gatos, café, cinema do oriente médio, quadrinhos e animações japonesas. Ouve muito Harry Styles e cantoras melancólicas.
Veja todos os textos
Follow Me :