8 filmes para conhecer o melhor do cinema iraniano

8 filmes para conhecer o melhor do cinema iraniano

O cinema iraniano é repleto de histórias sensíveis e marcantes que deveriam ser mais apreciadas e reconhecidas. Muitos filmes possuem narrativas simples mas que transmitem uma sensibilidade difícil de vermos em quaisquer obras audiovisuais. Nos aproximamos com facilidade da perspectiva e dos sentimentos dos personagens, compreendendo suas dores, alegrias e questões universais.

Dessa forma, preparamos uma lista com oito dicas de filmes para você conhecer melhor o cinema iraniano e abrir sua visão para novas histórias do oriente médio.

Gabbeh (1996), de Mohsen Makhmalbaf

Uma das célebres obras do novo cinema iraniano, o longa que participou da mostra Um Certo Olhar em Cannes narra com toque fantástico, o cotidiano dos vilarejos remotos do Irã pós-Revolução Islâmica, principalmente a relação entre tradição e modernidade intrincada na cultura pérsica.

O filme aborda a rotina de um casal idoso que segue sua rotina de limpar o gabbeh, um tapete com um desenho intrincado. Magicamente, uma jovem aparece e passa a ajudar os dois. Ela pertence ao clã cuja história é narrada nas imagens do gabbeh, especialmente o romance que envolveu a tal jovem e um estranho do clã.

Disponível no streaming Reserva Imovision

A Maçã (1998), de Samira Makhmalbaf

Filha do cineasta Mohsen Makhmalbaf, Samira estreou como diretora aos 17 anos com este longa sobre a libertação de duas meninas mantidas em cativeiro pelos próprios pais. O filme é baseado em uma história real e foi integrante da mostra Um Certo Olhar.

Disponível no streaming Reserva Imovision

A Cor do Paraíso (1999), de Majid Majidi

Em A Cor do Paraíso, Mohammad é um jovem estudante de oito anos que frequenta uma escola para cegos em Teerã. Sua impossibilidade de ver o mundo reforça mais ainda sua habilidade em sentir suas poderosas forças. Depois de um ano, ele volta à sua terra natal, um vilarejo no norte montanhoso do Irã, junto com seu pai, um carvoeiro viúvo.

Fora do Jogo (2006), de Jafar Panahi

O diretor iraniano Jafar Panahi lança seu olhar para um grupo de garotas que fazem de tudo para entrar no Azadi Stadium, em Teerã, a fim de assistir a uma partida de futebol. Com a política da República Islâmica do Irã proíbe mulheres em eventos como esses, as jovens se arriscam a se vestir de meninos para assistirem a partida.

Disponível no youtube (legendas em inglês)

Respiro (2016), de Narges Abyar

Respiro, filme da diretora Narges Abyar, conta a história de uma família iraniana que vive no Irã. Ele conta a história de Bahar, que vive com seu pai, Ghafour e a avó durante os anos 1970. Bahar vive em seu mundo infantil e surreal, cheio de sonhos e fantasias.

Leia também >> Larissa Sansour: a ficção científica como recurso para narrar a realidade

Dez (2002), Abbas Kiarostami

Dez sequências na vida emocional de 6 mulheres e os desafios com que elas se deparam num momento particular de suas vidas. Dez episódios que se passam em dias diferentes, mas sempre no carro de uma jovem mulher.

Divorciada e recém-casada com outro homem, a protagonista dessa história, escrita e dirigida por Abbas Kiarostami, tem um filho do primeiro casamento que, no entanto, não cansa de culpá-la por não agir dentro do código moral do Irã. Além de seu filho, ela dá carona a várias mulheres, uma prostituta, uma jovem apaixonada e uma senhora, criando um retrato das mulheres no Irã.

Baran (2001), Majid Majidi

Baran, filme escrito e dirigido pelo cineasta , conta a história de um grupo de refugiados afegãos que trabalham ilegalmente no Irã. O filme é visto através dos olhos de Lateef, um adolescente iraniano que trabalha numa construção servindo comida e chá para os afegãos, que fazem serviços pesados por um salário miserável.

Quando Najaf, um dos operários, sofre uma queda durante o trabalho e fere-se gravemente, o emprego de todos fica ameaçado, pois as autoridades não podem saber como se deu o acidente. O filho de Najaf, Rahmat, passa a substituí-lo na construção e nasce uma rivalidade entre ele e Lateef. Porém, uma descoberta inesperada fará o garoto iraniano mudar de atitude.

Um Instante de Inocência (1996), Mohsen Makhmalbaf

Quando Mohsen Makhmalbaf, realizador do filme, tinha dezessete anos, ele esfaqueou um policial durante um grande protesto – contra o regime que comanda o país à época – que ocorreu nas ruas de Teerã. Makhmalbaf foi preso em flagrante e ficou preso durante muito tempo. Vinte anos após o incidente, ele convida o policial que esfaqueou para participar da reconstrução dos eventos do fatídico dia no longa Um Instante de Inocência.

Escrito por:

289 Textos

Fundadora e editora-chefe do Delirium Nerd. Revisora. Apaixonada por gatos, café, cinema do oriente médio, quadrinhos e animações japonesas. Ouve muito Harry Styles e cantoras melancólicas.
Todos os textos
Follow Me :