The Last of Us – 1×02: reviravoltas, heroísmo e estaladores!

The Last of Us – 1×02: reviravoltas, heroísmo e estaladores!

Mais um domingo de tensão na HBO! A série de The Last of Us continua surpreendendo positivamente. O segundo episódio, intitulado Infected, seguiu o trio Joel, Ellie e Tess em busca do encontro com o grupo revolucionário dos Vagalumes. Mas, assim como no jogo, algumas reviravoltas acabaram mudando os planos dos personagens. 

Contextualização e explicações no segundo episódio de The Last of Us

Seguindo a mesma ideia da semana passada, o começo do episódio serviu como uma contextualização do mundo fora do núcleo protagonista: dessa vez, a viagem no tempo e espaço foi até Jacarta (ainda em 2003), onde autoridades tentavam descobrir a origem do Cordyceps em humanos através de análises em uma espécie de “paciente 0”.

A tensão do segundo episódio de The Last of Us começa aí: não há vacina ou remédios para tratar a infecção e prevenir o vírus de se propagar, então a única alternativa é bombardear tudo! 

Os primeiros diálogos de Ellie, Tess e Joel no segundo episódio de The Last of Us.
Os primeiros diálogos de Ellie, Tess e Joel. | Imagem: divulgação/HBO

A HBO tem sido certeira em investir nos acontecimentos fora do núcleo Joel-Ellie. Desde o primeiro episódio são mostradas algumas sequências de como tem sido a vida da população desde o surgimento da pandemia do Cordyceps.

Isso torna a imersão ainda maior para quem assiste, além de responder muitas perguntas que os jogadores faziam desde o lançamento do jogo – como e quando surgiu o vírus, quais as medidas tomadas, como as cidades ficaram daquele jeito, como é a vida desde então.

Leia também >> The Last of Us: muito além de uma jornada em busca de vingança

Temos visto um pouco de tudo. E isso ajuda a entender melhor aquele universo, e não apenas um recorte da história. Os pequenos fragmentos mostrando isso são um ótimo recurso para contextualizar sem sair da linha principal do roteiro de The Last of Us

Outro detalhe importante, mas que não foi citado diretamente, é a diferenciação dos zumbis. Neste segundo episódio mostraram os zumbis corredores (aqueles que existem em maior quantidade) e os estaladores (aqueles que não enxergam, mas ouvem com precisão). Alguns outros são citados, inclusive um tipo que causa explosões (será que vem Boss por aí?).Os zumbis, elementos chave da trama, têm sido adaptados com perfeição – grande acerto da equipe de produção de efeitos especiais!

Publicidade
Cena do segundo episódio de The Last of Us
Vimos muitos desses fungos nas paredes lá no game, lembra? | Imagem: divulgação/HBO

Ellie e Joel, a dupla que a gente ama!

Quem jogou ou assistiu aos gameplays de The Last of Us sabe como a relação de Ellie e Joel é construída com perfeição. Ao longo do game, os dois protagonistas se tornam cada vez mais próximos, a lealdade e o afeto entre os dois crescem à medida em que enfrentam as adversidades em seu caminho.

Joel, um homem de meia idade que perdeu sua filha ainda criança (Alô, primeiro episódio!), percebe com Ellie a necessidade de cuidar e proteger uma garota dos males grotescos daquele mundo. Ellie, por sua vez, apesar da personalidade forte, enxerga Joel como esse protetor, uma figura paterna que ela nunca teve. 

O ator Pedro Pascal e a atriz Bella Ramsey conseguiram incorporar essa relação delicada dos personagens com louvor. A sinergia entre os atores aumentou nesse segundo episódio e pudemos ver um pouco mais dessa relação que está sendo construída: aumento da lealdade e confiança entre os dois, além de muitos diálogos que fazem rir e chorar na mesma intensidade. 

Leia também >> Aftersun: uma viagem pelas memórias da infância
Ellie e Joel, a dupla que a gente ama!
“Mas esse visual é incrível” Pegou a referência? | Imagem: divulgação/HBO

É referência que você quer em The Last of Us? Então toma!

Nesse segundo episódio de The Last of Us vimos uma enxurrada de referências ao game. Alguns pequenos detalhes que ajudam no desenvolvimento dos personagens e costuram a trama não ficaram de fora do roteiro, tornando a adaptação ainda mais bem sucedida.

Quem aí lembra da Ellie pedindo uma arma para uso próprio ao longo do jogo? E do fato de que ela não sabe nadar? Algumas dessas características, ainda que mínimas, fazem toda diferença na história de The Last of Us.

Algo que é sempre bom relembrar: aquela menina é apenas uma criança. Apesar das opiniões fortes e da maturidade que lhe foi imposta, é possível ver momentos de inocência na personagem, algo que Bella Ramsey entrega de forma certeira.

As referências do game no segundo episódio de The Last of Us
E teve a parte do museu de história dos EUA! Baita ambientação! | Imagem: divulgação/HBO

Mas não só de detalhes e alívio cômico vive essa adaptação – também foi citada uma referência importante: como a Ellie foi “infectada”?

Publicidade

Em um diálogo com o personagem de Pedro Pascal, ela cita como tudo aconteceu. Ao conhecer a Ellie melhor através da série, impossível não lembrar da DLC do jogo: Left Behind, que narra as vivências da personagem enquanto estava sozinha ou apenas com sua amiga Riley (Que aparece em algumas imagens da série também!)

Leia também >> Andor – 1ª temporada | Crítica: sobre liberdade e resistência

Falando em detalhes, outro importante para a ótima ambientação da série é a trilha sonora! Dos mesmos compositores da trilha sonora dos jogos (Gustavo Santaolalla e David Fleming), as músicas imersivas do show tem sido uma referência e tanto. As composições aliadas aos sons ambiente do universo de The Last of Us são de arrepiar!

Você também estremeceu ao ouvir o barulho dos zumbis estaladores? 

O heroísmo de Tess e a expectativa para os próximos episódios

E aquele momento chegou: a morte de Tess. Ao chegar no Capitólio (lugar marcado para encontrar os Vagalumes e entregar a Ellie), o trio descobre que todos ali foram infectados, alterando todos os planos de Joel e Tess. É aqui que todos descobrem que o pior aconteceu: após a luta com os estaladores, Tess (interpretada por Anna Torv) foi infectada.

Em seguida, momentos de tensão. Um dos vagalumes infectados acorda e é preciso atirar nele. O barulho, portanto, faz com que outros zumbis corram para o local. Nesse momento, só resta uma opção: o sacrifício de Tess.

Apesar de ser diferente do que ocorre no jogo, a adaptação da morte da personagem foi super emocionante. Um ato de heroísmo em prol da proteção de Ellie e a busca pela cura, mas com um contato pra lá de esquisito e inovador entre a personagem e um zumbi.

A despedida trágica de Marlene (Merle Dandridge) no segundo episódio da série da HBO.
E esse beijo? Eca! | Imagem: divulgação/HBO

É aqui que o rumo da dupla se transforma, e agora começa a verdadeira missão: encontrar quem possa ajudar na viagem rumo ao Oeste, onde Marlene (Merle Dandridge) disse ser o destino da garotinha resistente ao Cordyceps. 

Por enquanto, a HBO tem entregado uma adaptação de primeira, com muita tensão e ambientação excelente. As expectativas para os próximos episódios de The Last of Us são altas, e as chances de vermos mais cenas exatamente como às do jogo são altas!

E aí, qual parte do jogo você mais quer ver sendo reproduzida? 

Escrito por:

2 textos

Baiana, graduanda em Jornalismo pela UFSJ. Apaixonada por arte e cultura geek, aficionada pela sétima arte e exploradora de gêneros musicais esquisitos.
Veja todos os textos
Follow Me :
error: Os artigos do Delirium Nerd estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Plágio é crime. A utilização não autorizada deste artigo pode resultar em processo.