Last Day of June: um jogo sobre amor e luto

Last Day of June: um jogo sobre amor e luto

O que você faria para salvar quem você ama? É com essa pergunta que Last Day of June te convida a desbravar essa história tão deliciada sobre amor e luto, que faz até a mais insensível das pessoas se emocionar e, talvez, até chorar!

Desenvolvido pelo estúdio Ovosonico e distribuído pela 505 Games, Last Day of June pertence ao gênero aventura e foi lançado em agosto de 2017. Disponível para PC, PlayStation 4 e Nintendo Switch, o jogo foi aclamado pela crítica e também pelo público.

Last Day of June é uma narrativa interativa, com viagens ao passado e muitos puzzles que conduzem a jogadora não apenas à resolução da história, mas também à vida de cada personagem e ao poder de suas ações nesse universo. E, é claro, é também mais uma obra de arte da cena independente de desenvolvimento de jogos!

Last Day of June - resenha

Uma história trágica

Last Day of June começa com um passeio descontraído de Carl e June, nossos protagonistas. O dia termina com um acidente de carro que culmina na morte de June e na paralisia de Carl. Mas apesar de toda a dor, logo somos apresentadas à possibilidade de alterar a sequência de eventos que leva a esse trágico acontecimento.

O jogo conta com mais quatro personagens, que chamaremos de a criança, o caçador, a amiga e o vovô. É possível modificar o dia de cada um deles, com o único objetivo de evitar o acidente, mas é importante saber que cada mudança acaba alterando também o destino dos demais personagens. E enquanto alteramos o passado, podemos conhecer um pouco mais sobre o papel de cada um deles.

Leia também >> Lenin, The Lion: uma forma lúdica de falar sobre a depressão

jogo independente

Como uma obra de arte

Os cenários de Last Day of June são como uma pintura, e isso não é exatamente uma figura de linguagem. Ao longo do jogo descobrimos que June se aventura como pintora, então a escolha da direção de arte em entregar gráficos como uma pintura é muito acertada e faz com que o título tenha um perfil único.

Além das cenas serem ricas em detalhes, a fotografia e a iluminação são de tirar o fôlego. Quase como um quebra-cabeça, tudo parece complementar uma narrativa que é profunda e pesada demais para ser vista com traços simples e impessoais.

Last Day of June - resenha

A imersão do jogo

Last Day of June é inspirado pela canção Drive Home, de Steven Wilson, músico e compositor que também é o responsável por todas as músicas do jogo. Se pedissem pra gente definir a trilha sonora de Last Day of June em uma única palavra, esta seria impecável!

Poucos jogos conseguem o grande feito de torná-la parte tão fundamental para a imersão da jogadora e Last Day of June faz isso com maestria e precisão. Além disso, os efeitos sonoros também garantem que a jogadora fique atenta a cada detalhe que possa mudar o rumo da história – então não esqueça do seu headset na hora de jogar!

Leia também >> Valente por você: a última aventura de um herói apaixonado

Nem sempre voltar no tempo é a solução…

Last Day of June é uma história sobre amor e perda. Sobre luto e os sentimentos que circundam um momento tão traumático quanto a perda de um amor. Mas, se permitem a intromissão, também pode ser uma alegoria para relacionamentos que chegaram ao fim.

Carl tenta a todo custo mudar suas ações para salvar June. Em algum momento, quem já passou pelo fim de um relacionamento também remoeu o passado pra descobrir o que poderia ter feito de diferente para que não chegasse a esse ponto.

Leia também >> Gris: Uma obra de arte sobre resiliência e superação

Nos atrevemos a dizer que, às vezes, a resposta é “absolutamente nada”. Relacionamentos acabam. O amor acaba ou se transforma em alguma outra coisa que não serve mais. E, no entanto, dificilmente poderíamos ter feito algo para que o resultado fosse diferente. De certa forma, Last Day of June também nos ensina que a vida é isso mesmo… Coisas acontecem e a gente precisa seguir em frente, apesar de tudo.

E com essa mensagem, te convidamos a conhecer a história de Carl e June, sobre um amor tão grande que é capaz de tudo. Até de voltar no tempo para fazer o impossível!


Edição e revisão por Isabelle Simões.

Escrito por:

61 Textos

No momento gamer casual. Em tempo (quase) integral Comunicadora, Relações Públicas e Pesquisadora. Pisciana e sonhadora, meio louca dos signos, meio louca dos gatos. Fã de tecnologia, games, e-sports e outras nerdices.
Todos os textos
Follow Me :