Caroline Polachek e a jornada artística de um ícone musical

Caroline Polachek e a jornada artística de um ícone musical

Com vocais angelicais, produções sonoras autorais e comprometimento artístico, a cantora Caroline Polachek tem consolidado seu nome como uma das figuras mais icônicas do cenário musical atual. Associada a gêneros como synth-pop, PC Music e até mesmo música ambiente, sua trajetória começou em 2005 no grupo Chairlift e, agora, ela lança sua música como artista solo.

Em outubro, Polachek viralizou com uma performance para a música Dang, na qual imitava uma apresentação acadêmica com slides no ritmo da canção. O sucesso de Caroline ao entregar uma produção visual e musical icônicas encantou o público, que exaltou sua voz, postura e, acima de tudo, sua dedicação à arte.

De fato, um artista pode surgir da noite para o dia, encarando o estrelato logo no início da carreira. No entanto, Caroline Polachek construiu um portfólio interessante antes de se tornar o foco de fanpages, receber aclamação da crítica especializada e ser incluída até mesmo nas intermináveis guerras de fandoms nas redes sociais.

Chairlift e a introdução a Caroline

Chairlift foi uma banda de synth-pop formada em 2006. Polachek iniciou o projeto junto a Aaron Pfenning, seu colega na Universidade do Colorado, e eventualmente Patrick Wimberly se uniu a eles.

Grupo Chairlift: Patrick Wimberly, Caroline Polachek e Aaron Pfenning
Grupo Chairlift: Patrick Wimberly, Caroline Polachek e Aaron Pfenning | Imagem: Reprodução

Como trio, lançaram Does You Inspire You, um álbum que os colocou em evidência com o single Bruises.

Em 2012, Aaron deixou o grupo, e a dupla remanescente lançou mais dois álbuns juntos. Algumas das canções mais famosas do Chairlift, como Amanaemonesia e I Belong In Your Arms, estão incluídas no álbum Something, do mesmo ano.

Desde o início, Caroline exaltava seu perfil criativo, sendo uma presença marcante nos vocais e clipes da banda, onde performava, dançava e sinalizava o início de uma jornada de sucesso.

Leia também >> Entre orquestras e sintetizadores, Wendy Carlos é a matriarca da música eletrônica

O Chairlift oficialmente encerrou suas atividades em 2017, conforme anunciado nas redes sociais. Os membros afirmaram que foi uma separação amigável e expressaram gratidão pelo tempo que passaram juntos.

Os primeiros projetos solo

Como artista solo, Caroline lançou seus primeiros projetos sob o nome artístico Ramona Lisa. O álbum Arcadia, lançado em 2014, ilustra esse período da carreira.

Caroline Polachek como Ramona Lisa.
Caroline como Ramona Lisa |Fotografia: Tim Barber

Caroline descreve as canções do LP como “música eletrônica pastoral”, tendo se inspirado principalmente na arquitetura romana, que pôde apreciar durante uma turnê do Chairlift pelo país.

Leia também >> And In The Darkness, Hearts Aglow: a complexidade da existência humana por Weyes Blood

Posteriormente, a cantora lançou um projeto experimental de música ambiente sob a identificação de CEP, usando as iniciais de seu nome completo, Caroline Elizabeth Polachek.

O álbum Drawing the Target Around the Arrow surpreende em relação aos seus trabalhos anteriores, destacando sua habilidade de transitar pela música eletrônica e explorar suas capacidades e visões criativas.

Pang! Para dentro de você

Finalmente consolidando seu nome como marca, Caroline Polachek lançou o álbum Pang em 2019, associando-se a influentes figuras da PC Music, como os produtores Danny L Harle e A.G. Cook.

Capa do álbum Pang
Capa do álbum Pang | Imagem: Reprodução

Graças ao LP, ela se destacou entre as artistas alternativas, conquistando fãs definitivos. So Hot You’re Hurting My Feelings tornou-se sua música mais famosa, destacando-se como um dos pontos altos de seus shows.

A estética de Pang permeia aspectos místicos, sendo descrito como um “conto de fadas expressionista“.

Segundo Caroline, o álbum é dedicado aos românticos incontroláveis, explorando temas como solidão, paixão e o desejo por novos começos. Essa obra marcou sua identidade artística, que ela continuou a explorar em projetos subsequentes.

Leia também >> 6 músicas sobre a vida e suas mudanças por vozes femininas

Desire: nada jamais será como antes

Capa do álbum Desire, I Want to Turn Into You
Capa do álbum Desire, I Want to Turn Into You | Imagem: Reprodução

Em 2023, Caroline Polachek lançou um dos álbuns mais aclamados do ano, Desire, I Want to Turn Into You, que ganhou destaque em listas de veículos como Pitchfork (2º lugar) e The Guardian (3º lugar). Com críticas positivas, o álbum consolidou e impulsionou a força de seu trabalho.

Leia também >> Os melhores álbuns femininos do primeiro semestre de 2023

Da capa detalhista à produção musical diversificada, o disco foi recebido calorosamente pelos fãs e admiradores. Inclui singles como Welcome to My Island, Bunny is a Rider e Sunset, sendo uma das faixas mais notáveis a música I Believe, uma homenagem à sua amiga e artista inesquecível, SOPHIE, que faleceu em janeiro de 2021.

Caroline Polachek em apresentação do Tiny Desk
Apresentação no Tiny Desk | Fonte: Reprodução

Apesar do sucesso entre fãs e críticos, Desire não recebeu indicações nas categorias principais do Grammy. Os concorrentes foram acirrados, com nomes como Lana Del Rey, SZA e Boygenius ocupando posições de destaque.

Leia também >> Boygenius e a conexão profunda entre amizade e criação musical

Mesmo assim, Desire, I Want to Turn Into You deixa uma narrativa sobre as várias facetas do amor, da perda – tanto de outros quanto de si mesmo – e, principalmente, da abertura para as possibilidades dessas experiências.

O álbum encerra-se com a canção Billions, que ilustra a capacidade de Caroline de se entregar completamente. Isso contrasta com a música de abertura, na qual Polachek, ainda receosa, convidava a mira de seus desejos para sua “ilha pessoal” que, agora, “nunca esteve tão próxima” dela.

Assim, Desire destaca a habilidade da artista de criar um álbum completo, bem elaborado e imerso em seu tema.

Próximos passos

Caroline não anunciou datas para projetos ou turnês em 2024. Com o lançamento de Dang, a artista plantou a esperança de um novo álbum ou, possivelmente, de uma versão deluxe para Desire. Até o momento, no entanto, ela não deu indicações nesse sentido.

A torcida é para que a cantora prossiga com sua trajetória de entregas cuidadosas e uma forte identidade musical. A expectativa por uma grande produção aumentou após o destaque de seu último álbum.

Contudo, desde que o compromisso artístico permaneça, Caroline Polachek mantém o potencial para continuar marcando e elevando seu nome na música, consolidando-se como um verdadeiro ícone.

Escrito por:

9 textos

Jornalista/comunicóloga, com amor pela arte e pela escrita. Do fofo ao aterrorizante, falar do que eu gosto é minha maior motivação!
Veja todos os textos
Follow Me :