Mês da visibilidade trans: artistas geniais da música alternativa

Mês da visibilidade trans: artistas geniais da música alternativa

A arte é uma intensa forma de expressão para o ser humano. Através da música, por exemplo, sentimentos e ideias ganham vida com sonoridades marcantes e composições profundas, tornando-se uma poderosa forma de afirmação e luta.

Janeiro marca o Mês da Visibilidade Trans, dedicado a celebrar as diversas identidades abrangidas pelo termo e destacar os desafios que ainda enfrentam. A música tem sido um meio para muitas pessoas compartilharem suas experiências e expressarem sua criatividade individual, especialmente para quem não se identifica com o gênero designado.

Diversos ícones trans deixaram sua marca no mundo da música eletrônica e alternativa, influenciando o cenário musical atual. Nesta lista, exploramos artistas que moldaram e atravessaram fronteiras, contribuindo para o panorama musical contemporâneo.

SOPHIE

Sophie no videoclipe de It's Okay To Cry - Artistas trans geniais da música alternativa
Sophie no videoclipe de It’s Okay To Cry | Imagem: Reprodução/Spotify

Ao falar de música alternativa, principalmente da música eletrônica moderna, é essencial citar SOPHIE como um dos maiores nomes desse meio, pois foi quem deu nome aos gêneros conhecidos como PC Music ou hyperpop. Suas colaborações incluem artistas do nicho como Charli XCX, Arca e Caroline Polachek, bem como do mainstream, como Madonna e Lady Gaga.

Leia também >> Caroline Polachek e a jornada artística de um ícone musical

A carreira de SOPHIE começou de forma anônima, por meio de apresentações discretas e produções cheias de personalidade, mas sem sua figura diretamente associada. Foi o clipe de It’s Okay To Cry que revelou sua identidade, colocando seu rosto à mostra como foco da produção.

A canção faz parte de seu álbum lançado em 2018, Oil of Every Pearl’s Un-Insides, com diversas faixas que expressam suas visões de mundo através de composições lúdicas e inovadoras. Assim, o disco é frequentemente citado em debates sobre produções que revolucionaram o cenário musical.

Como uma notícia avassaladora, SOPHIE faleceu em janeiro de 2021, deixando um legado artístico inesquecível. Além de sua grande competência musical e visual, também marcou seu entorno com uma personalidade admirável, sendo alvo de saudade e inspiração para seus amigos da indústria.

Laura Les

Laura Les é conhecida por representar 50% do grupo 100gecs, onde colabora com o músico Dylan Brady. Os dois desempenharam um papel importante na popularização do hyperpop, com produções divertidas e exageradas que caracterizam esse estilo.

Fotografia de Laura Les - Artistas trans geniais da música alternativa
Fotografia de Laura Les | Imagem: Reprodução/Instagram @afantano

Em 2022, sua música solo Haunted, composta e produzida por Laura, apareceu em uma cena da segunda temporada de Euphoria, impulsionando os streams da canção, que se tornou a mais reproduzida em seu perfil no Spotify.

Leia também >> Euphoria – 2ª temporada: uma direção primorosa sustenta a falta de roteiro?

Nos últimos anos, Laura concentrou-se no trabalho com os gecs. Com o lançamento do LP 10.000 gecs em 2023, ela se dedicou a turnês e a outros projetos de menor escala. No entanto, ainda não se comprometeu com um álbum solo, deixando os fãs curiosos sobre um possível projeto desse tipo.

Ayesha Erotica

Conhecida como “literalmente uma lenda”, Ayesha aborda temas de autoestima e autoafirmação de maneira única em suas composições. Sua linguagem explícita e chocante é utilizada de forma divertida, transmitindo mensagens sobre poder e amor próprio.

Foto de Ayesha Erotica - Artistas trans geniais da música alternativa
Foto de Ayesha Erotica | Imagem: Reprodução

Ayesha viralizou com músicas como Emo Boy e Vacation Bible School, que abordam cenários sexuais e polêmicos sem pudor.

Leia também >> Muna: sexualidade e gênero no pop

Ela também colaborou com outros artistas do mesmo estilo, sendo próxima de Slayyyter, por exemplo, e contribuindo na produção de músicas como BFF e Alone.

Arca

Arca é uma musicista venezuelana reconhecida por seus lançamentos significativos na música eletrônica experimental. Embora já tenha lançado mixtapes sob seu nome artístico anteriormente, seu álbum de estreia, Xen, foi apresentado ao público em 2014.

Capa do álbum KICK ii
Capa do álbum KICK ii | Imagem: Reprodução

Seus lançamentos mais recentes incluíram cinco álbuns irmãos: KiCk i, KICK ii, KicK iii, kick iiii e kiCK iiiii. Neles, Arca explora estéticas transumanistas, unindo elementos humanos e tecnológicos tanto visualmente quanto musicalmente, resultando em trabalhos completos e complexos.

Leia também >> O terror e o universo inabitável nos jogos da desenvolvedora Kitty Horrorshow

A artista já colaborou com proeminentes da indústria, como ROSALÍA, Sia e Shygirl. Além disso, Arca é conhecida por sua colaboração com a cantora Björk, a quem considera uma grande amiga. O disco Utopia, por exemplo, é um dos resultados dessa parceria, sendo coproduzido por elas.

Consumir é um incentivo!

Assim, a partir dos ícones listados, vale ressaltar que é essencial ir além deles. Outros gêneros musicais e estilos estéticos também guardam musicistas trans incríveis que merecem reconhecimento.

Leia também >> “Eu sou o rosto da ira do amor”: a narrativa inquietante de Preacher’s Daughter

Com a representatividade e novos cenários artísticos mais tolerantes, é esperado que continuem surgindo artistas geniais, com liberdade para expressar e afirmar identidades e perfis distintos.

Escrito por:

9 textos

Jornalista/comunicóloga, com amor pela arte e pela escrita. Do fofo ao aterrorizante, falar do que eu gosto é minha maior motivação!
Veja todos os textos
Follow Me :